Coluna do Marcelo Araújo: Fruet “inteligência pura” economiza em cima dos trabalhadores. Pode isso?

setran_araujo_fruet.jpgMarcelo Araújo*

Em junho deste ano entrou em vigor a Lei 12997/14 alterou o Art. 193 da CLT reconhecendo a periculosidade dos trabalhadores que exercem suas atividades com motocicletas e por consequência reconhecendo o direito de acréscimo de 30% no salário. Assim, como são notórios, os riscos inerentes à  condução de motocicletas também sua versatilidade e mobilidade no trânsito intenso.

Para a fiscalização de trânsito se mostra um importante instrumento, pois permite rápido atendimento aos chamados, ao chegar ao local é fácil de estacionar e ocupa pequeno espaço, entre outras vantagens.

Aliás, em Curitiba há uma média de 4 mil chamadas mensais para questões de trânsito, além do atendimento de rotina, bravamente enfrentados por 355 agentes que se alternam em 7 turnos.

à‰ pouca gente para muito trabalho, e o ideal seria o acréscimo de pelo menos mais mil agentes. PORà‰M, ao invés de aumentar o número de agentes e a frota de viaturas, a Setran devolveu 6 motos locadas, reduzindo pela metade sua frota.

A Setran quer garantir mais segurança aos agentes que usam motos ou não quer pagar os 30% o que a Lei Federal sancionada pela presidente reeleita?

Será que a gestão da Vice-Prefeita, advogada trabalhista, que sempre advogou pelo direito dos trabalhadores, reconhece a importância? Dra. Mirian Gonçalves, o que a Dra. Acha disso?

à‰ assim que se economiza, desvalorizando o material humano? E ainda quer que se acredite em concurso? Até viaduto cai quando começa a economizar nos materiais de sustentação. à‰ a tal economia “pouco inteligente” da gestão do prefeito Gustavo Fruet.

Será que na Guarda Municipal também estaria havendo devolução de motos?

No próximo dia 28, à s 19hs, na sede da OAB/PR em Curitiba haverá um debate sobre As Vias Calmas!, que na verdade há apenas uma na cidade, mas que, sendo um novo conceito, certamente traz uma série de questionamentos, pontos a favor e contra, que serão democraticamente debatidos.

As exposições agendadas deverão ser breves para que se privilegie o debate e a Prefeitura estará representada por Antônio Miranda do IPPUC, bem como representantes da URBS e da Setran que enriquecerão a discussão, até porque traz efeitos no transporte coletivo que compartilha parte da via e também a fiscalização de trânsito, sendo a mais recente em relação à  velocidade com equipamentos estáticos.

De multa eu entendo!

*Marcelo Araújo é advogado, presidente da Comissão de Trânsito, Transporte e Mobilidade da OAB/PR. Escreve nas segundas-feiras para o Blog do Esmael.

Comentários encerrados.