Por Esmael Morais

Do presidente da Fiep para Beto Richa: “Antes da eleição era tudo bonito e colorido…”

Publicado em 10/12/2014

O dirigente da Fiep criticou ainda o tratoraço que transformou a sessão da Assembleia Legislativa do Paraná em comissão geral, o que acelerou a tramitação de projetos polêmicos sem debate. Campagnolo, que esteve na Alep acompanhando parte da votação, manifestou-se contra o procedimento, já que pelo impacto que será causado pelas propostas, elas deveriam ter sido amplamente debatidas com a sociedade antes da apreciação pelos deputados.

Insisto que é uma irresponsabilidade (a rápida tramitação das propostas) no aspecto de as medidas não terem sido amplamente discutidas. Não se pode instalar uma Comissão Geral e simplesmente passar desta forma. Todos os deputados e o setor produtivo deveriam ter meios de se pronunciar!, disse Campagnolo.

Segundo o presidente da Fiep, o aumento de impostos !“ que no caso do ICMS passará a valer a partir de 1!º de abril de 2015 e, no do IPVA, já em janeiro !“ certamente resultará em aumento de preços, conta que será paga por toda a população.

Edson Campagnolo também afirmou que o setor produtivo entende a necessidade de o Estado readequar suas contas, mas em sua opinião, isso não deve ser feito com aumento da carga tributária.

Nenhum empresário apoia esse aumento de imposto. Todos compreendem que o Estado está em uma situação difícil. Não podemos desconsiderar isso, mas talvez não fosse este o momento, logo após as eleições, para trazer as medidas dessa forma!, comentou.

O presidente da Fiep também demonstrou preocupação em relação à  pressão inflacionária que o aumento de impostos deve gerar no Paraná e lamentou que a conta seja paga pela sociedade.

Está claro que o povo não aguenta mais essa estratégia de repassar o custo para a população. Isso vale para o governo federal, governo estadual e para muitos municípios!, disse. Temos aquela máxima de que o povo esquece rápido, mas espero que o povo não esqueça!, concluiu Campagnolo.

Medidas !“ O aumento de impostos no Paraná consta no projeto de lei 513/2014. Ele reajusta de 12% para 18% ou 25% as alíquotas do ICMS de uma extensa lista de produtos, que pode chegar a 95 mil itens, incluindo medicamentos, alimentos e produtos de higiene pessoal, entre outros. Além disso, aumenta em 40% a alíquota do IPVA e em um ponto porcentual a do ICMS de combustíveis (álcool e gasolina).

No mesmo pacote de propostas analisado nesta terça pela Alep, também foram aprovadas as extinções das secretarias estaduais da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul e do Trabalho e Emprego. As estruturas e atribuições dessas pastas serão assumidas por outras secretarias.