Coluna do Mac Donald: ‘Curitiba, a capital mais motorizada do País’

macdonald_viscondeRicardo Mac Donald*

Na semana passada eu estava preparado para escrever sobre este tema, quando houve toda uma comoção na Assembleia Legislativa, que percorreu o Estado e o País. Ontem, quinta-feira, também aconteceu grande manifestação.

Como meu tema é Curitiba e as escolas municipais voltam à s aulas junto com universidades e escolas particulares, uso o espaço para mostrar algumas soluções para o trânsito curitibano.

Em março deste ano, serão implantados os primeiros 30 No-Breaks nos principais semáforos da cidade. Esse equipamento permite que os semáforos continuem funcionando por até seis horas sem energia elétrica, o que acabará com os transtornos nos cruzamentos congestionados em dias de temporais e apagões.

Para beneficiar os idosos, serão ampliados os temporizadores de semáforos, permitindo um tempo maior em alguns cruzamentos, o que evitará muitos atropelamentos.

As vias exclusivas de ônibus, a exemplo da Rua XV de Novembro, que possibilitam uma economia de até 15 minutos no tempo de viagem, serão implantadas agora nas ruas Marechal Deodoro e Desembargador Westphalen. Some-se a isso mais 242 mil metros quadrados de pintura em sinalização horizontal e 58 novos semáforos.

Resolve? Não. Mas ajuda muito a disciplinar e facilitar o trânsito em Curitiba, uma cidade que, em cinco anos, terá um veículo para cada 1,1 habitante; que tem mais motoristas do que eleitores e que ostenta o título, não muito glorioso, de capital mais motorizada do País.

Em abril, vamos debater profundamente, com técnicos de várias partes do mundo, O uso do automóvel na cidade!.

Portanto, voltaremos ao tema.

*Ricardo Mac Donald Ghisi é advogado, secretário Municipal de Governo de Curitiba. Escreve à s sextas no Blog do Esmael.

25 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Esse palhaço do MacDonalds aí vai de ônibus para o trabalho por acaso? Essa prefeitura só implantou medidas demagógicas…via calma (e os ciclitas andam mesmo é pela canaleta), etc. Tempos atrás inauguraram uma lata de lixo enorme perto da linha do trem no Boa Vista. Teve até discurso do prefeito. Mas aqui tem coleta de lixo reciclável, por que gastar R$ 50 mil numa lixeira gigante que ninguém vai usar?

  2. MAIS SEMÁFOROS? Curitiba já tem mais semáforos do que habitantes. Quero saber quando é que vão trabalhar para sincronizar os que já existem. Isso sim, faria uma diferença enorme no trânsito e na poluição.

  3. Caro Big Mac,
    Teremos espaço para mais uma “homenagem” motorizada no Centro Cívico?
    Depois do Camburão dos deputados, vem aí o Penicão, em homenagem ao deputado que derreteu em bosta, dentro do camburão, quando este foi ” recepcionado” pelos professores.
    Aguardo vossa análise.

    Bom apetite!!!

  4. Curitiba ruma,a passos trôpegos mas rápidos, a perder o seu status de cidade ecológica, etc.. Qualidade de vida ainda não faz parte desta gestão, nem conseguiu conceituar.. Um pouco de amor à cidade seria suficiente para efastar as propostas/projetos que desfiguram bairros, que priorizam os veículos e a poluição. Cidade suja, ruas esburacada, sem fiscalização… Aguardamos que a administraçãp comece. Resta saber se acabou o Carnaval ou “acabou de começar”…

  5. É tão visível a falta de gestão municipal que basta olhar a 1ª foto das três que ilustram a matéria: a teia de fios e cabos suspensos em postes lembra um varal e chega mesmo a dificultar a visualização e leitura das placas de sinalização. Isso é Curitiba? Socorro, chamem o Lerner!

  6. Ser bom cidadão em Curitiba é mau negócio.
    O lixo é cobrado sempre pelo máximo, pelo “potencial” e não pelo gerado, e assim se eu diminuir o lixo apenas vou aumentar o lucro da prefeitura.
    Da mesma forma, eu posso ir de carro para o centro ou de ônibus. De carro vou sentado, sozinho, com música e ar-condicionado e vou gastar 2 litros de gasolina. Se eu for de ônibus vou gastar o mesmo valor pra ir de pé, num ônibus lotado depois de andar um monte e enfrentar uma fila e gente mal-educada.

  7. Acho o número exagerado: 1,1 hab/carro???? Acho que de fato há 1,1 buraco na rua/carro ou 1,1 pavimento em mau estado/carro. A cidade está abandonada.

  8. E a pior gestão de todos os tempos. Acabaram com a integração o triunfo do governo é uma capivara e a cidade é um mato só em suas praças, sem falar no asfalto, ja chamado popularmente de 50 tons de cinza pelo enorme numero de buracos. Tem também secretários incompetentes que so esperam o fim do mes para receber, sem nada apresentar aos munícipes.

  9. Até uma piada ver um administrador da prefeitura de Curitiba escrever um artigo desse.
    O sistema de transporte coletivo, já sucateado (na sua forma organizacional), recebeu o seu golpe de misericórdia com a decisão da PMC e COMEC de acabar com a integração. Quem varre os chãos da cidade, quem empacota as mercadorias nos supermercados, quem assenta os tijolos das construções, quem faz faxina nos lares curitibanos, são os habitantes dos municípios da Região Metropolitana de Curitiba, eles são a mão de obra barata e que permitem que a economia do município se sustente. Curitiba, com a exploração imobiliária, se tornou um GUETO BURGUÊS da classe média, então as madames não querem quebrar suas unhas no tanque…
    Hoje devido aos altos custos e devido a ineficiência, não vale a pena depender mais do transporte público, tem que tirar o carro da garagem, é um fato e realidade, aqui no mundo real, onde vivem os mantenedores do estado, os contribuintes.

    Sobre as soluções da prefeitura no artigo:
    -No-Breaks nos principais semáforos da cidade – legal em um cidade que chove e tem vendaval, AJUDA.
    -Ampliados os temporizadores de semáforos, auxiliando os idosos – O IDEAL seria diminuir drasticamente o trânsito nestas áreas, grande parte central, ATRAVÉS DE UM BOM SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO – NÃO RESOLVE.
    -Vias exclusivas de ônibus – Vão engarrafar mais o trânsito, já que as pessoas não estão a fim de deixar o carro em casa para usar um transporte COLETIVO CARO E INEFICIENTE – NÃO RESOLVE.

    Não resolve também a ridícula via calma da 7 de setembro de 30 km/h com ciclovia. Ciclovia para os moradores do Batel perderem a barriga. Via calma para tornar o trânsito lento e poder gerar mais multa e assim engordas os cofres do município.

    Problemas são resolvidos se abordando eles com seriedade.

    • Trabalhador, sua visão é muito preconceituosa. Eu (e muitos outros) usamos a via calma todos os dias para ir/voltar ao trabalho. Ela aumentou muito a segurança para nós ciclistas.

      O impacto da via calma no trânsito dos ônibus é nulo, pois há uma canaleta exclusiva ao lado. Para os carros, basta usar a Visconde ou a Silva Jardim, com 6 pistas cada uma.

      • Estou eu certinho, via calma para voltar para casa, 14 km todo dia… É isso aí 7 para ir 7 para voltar, CENTRO CÍVICO-BATEL, provavelmente prefeitura de Curitiba… E aproveita e vem dar uma puxadinha de saco no seo Mac, ele nem lê esses comentários, não sei porque você perde tempo…

        Você é burguesão mesmo, só olha para o proprio umbigo, só leu a parte do meu comentário da via calma, a parte que te interessa, ignorou o resto…

        • Trabalhador, se o seo Mac não lê os comentários, por que você escreve aqui?

          Seu palpite está errado. Não sou funcionário da prefeitura nem do estado, não tenho ligação nenhuma com eles ou com qualquer político. Também não passo perto do Batel. Sou professor da UTFPR e a bicicleta é meu principal veículo de transporte.

          Seus comentários são de uma arrogância ímpar, com ataques ad hominem, generalizações a partir de fatos isolados e outras falácias, por isso costumo ignorá-los. Contudo, reagi ao seu comentário específico sobre a via calma porque a utilizo todos os dias e vi uma grande melhora para os ciclistas naquela região.

          Há muito mais o que fazer na cidade para diminuir o uso do automóvel, por isso toda iniciativa nessa direção tem de ser valorizada, mesmo que não seja a ideal. Nossos governantes ainda estão engatinhando nessa área, além de haver muito preconceito e muitas forças contrárias a mudanças.

          • Eu fui aluno na UTFPR Carlos… Porque você não conta para o pessoal como A sua vida é sossegada em relação à demais pessoas deste país. Com aquele expediente sossegado, emendando todos os feriados que aparecem… Você também é do time dos professores que soca os alunos de trabalho acadêmico e não lê?

            Arrogância é dar as costas ao povo…

  10. Também prefeito MAC, vossa excelência não faz concurso para contratação de novos de agentes ou não passa de vez o trânsito para a GM , mantém o contrato milionário com a dataprom e iesa empresa esta envolvida na lava a jato e além de tudo isso prefeito MAC ,o senhor junto com o beto e com os empresários do busão aumentaram a tarifa do ônibus obrigando os usuários a comprar moto e carro pois 3,30 é um assalto no bolso do trabalhador e lucro imenso para os empresários do busão. enfim prefeito MAC sua gestão está na contramão em via de sentido único.

    • Realmente concordo com tudo que disse “marcelo”

      E que me parece é que com essa crise as montadoras aqui do Paraná andam incentivando pessoas certas… que quem ganha com o aumento da passagem analisando externamente são as montadoras.. pois além de subir a passagem de forma absurda, destruir a “RIC” ainda não aumentam a frota proporcionalmente ao aumento da população o que na verdade demonstra encolhimento real da frota de ônibus… Comprar carro com tanto incentivos que ai existe parece a melhor solução, pois Transporte coletivo corre num caminho inverso..

      Isso faz relembrar da época das linhas de ferro, desestruturadas, abandonadas e sucateadas.. em contrapartida a indústria automotiva…

  11. A solução é, sem dúvida, a melhoria do transporte coletivo. Contudo, enquanto a classe média não for forçada a usá-lo intensamente, ele não vai melhorar de qualidade.

    Uma boa medida para “estimular” a classe média a usar o transporte coletivo é o pedágio urbano com câmeras de vídeo. Ele já é usado em muitas cidades desenvolvidas mundo afora como solução para desafogar o trânsito (vide o exemplo de Bombinhas SC neste verão).

    Rodizio não funciona, pois o sujeito compra um carro a mais para escapar dele. Tem de ser pedágio mesmo.

    • Boa idéia também, obriga os caras a andar de ônibus cheio e caro, daí como eles são mais bocudos que os usuários atuais, vão reclamar… Daqui a 20 anos a prefeitura resolve o problema….

      A democracia no Brasil ainda engatinha com um povo desses.

  12. Meu carro fica na garagem. Vou pedalando, uma mochila, uma roupa reserva pros dias de chuva… enquanto as pessoas ficam se maltratando, se estressando e poluindo o ar, vou vendo as casas, as árvores, os pássaros… chego no trabalho meio suado, mas não sei o que é ficar doente, apesar de já ter 45 anos me sinto um piá de 20.

    • É um boa sugestão para os operários da Brose que moram em Rio Branco do Sul.

      • Pegue uma situação isolada e transforme-o no caso geral. Isso tem nome: falácia.

        Óbvio que a bicicleta não se aplica ao caso dos operários da Brose, mas se aplica a 50-70% dos motoristas que entopem o centro.

        • E toma banho aonde? Ou trabalha “mal-cheiroso”? Ou quem sabe use um bom perfume frânces…

          • É um comentário típico de quem não anda de bicicleta, que má vontade…

            Se você suar tanto assim por fazer 5 Km de bicicleta pedalando tranquilo, é porque certamente está obeso!

            Eu faço 14 Km todos os dias e meu desodorante Nívea baratinho dá conta tranquilamente.

        • se faz 14 km todo dia, 7 para ir e 7 para voltar, CENTRO CÍVICO-BATEL… Mas nem todo mundo mora bem como você, você sim é um caso isolado Carlos, isso é falácia mesmo. Agora o pessoal Brose-Rio Branco do Sul, Renault-Campo Largo; Cartepillar -São José dos Pinhais, Boqueirão-Colombo; isso aí tem muitom muito mais do que você imagina.