Cristina Kirchner intervém no Banco Central e derruba o dólar em 21%

via Café na Política

peso.jpg

Cristina está flaquita!, como dizem os argentinos. Nestes últimos meses, baixou ao hospital três vezes, por problemas vários de saúde, nenhum grave mas todos relativamente preocupantes. Mas a mulher é uma fera e, ainda da Clínica Otamendi, de onde teve alta no domingo ela ordenou um arrastão contra os doleiros graúdos, ou seja, grandes bancos, financeiras e agências de câmbio, que fez a verdinha baixar 21% diante do peso.

No que poderá se tornar um bom exemplo para sua colega brasileira, Dilma Rousseff, também assediada desde a campanha pelas manobras desestabilizadoras da Bolsa brasileira, a operação atingiu seu ápice na terça-feira, 11 de novembro.

Nesse dia, 250 agentes da AFIP (Receita Federal), munidos de ordem judicial, invadiram 71 sedes de bancos, casas de câmbio e financeiras na capital federal, província de Buenos Aires, Mendoza e Córdoba, com o fim de averiguar denúncias de lavagem de dinheiro e evasão impositiva! de 120 milhões de pesos.

Segundo o vice-diretor Nacional de Grandes Contribuintes, Fabián de Risio, a manobra dessas entidades infratoras, consistia em investimentos através de títulos públicos por parte de empresas que não podem justificar os fundos nem tampouco os têm!. Ele ainda explicou que a operação da AFIP (Administración Federal de Ingresos Públicos) começou com ações de controle e cruzamento dos sistemas. Tais ações detectaram quatro empresas que operaram com títulos de 120 milhões de pesos, através de sociedades da Bolsa, mostrando inconsistências fiscais!.

A manobra fazia parte de um plano dos altos doleiros associados à s grandes financeiras, patrocinadoras dos meios hegemônicos de comunicação, em forçar uma maxidesvalorização, o que fez que o dólar aumentasse 15,95%, no paralelo (anteontem, foi rebaixado para 12,65).

Os governos nacionais anteriores aos Kirchner costumavam dobrar-se a estas pressões e efetuar maxidesvalorizações, provocando enormes rombos na economia.

A saída clássica era recorrer a vultosos empréstimos a bancos internacionais, na base de draconianas medidas fiscais, que sempre implicavam sacrifícios para os trabalhadores, aposentados e assalariados em geral.

Era uma velha manobra destinada à  repatriação de divisas, com a qual colaborava o Banco Central, mesmo sob a presidência do atual governo, caracterizado pela defesa dos interesses nacionais.

Presidenta denuncia o seu BC

Cristina decidiu enfrentar o bicho-papão e denunciou que, desde 1982, se acumulavam expedientes no BC contendo investigações sobre irregularidades e manobras fraudulentas em bancos e financeiras.

A presidenta recordou que aquelas investigações haviam realizado operações em grutas! (cuevas), onde havia pessoal de segurança prestando serviços e também executivos, os quais,a partir do Banco Central, diziam que lhes tinham avisado dos processos.

Ao mesmo tempo, o novo presidente do BC, Alexandre VAnoli, o chefe de gabinete Jorge Capitanich e o ministro da Ec onomia Axel Kicillof se juntaram com os principais agroexportadores da soja e outras oleaginosas. Tais autoridades lhes solicitaram que acelerassem a liquidação das vendas, retidas nos últimos meses justamente à  espera da dita maxidesvalorização.

O presidente do Banco Central, Juan Carlos Fábrega, sentiu-se pressionado e renunciou, em primeiro de outubro, assumindo em seu lugar o presidente da Comissão Nacional de Valores, Alexandre Vanoli, mais identificado com o modelo nacional de desenvolvimento autônomo, liderado pelo atual governo desde 2003.

A reação dos doleiros não se fez esperar e no último dia 24 de setembro o dólar disparou em 15,95%. Não obstante, uma ação conjunta da AFIP, BC e outros organismos de controle governamental, resultou na vistoria in loco daquelas 71 entidades financeiras, incluindo o Banco Mariva, que sofreu intervenção, por comprovada ação fraudulenta..

Enquanto isso, a presidenta se internava na Clínica Ofamenti, no dia dois de novembro, com fortes dores no estômago, a partir das quais se constatou uma inflamação no cólon intestinal, produzido por uma bactéria que vazou para o sangue. Cristina ficaria uma semana na Clínica, da qual recebeu alta, no último domingo, nove de novembro, com recomendações de guardar repouso por dez dias. Já na segunda, dia dez, no entanto, a presidenta determinava o início da operação caça doleiros graúdos, na terça três. Imagine-se se o Banco Central da Argentina fosse independente, como quer a oposição que liderou a chapa contra Dilma no Brasil.

9 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. ESTIVEMOS RECENTEMENTE EM PORTO IGUZU ARGENTINA PARA COMPRAS,,MAS VEJAM A MALANDRAGEM DELES,,JÁ QUE O PESO TÁ 4 POR UM REAL..ELES SUB FATURARAM TODOS OS PREÇOS DOS PRODUTOS

  2. Não sei por que o blog do Esmael continua abrindo espaço para os comentários da canalha fascista. São aspones pagos para ficar o dia todo enchendo o blog com comentários asquerosos e fascistoides. Faça como Paulo Henrique Amorim, no blog Conversa Afiada, falou merda tucana é censurado. Meu amigo, já passou a fase de brincar de politicamente correto, agora é guerra.

    • Pra encher o saco.
      Economia é como bilau, tratada com jeito ela
      cresce.
      Se você chutá-la ela encolhe, murcha!
      Entendeu a metáfora?
      Sarney foi laçar boi no pasto, e não deu certo.
      Houve desabastecimento.
      A Argentina de calote em calote, sai da sua antiga
      posição de Suíça Brasileira para uma posição de
      indigência financeira.
      Com essa cacetada agora, derrubando o dolar em
      21%, o próximo passo será o desabastecimento.
      Aí é só culpar o imperialismo Americano, e
      continuar enganando o povo.
      Esse é um exemplo para Dilma seguir?

  3. Se isso resolvesse problemas… Tudo seria um mar de rosas.