Por Esmael Morais

Após 53 anos, EUA e Cuba anunciam conversas para ‘normalizar’ relações diplomáticas

Publicado em 17/12/2014

Diplomacia:

!· Secretário de Estado norte-americano, John Kerry, foi instruído para retomar imediatamente os diálogos com Cuba para reatar relações diplomáticas, interrompidas em janeiro de 1961

!· Reabrir embaixada norte-americana em Havana para “trocas de alto nível”

!· Manter diálogos com Cuba sobre: imigração, direitos humanos, combate à s drogas

!· EUA participarão da reunião da Cúpula das Américas em 2015, evento diplomático da OEA (Organização dos Estados Americanos) para o qual Cuba recebeu convite expresso do Panamá

!· EUA revisarão inclusão de Cuba na lista de países que promovem terrorismo, status que a ilha acumula desde 1982

Viagens:

!· Flexibilização das restrições a viagens entre os países: mais vistos serão disponibilizados a famílias, funcionários de governos, jornalistas, pesquisadores, grupos religiosos, ativistas humanitários e outros
Economia:

!· Mudanças nas políticas econômicas dos departamentos do Tesouro e Comércio com relação a Cuba

!· A permissão para o envio trimestral de remessas financeiras de indivíduos nos EUA para Cuba serão ampliadas de US$ 500 para US$ 2 mil

!· Mais produtos dos EUA receberão autorização para serem exportados para Cuba, como material de construção civil e equipamentos de agricultura

!· Cidadãos norte-americanos poderão obter licença para importar bens no valor de até US$ 400, mas não mais do que US$ 100 em bebidas alcóolicas e tabaco

!· Empresas dos EUA terão permissão para abrir contas em instituições financeiras cubana

!· Cartões de crédito e débito de bandeiras norte-americanas poderão ser usados por estrangeiros em Cuba

!· Empresas de telecomunicações e internet dos EUA deverão ter mais liberdade para operar na ilha e poderão construir estruturas para intercambiar informação entre Cuba e EUA

Castro

Os discursos de Castro e de Obama foram quase simultâneos.

O cubano ressaltou a importância da retomada nas relações diplomáticas entre Cuba e os Estados Unidos. O líder afirmou que a decisão de Obama merece respeito e reconhecimento do povo cubano!.

Os três dos Cinco Cubanos, que estavam detidos nos Estados Unidos desde 2001, já estão em solo cubano, afirmou o mandatário, que anunciou também a libertação de outras pessoas sobre as quais o governo dos EUA demonstraram interesse!.

Raúl ressaltou ainda que, apesar dos avanços, o principal ainda não foi resolvido!. Isso porque Obama anunciou medidas para flexibilizar o bloqueio econômico imposto a Cuba desde 1961, mas não seu levantamento total. O bloqueio econômico, que provoca tantos danos a nosso país, deve cessar!. Na opinião do mandatário, o governo dos EUA pode modificar a aplicação da lei em uso de suas faculdades executivas!. O discurso do líder cubano foi encerrado ressaltando a necessidade de que o governo dos EUA adote medidas mútuas para melhorar o clima bilateral e avançar para a normalização dos vínculos entre os países! e exortou o governo dos Estados Unidos a remover os obstáculos que impedem o vínculo entre nossos povos as famílias e cidadãos de nossos países!.

Por fim, reconheceu as profundas diferenças em matéria de soberania nacional, democracia e direitos humanos!, ressaltou a continuidade da revolução sem renunciar aos nossos princípios! e destacou as dificuldades enfrentadas para levar adiante a atualização do modelo econômico do país para construir um socialismo próspero e sustentável!.

Obama

Obama, por sua vez, falando da Casa Branca, disse que as medidas criam mais oportunidades para os dois povos!. 50 anos [de embargo] mostram que o isolamento não funcionou. à‰ hora de fazer uma aproximação!, afirmou.

O norte-americano comparou a situação das relações com Cuba à  das com a China e com o Vietnã. Nós temos relações com a China, que também é um país comunista. Assim como com o Vietnã. à‰ por isso que, quando tomei posse, prometi reexaminar nossa política em relação a Cuba.!

Nem o povo americano, nem o cubano, são servidos [atualmente] por uma política rígida que tem raízes em eventos que tiveram lugar antes de muitos nós sermos nascidos!, destacou Obama !“ ele mesmo, lembrou, nascido em 1961, ano em que o embargo à  ilha foi imposto pelo então presidente John Kennedy.