Delator de propinoduto na Petrobras isenta Dilma e Lula, mas jornais escondem. Por quê?

do Brasil 247
delator_jornaisA informação está no décimo-sétimo parágrafo da reportagem da Folha de S. Paulo sobre o depoimento de Paulo Roberto Costa. Uma reportagem, diga-se de passagem, com 19 parágrafos. Ou seja: no antepenúltimo.

à‰ lá que surge um dado interessantíssimo. Segundo Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, o ex-presidente Lula jamais foi informado sobre qualquer esquema de desvios na Petrobras. O mesmo se aplica à  presidente Dilma Rousseff.

“Nunca”, pontuou Paulo Roberto Costa, ao ser questionado pelo deputado Izalci Lucas (PSDB-DF).

O ex-diretor da Petrobras também negou que Lula o tratasse como “Paulinho”, algo que vem sendo repetido à  exaustão por colunistas renomados, como Elio Gaspari. “Isso é folclore”.

Nada disso, no entanto, pareceu relevante para os jornais da imprensa familiar. A notícia, escondida pela Folha, foi ignorada pelo Estado de S. Paulo. O Globo também noticiou a declaração de Costa no décimo-sétimo parágrafo de uma reportagem de página inteira, com 18 parágrafos !“ o penúltimo. “Costa negou que seja tratado pelo ex-presidente Lula como ‘Paulinho’, dizendo que isso é folclore”, informa a reportagem de André de Souza e Evandro à‰boli.

Eles sabiam de tudo?

As informações prestadas por Costa ganham relevância diante dos crimes de imprensa cometidos durante a campanha eleitoral. Veja, por exemplo, antecipou sua capa e rodou com os dizeres “Eles sabiam de tudo”, entre as imagens de Lula e Dilma.

Mais do que simplesmente antecipar uma edição, Veja rodou milhões de exemplares só da capa, que foram transformados em planfletos de campanha, à s vésperas e no dia da eleição.

Por isso mesmo, foi condenada a conceder direito de resposta à  presidente Dilma no dia das eleições, na maior humilhação já sofrida por um meio de comunicação no Brasil.

Comentários encerrados.