Richa colocou a raposa para cuidar do galinheiro, isto é, da Copel

vianna_richa.jpgA guinada à  direita do segundo mandato do governador Beto Richa (PSDB) poderá trazer sérias consequências para a Companhia de Energia do Paraná, a nossa Copel, que correrá muito risco de sucateamento e privatização nos próximos quatro anos.

A indicação do ex-superintendente de Geração, Luiz Fernando Leone Vianna, para presidir a estatal de energia pode ser uma sinalização de que a Copel vai retomar a política de terceirizações da era Lerner.

O novo presidente da empresa energética é parente de Lauro Luiz Leone Vianna, sócio da Momento Engenharia de Construção Civil Ltda, que tem sociedade com a Copel há mais de uma década. A Folha de Londrina já fez reportagem a esse respeito em março de 2003, portanto há mais de 11 anos (clique aqui).

Recentemente, Leone Vianna, o novo presidente da Copel, representava o lobby de empresas privadas presidindo a Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Energia Elétrica (APINE).

A esse respeito, o senador Roberto Requião (PMDB) comentou neste sábado (20) pelo Twitter: “Depois de entregar a Copel ao presidente das empresas privadas é só entregar as penitenciarias ao Fernandinho Beira Mar. O melhor por vir?”.

Desde o governo Jaime Lerner, a estatal repassou a sócios privados, sem licitação, o controle da comercialização de energia causando prejuízos incalculáveis a todos os paranaenses. à‰ coisa de bilhões, que deixaria os réus da Lava Jato parecerem meros batedores de carteira.

Comentários encerrados.