Amaral: Marina será acusada de ir para a direita! se apoiar Aécio

do Brasil 247

Presidente nacional do PSB ressaltou que ex-senadora está em uma posição "incômoda"; caso declare apoio à  candidatura de Aécio Neves no segundo turno, Marina Silva poderá ser acusada de "ir para direita", diz ele, e caso opte pela neutralidade, poderá ser taxada de "omissa"; se apoiar a reeleição da presidente Dilma Rousseff, Marina poderá ser vista como alguém que renegou o discurso de construir uma nova política, afirma ainda Roberto Amaral; decisão do PSB será anunciada nesta quarta-feira.

Presidente nacional do PSB ressaltou que ex-senadora está em uma posição “incômoda”; caso declare apoio à  candidatura de Aécio Neves no segundo turno, Marina Silva poderá ser acusada de “ir para direita”, diz ele, e caso opte pela neutralidade, poderá ser taxada de “omissa”; se apoiar a reeleição da presidente Dilma Rousseff, Marina poderá ser vista como alguém que renegou o discurso de construir uma nova política, afirma ainda Roberto Amaral; decisão do PSB será anunciada nesta quarta-feira.

O presidente nacional do PSB, Roberto Amaral, ressaltou que a ex-senadora Marina Silva, candidata derrotada do partido à  Presidência da República está em uma posição “incômoda”. Segundo o dirigente socialista, caso declare apoio à  candidatura de Aécio Neves no segundo turno, Marina poderá ser acusada de “ir para direita” e caso opte pela neutralidade, poderá ser taxada de “omissa”.

No caso de apoiar a reeleição da presidente Dilma Rousseff, Marina poderá ser vista como alguém que renegou o discurso de construir uma nova política, defendido pela sua candidatura durante o primeiro turno.

As colocações de Amaral foram feitas durante sua participação no programa canal Livre, exibido pela TV Bandeirantes, e vieram na esteira do posicionamento da candidata que sinalizou a possibilidade de apoiar a postulação de Aécio Neves no segundo turno da eleição presidencial.

De acordo com o jornalista Fernando Rodrigues, do UOL, o PT torce para que marina assuma uma posição de neutralidade. Segundo ele postou em seu blog, esta seria a forma que o PT considera melhor para conseguir conquistar o apoio e os votos dos eleitores da ambientalista.

Apesar do apoio do PSB ser definido somente após uma reunião marcada para esta quarta-feira (8), Amaral observou que podem haver divergências entre o partido e o grupo encabeçado por Marina, muito embora uma decisão consensual seja o desejado pela Executiva do partido.

Veja aqui o link para a postagem do jornalista Fernanood Rodrigues

Comentários encerrados.