Aproximação entre Fruet e PSC deixa petistas em estado de alerta máximo

ratinho_fruet_cmc.jpgNo próximo dia 16, a Câmara Municipal de Curitiba vai eleger seu novo presidente. No xadrez eleitoral composto por 38 vereadores, três deles se movimentam no sentido de assumir o cargo hoje ocupado pelo colega Paulo Salamuni (PV). São eles: Ailton Araújo (PSC), Tito Zeglin (PDT) e Pastor Valdemir (PRB).

O PT tentou com Pedro Paulo, mas a candidatura não decolou por causa da rejeição! ao partido na Casa.

Para chegar lá, o futuro presidente da Câmara, como tem sido ultimamente, necessariamente, precisará da bênção do prefeito Gustavo Fruet (PDT). Nos últimos dois anos, quando o legislativo funcionou como apêndice do executivo. O parlamento curitibano tem DNA governista, portanto, mesmo sendo eleito pela oposição, acaba aderindo…

à‰ dentro dessa margem de manobra governista que Fruet tem peso na eleição da Câmara. E é com esse apoio que o PSC de Ratinho Júnior quer celebrar um acordo com o ex-adversário pedetista para eleger o vereador Ailton Araújo presidente da Casa.

Em 2016, o PSC indicaria o vice de Fruet para consolidar a aliança. Em troca, em 2108, o prefeito de Curitiba marcharia com Ratinho Júnior para o Palácio Iguaçu.

O diabo é que o PT ficaria chupando dedo com essa engenhoca política.

Se forem corneados por Fruet, os petistas não descartam abrir conversas com o ex-prefeito Luciano Ducci (PSB) e o deputado eleito Requião Filho (PMDB) — ambos pré-candidatos à  Prefeitura de Curitiba.

12 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Isso Prova e comprova duas coisas:
    1. Os Ratinhos vestem Cueca de SEDA;
    2. O Fruet é o Grande traira!

  2. Desde que na chapa não esteja o Tito Zeglin! Pq se hoje ele está na mesa da Câmara é graças ao pessoal do PSC. E o Tito deu o cano.

  3. Leia a matéria publicada na Gazeta do Povo de 17 de agosto de 2008, assinada pelo jornalista Mauri König.

    Ex-deputado comprou placas

    Quando vereador e depois deputado, Ailton Araújo foi mais um a se beneficiar do comércio ilegal de serviços públicos.

    Os R$ 180 mil cobrados por uma placa de táxi no mercado clandestino em Curitiba deixaram incrédulo o ex-vereador e ex-deputado Ailton Cardozo de Araújo, mas não devido a um inesperado surto de zelo pela administração pública ao ver o escândalo da máfia laranja estampado na Gazeta do Povo de domingo passado.

    Araújo, que por 11 dias foi prefeito da capital, em 1999, não acredita nesse valor porque ele próprio pagou “abaixo de 60″ nas placas mantidas em nome da mulher, Lucilda Wasilewski de Araújo, e dos filhos Ângela e Eliel Wasilewski de Araújo.

    O ex-parlamentar, cuja obrigação era coibir abusos na administração pública, foi mais um a se beneficiar do comércio ilegal de serviço público.

    Há 33 anos a Urbanização de Curitiba S/A ““ URBS, empresa de economia mista gestora do setor, não emite novas permissões.

    O resultado é que todos os anos entre 70 e 80 permissões mudam de dono, todas vistas como doação.

    Segundo o artigo 175 da Constituição e a Lei Federal 8.987, que regem as concessões e permissões públicas, quem abre mão da licença não tem o direito de indicar o novo beneficiado.

    Ela deveria voltar para o agente regulador, nesse caso a URBS, para uma nova outorga.

    Mas a empresa se baseia na Lei Municipal 3.812, de 1970, para homologar as transferências inter vivos, ou seja, direto das mãos de um permissionário para as do seu indicado.

    Domingo passado na Gazeta do Povo.

    Conforme o rumo dos trabalhos, a Promotoria do Patrimônio Público e a dos Direitos dos Consumidores poderão requerer ao procurador-geral do MPE, Olympio de Sá Sotto Maior, uma ação direta de inconstitucionalidade da lei municipal usada pela URBS para gerenciar o setor.

    Na Câmara Municipal, vereadores já começam a articular uma investigação.

    Os fura-fila

    Dessa forma, criou-se por trás do serviço de táxi um comércio não só de compra e venda de placas, mas também no arrendamento de placas, igualmente ilegal.

    O aluguel de uma custa, em média, R$ 1 mil por mês.

    Assim, o sistema atual favorece quem tem dinheiro para comprar ou arrendar uma licença, em detrimento de motoristas que trabalham na praça há mais de 30 anos na esperança de ter o táxi próprio.

    A família do ex-parlamentar Ailton Araújo, hoje pastor evangélico, é uma das que furaram a fila sem que tivessem essa necessidade de sustento.

    Eliel, advogado, tem 28 anos e uma permissão há quatro.

    Ângela, médica pediatra, tem 30 anos e uma licença há três.

    Lucilda, professora aposentada, tem 57 anos e uma placa há 15.

    Nenhum deles dirige o veículo.

    Trabalho mesmo só o de recolher o dinheiro dos motoristas colaboradores, prática disseminada entre muitos permissionários.

    A URBS diz não ter como fiscalizar se o titular trabalha ou não.

    Fiel à prática do poder econômico, o ex-parlamentar defende a licitação com lance financeiro para regular o setor.

    “Não teria que ser dado gratuito para ninguém. Quem pagar melhor vai levar. Se vai pagar mais caro, problema dele”.

    O vereador Aílton Araújo também confirma que comprou placas de táxi.

    As autorizações estão em nome da mulher dele, a professora aposentada Lucilda Wasilewski de Araújo, e de dois filhos: o advogado Eliel Araújo e a médica Ângela Wasilewski de Araújo.

    “Essas placas foram adquiridas há tempos atrás, entendeu?”, disse o vereador.

    Vindo de uma família de taxistas, o vereador não quis revelar quanto pagou pelas placas, mas acrescentou informações sobre o mercado paralelo.

    “[O valor cobrado] dependia do estado do carro, dependia do local do ponto do táxi e de uma gama de fatores que estavam em jogo, e da necessidade de quem queria se desfazer da permissão”, contou.

    Apesar disso, Araújo afirma não ter mais qualquer relação com as placas em nome de seus familiares.

    Em 2008, o caso do vereador já havia sido mencionado pela Gazeta do Povo.

    Cinco anos depois, nada mudou.

    Para ele, não há irregularidades.

    “A URBS não pode fazer nada que seja ilegal. Se tiver ilegal, a URBS também tem que responder”, avaliou.

    No ano passado, foi aprovada uma lei municipal que permite a transferência hereditária das autorizações.

  4. Agora vai…guga rumo à reeleição e palácio iguaçu

  5. ailton araújo presidente da câmara, e o requião filho pré candidato a prefeito é piada.

  6. Meu primo Encefalino esta absoluto certo.

  7. Alguém da um AAS infantil pra esse Gioba, ta na cara que o pastor do roedor vai levar essa. Ta na cara que o Sapientíssimo Guga vai dar um pé na bunda do PT.

    Só falta saber o que o PT vai fazer, depois de levar um par de chifres kkkk

    E o que o PSC vai levar com esse apoio do prefeito pau de galinheiro!!!

    Essa eu quero ver !!! Ta melhor que novela mexicana !!!

  8. O PT é Fruet e vai de Fruet mesmo se o Pedro Paulo perder – não existe a menor possibilidade de coligação com outros que não sejam o Fruet, pois o partido ja se acomodou com cargos na PMC.

  9. A eleicao na camara nao tem nada a ver com psc e pt.tem a ver, sim, com a moralidade, a decencia e a transparencia!
    Ou quer que volte à situação anterior com os derossos’boys no comando? É só ver a desenvoltura de certos vereadores que estavam “no gabinete” do derosso e que querem retomar a Câmara.o resto é devaneio, proprio do verao que se aproxima….

    • Disse tudo! Conheço bem todos que lá estão. Para dar continuidade aos trabalhos com toda transparência e seriedade, só vejo pelo menos um capaz: Jorge Bernardi. É só rever sua trajetória como presidente da casa de 1989/90.