Por Esmael Morais

Requião: A ocupação das Malvinas pelo Reino Unido é uma agressão à  soberania da América Latina!

Publicado em 11/11/2014

A declaração aprovada também considera necessário cumprir os objetivos propostos pela Resolução 41/2011 da Assembleia Geral das Nações Unidas, que considera as ilhas uma Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul e manifesta oposição à  presença militar do Reino Unido na região, por ser contrária à  busca de uma solução pacífica da disputa de soberania!. O Parlasul manifestou ainda seu repúdio a operações não autorizadas pelo governo argentino de exploração de hidrocarbonetos na plataforma continental daquela região.

Em seu pronunciamento aos parlamentares, o chanceler argentino, Héctor Timernan, criticou a decisão do governo do Reino Unido de promover licitações para a contratação de empresas que poderão promover a exploração de petróleo na região. Ele condenou ainda a crescente militarização das ilhas pelo governo britânico.

– O imperialismo segue com novas roupas, mas com a mesma essência !“ disse Timerman, ao pedir a manutenção da unidade dos governos da região em defesa da soberania argentina das ilhas ocupadas pelo Reino Unido.

Por sua vez, o ministro de Relações Exteriores do Uruguai, Luis Almagro, considerou a situação das ilhas como um caso de recolonização!. Ele defendeu a busca de uma solução pacífica e definitiva! da questão e observou que, ao contrário de outras colônias e ex-colônias, a população local não é composta por habitantes nativos da área, mas sim por pessoas provenientes da potência colonial. Por isso, ele não considera legítima a manifestação da população local em favor do domínio britânico sobre as ilhas.

– O Uruguai acredita que uma população transplantada não tem o direito à  autodeterminação que têm os povos subjugados !“ afirmou Almagro.

(Com Marcos Magalhães, Agência Senado)