Tarifa zero para estudante em São Paulo poderá encorajar Gustavo Fruet em Curitiba. Será?

fruet_tarifa_zero.jpgO prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), agora tem um modelo de reajuste na tarifa de ônibus que pode agradar à  máfia e a moçada que foi à s ruas em junho de 2013 pela tarifa zero. O movimento estudantil luta pelo passe livre desde o fim dos anos 80 como medida profilática para conter a evasão escolar.

A fórmula encontrada pelo prefeito paulistano Fernando Haddad (PT), de fazer omelete sem quebrar os ovos, poderá ser repetida na capital paranaense onde a máfia do transporte coletivo pressiona para novos aumentos nas tarifas.

Em São Paulo, a partir de 6 de janeiro de 2015, a tarifa dos ônibus municipais passará de R$ 3 para R$ 3,50 para pagamento na catraca. O valor do Bilhete Único Integrado com o Metrô e os trens da CPTM será de R$ 5,45.

Em Curitiba, a passagem de ônibus subiu de R$ 2,70 para R$ 2,85 no último dia 11 de novembro. Durante o Carnaval, na metade de fevereiro de 2015, os usuários ‘já escolados’ esperam nova tungada com reajuste da tarifa para R$ 3.

A tarifa técnica, aquele valor efetivamente recebido pelas empresas por passageiro, a Prefeitura de Curitiba não tem coragem de mexer. Cada passagem custa hoje R$ R$ 3,1821, segundo a Urbs (órgão que gerencia o sistema de transporte) na capital paranaense. Quem paga essa diferença de R$ 0,322 em cada tarifa é o erário municipal. As empresas do transporte coletivo só enchem o papo, como sempre o fizeram.

Haddad apontou uma saída política para o colega Fruet agradar “gregos e baianos” nesse imbróglio do transporte coletivo, que, em perspectiva, devido ao preço proibitivo, perde usuários para o deslocamento individual.

Ou seja, Fruet poderá deixar intactos os interesses da máfia do transporte — reajustando de novo a tarifa — e concedendo o passe livre aos estudantes. O benefício serviria como uma espécie de “anestesia” para barrar possíveis protestos de trabalhadores.

Agora leia a notícia da implantação do passe livre em São Paulo:

Passagem de ônibus sobe para R$ 3,50 em SP, mas estudante terá passe livre

Camila Boehm, da Agência Brasil

De acordo com a assessoria da Prefeitura de São Paulo, o prefeito Fernando Haddad comunicou hoje (26) à  tarde à  Câmara Municipal sobre as tarifas. O valor foi mantido para o Bilhete Único Mensal, Semanal e Diário, ou seja R$ 140, R$ 38 e R$ 10, respectivamente. O Bilhete Único Mensal Integrado, para quem utiliza trem, metrô e ônibus também se manteve em R$ 230 mensais.

A prefeitura informou que implantará o passe livre para estudantes das redes públicas de educação e do ciclo básico (fundamental e médio). Também serão beneficiados estudantes de nível superior, por meio do Programa Universidade Para Todos (Prouni), Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) ou cotas raciais ou sociais.

Estudantes de escolas privadas do ciclo básico ou do ensino superior que não sejam atendidos por programas sociais do governo federal continuam com 50% de desconto na tarifa. Idosos com mais de 60 anos também estão isentos.

3 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. …,NO PARANÁ???… É MAIS FÁCIL SACÍ CRUZAR ÁS PERNAS…

  2. Que tarifa zero?
    Quando alguém não paga, outro alguém paga no lugar.
    Não existe almoço grátis.
    O próprio aumento na tarifa já atesta isso.
    Aí o usuário acaba correndo dos ônibus, vale moto
    bicicleta, carro, ou à pé.
    Diminui o nº de usuários, e as empresas diminuem
    os ônibus.
    Ai o trânsito vira um caos.
    Taí o círculo vicioso: os que pagam ficam
    insatisfeitos, e os que não pagam, saem protestando
    e quebrando ônibus e patrimônio público.
    É o preço da demagogia.

  3. o fruet tem medo da urbs e dos gulins , curitiba não tem um prefeito que defenda os interesses da população e sim um prefeito omisso e que come na mão dos empresários dos ônibus, basta ver a tarifa técnica que é paga para os empresários.