Por Esmael Morais

PT sofre bombardeio da velha mídia pró-Aécio a 15 dias das eleições

Publicado em 10/10/2014

Nos processos de delação premiada, como o que envolve Paulo Roberto Costa e também o doleiro Alberto Youssef, os réus devem apresentar provas cabais do que dizem. Na realidade, deveriam dizer, apenas, o que são capazes de provar !“ caso contrário, a Justiça estaria estimulando eventuais ataques levianos e injustos à  reputações de terceiros.

Entretanto, o que se viu ontem foi um espetáculo midiático !“ quase um Big Brother. Outros diretores da Petrobras foram citados, além de 13 empresas, assim como o tesoureiro do PT, João Vaccari. A acusação principal é a de que o PT recolhia 3% do valor dos contratos da Petrobras em propinas !“ numa esquema já apelidado pela oposição de “petrolão”, para fazer um paralelo imediato com o chamado “mensalão”.

As provas… bom, elas ainda não foram apresentadas. Se isso acontecerá ou não, e quando, ninguém sabe. Mas o fato é que as consequências políticas das delações premiadas já foram alcançadas. O PT se vê novamente atingido por um escândalo de corrupção e, pela primeira vez, atrás do opositor Aécio Neves (PSDB-MG) nas pesquisas eleitorais, ainda que na margem de erro, dificilmente terá tempo para reagir.

De um lado, o presidente da legenda, Rui Falcão, fala em “acusações caluniosas”. O tesoureiro João Vaccari, assim como outros ex-diretores da Petrobras, anunciam processos judiciais contra seus delatores. O PT também alega que todas as doações eleitorais recebidas ocorreram dentro da lei.

A discussão jurídica, no entanto, pouco interessa. O que importa é o que acontecerá no dia 26 de outubro. E é possível que Paulo Roberto Costa e Alberto Yossef tenham decidido a disputa.