Gleisi: 21 rebeliões em presídios refletem o fracasso do governo Richa

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) publicou nesta terça-feira uma nota pública sobre a rebelião em curso na Penitenciária Industrial de Guarapuava. Gleisi se solidariza com os agentes penitenciários e servidores do sistema e pede providências ao governador Beto Richa. O sistema penitenciário estadual vem atravessando uma grave crise e as rebeliões, inclusive com mortos, se tornaram comuns. Esta é a vigésima primeira rebelião ocorrida este ano nas prisões estaduais.

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) publicou nesta terça-feira uma nota pública sobre a rebelião em curso na Penitenciária Industrial de Guarapuava. Gleisi se solidariza com os agentes penitenciários e servidores do sistema e pede providências ao governador Beto Richa. O sistema penitenciário estadual vem atravessando uma grave crise e as rebeliões, inclusive com mortos, se tornaram comuns. Esta é a vigésima primeira rebelião ocorrida este ano nas prisões estaduais.

Enquanto o governador do Paraná,! Beto Richa (PSDB), parece ignorar a rebelião iniciada ontem (13) na Penitenciária Industrial de Guarapuava, a senadora Gleisi Hoffmann emitiu uma nota manifestando solidariedade aos servidores envolvidos e aos familiares dos detentos, bem como cobrando explicações do governador.

Essa é a vigésima primeira rebelião ocorrida somente em 2014. As rebeliões acontecem, os presos são transferidos sem os critérios apropriados e vão disseminar a revolta para outras penitenciárias. E o governador reeleito está firme na campanha de seu correligionário, Aécio Neves, sem dar a mínima atenção ou prestar os esclarecimentos necessários diante desse quadro de terror.

Veja a seguir a nota da senadora Gleisi Hoffmann:! 

Nota da senadora Gleisi Hoffmann sobre a rebelião em Guarapuava

Detentos da Penitenciária Industrial de Guarapuava iniciaram nesta segunda-feira, 13, mais uma rebelião no Paraná. Trata-se da 21!ª rebelião de presos em 2014 no estado.

Além de Guarapuava, as cidades de Piraquara, Cruzeiro do Oeste, Cascavel, Foz do Iguaçu, Londrina, Telêmaco Borba, Santo Antônio da Platina, Ponta Grossa, Maringá, Francisco Beltrão e Curitiba registraram rebeliões neste ano, inclusive com detentos mortos e feridos. Apenas no último mês, foram foram cinco rebeliões.

As rebeliões são resultado de quatro anos em que o governo do Estado menosprezou o sistema penitenciário como fator importante para a segurança pública. Falta tratamento adequado aos detentos, respeito aos familiares e, principalmente, segurança aos agentes penitenciários e demais trabalhadores do sistema prisional. Há quatro anos o governador conhece a situação crítica dos presídios e vem tratando o tema burocraticamente.

Durante o período eleitoral, o governador chegou a afirmar que as rebeliões tinham cunho político e não refletiam o fracasso de sua gestão no trato da segurança pública. Será que o governador mantém seu posicionamento mesmo depois de sua reeleição?

à‰ urgente que o governador venha a público apresentar as providências que está tomando para evitar novas rebeliões e garantir a segurança nos presídios, delegacias e nas comunidades envolvidas.

Manifesto minha solidariedade aos agentes penitenciários e trabalhadores do sistema, assim como aos familiares dos detentos.

Senadora Gleisi Hoffmann.

Comentários encerrados.