No Paraná, 2, 1 mil escolas decretam greve nesta quarta contra Richa

educadores_upes.jpgDe volta de férias, o governador Beto Richa (PSDB) vai enfrentar nesta quarta-feira (26) a dura realidade que havia esquecido nos últimos quinze dias dentro de um transatlântico no Mar do Caribe. Educadores de 2,1 mil escolas da rede pública do Paraná decretaram greve de 24 horas contra calotes em avanços e progressões, fim da eleição para diretor, violência sofrida pela categoria na Assembleia Legislativa, dentre outras pautas.

A paralisação dos professores e funcionários de escola foi definida pela categoria em uma assembleia estadual realizada no dia 8 de novembro, em Apucarana, no Norte do estado. O protesto conta com o apoio da União Paranaense dos Estudantes Secundaristas (UPES), que fez até ensaio fotográfico pela eleição direta nas escolas (clique aqui).

Nós precisamos reinstalar a greve no Paraná porque o governo Beto Richa está nos tirando direitos e ampliando os calotes. Em fevereiro teremos uma assembleia geral, onde vamos defender greve por tempo indeterminado a partir de março de 2015!³, disse ontem (24) ao Blog do Esmael Professor Paixão, ex-candidato à  presidência da APP-Sindicato (veja o vídeo).

A seguir, leia a integra da pauta do movimento dos educadores:

1- Fechamento de escolas e turmas;
2- Falta de condições adequadas de trabalho;
3- Falta de um porte que retrate, de fato, as necessidades das escolas;
4- Falta de funcionários de escola;
5- Não pagamento de promoções e progressões, relativas à  carreira, em 2014;
6- Não pagamento do bolsas do PDE;
7- Não implementação de um novo Plano de Saúde para os Servidores Públicos;
8- Não pagamento dos temporários (PSS)por pela titulação;
9- Cancelamento das eleições para diretores de escolas;
10- Em favor da democracia e contra as agressões cometidas contra os educadores na Alep.

Comentários encerrados.