21 de outubro de 2014
por Esmael Morais
94 Comentários

Líder tucano confirma prorrogação da eleição para diretores de escolas no PR

traiano_richa_escolas.jpgO governo de Beto Richa (PSDB) está decidido a prorrogar o mandato dos diretores e vices das 2,1 mil escolas da rede pública até novembro de 2015. Também estuda a alteração no sistema de votação para a escolha dos gestores escolares. A informação é do líder tucano na Assembleia Legislativa do Paraná, deputado Ademar Traiano, que confirmou hoje ao Blog do Esmael a disposição pela alteração no processo eleitoral. ... 

Leia mais

21 de outubro de 2014
por Esmael Morais
36 Comentários

MP abre ação contra Aécio no caso aeroporto de Cláudio (MG)

do Brasil 247
O Ministério Público Federal em Minas Gerais decidiu investigar se o ex-governador Aécio Neves (PSDB) cometeu improbidade administrativa ao utilizar R$ 14 milhões de recursos públicos para construir um aeroporto no município de Cláudio, interior do estado.

O aeródromo foi feito em uma área desapropriada que pertencia ao seu tio-avô. Segundo denúncia da Folha de S. Paulo, as chaves ficavam em poder dos familiares do tucano na região, que davam autorização para seu uso. O hoje candidato à  presidência nega qualquer irregularidade e defende que a obra beneficiou a população mineira.

A parte criminal de uma representação apresentada pelo PT contra Aécio foi arquivada no início do mês pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Ele enviou o restante da representação, no entanto, para Minas Gerais, a fim de que fosse investigado se houve crime de improbidade administrativa.

Leia mais

21 de outubro de 2014
por Esmael Morais
56 Comentários

Braço direito de Youssef envolve ‘mais tucanos’ na propina da Petrobras

alvaro_hauly.jpgUm dos parlamentares do PSDB de Londrina, região Norte do Paraná, teria recebido propina do esquema do doleiro londrinense Alberto Youssef, preso desde março na Operação Lava Jato da Polícia Federal.  ... 

Leia mais

21 de outubro de 2014
por Esmael Morais
51 Comentários

Dilma virou espetacularmente. Aécio ainda tem tempo para vira-vira?

do Brasil 247
Com campo realizado na própria segunda-feira 20 em que foi divulgada, a pesquisa Datafolha pegou, no quente, o impacto no eleitorado das cenas de pugilato político entre a presidente Dilma Rousseff e o senador Aécio Neves nos dois debates presidenciais mais recentes. Em ambos, a petista e o tucano trocaram tanto chumbo quanto puderam.

O levantamento também foi feito após uma semana de ataques do PT à  figura do ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, nomeado pelo candidato tucano para o futuro Ministério da Fazenda. Tanto quanto, apurou como chegou ao público a estratégia de desconstrução executada diretamente contra Aécio. Do teste não realizado do bafômetro à  não aplicação de verbas constitucionais mínimas no setor de Saúde de Minas Gerais, o armário de munição dos petistas foi aberto contra ele.

Em sua defesa, o tucano, sem pestanejar, acusou Dilma, bem mais de uma vez, de “mentirosa” e “leviana”, olhos nos olhos da presidente, em rede nacional no debate do SBT. Dos detalhes ao quadro mais geral, tudo o Datafolha procurou captar na pesquisa feita e divulgada hoje !“ e deu Dilma.

O quadro de empate técnico, traçado tanto na diferença de 46% das intenções de voto para Dilma contra 43% a favor de Aécio e, especialmente, na projeção dos votos válidos, na qual a presidente abre quatro pontos sobre o senador, é diferente agora. Na semana passada, a pesquisa foi uma repetição, em todos os seus grandes números, da apuração anterior, do mesmo Datafolha. Desta vez, a estabilidade foi trocada por uma virada de Dilma, na mesma metodologia. Um resultado e tanto – e incontestável.

Na geopolítica, o Nordeste está dando uma vitória, segundo o Datafolha, de 70% sobre 30%, para Dilma, e estreitamento da diferença a favor de Aécio no Sudeste.

DESCONSTRUà‡àƒO FUNCIONOU – Numa retomada que só pode ser atribuída em partes iguais ao trabalho de desconstrução contra Aécio, bem como uma melhor apresentação dos resultados do governo no horário político, Dilma sai fortalecida. A presidente galgou três pontos sobre seu resultado anterior, e viu seu adversário perder dois. Na conta dos votos válidos, a candidata à  reeleição ficou a apenas um ponto de abrir cinco de diferença, superando o quadro, ainda existente, de empate técnico. Bom para ela, o placar dos votos válidos marcou 52% contra 48%. Ponha-se no lugar de quem está atrás e sinta se a expressão ‘empate técnico’ lhe transmite sensação de vantagem ou segurança.

Desde a contagem dos votos do primeiro turno, Aécio, corretamente, vocalizou o discurso de que ter-se tornado, ali, mais que ‘um candidato de apenas um partido, mas de toda a oposição’. A campanha baseou a estratégia na vantagem do tucano, que, de fato, chegou a ser mostrada em até 17 pontos numa pesquisa que, também efetivamente, está sendo acusada de fictícia pelo PT, na Justiça Eleitoral. O certo é que o Leia mais

21 de outubro de 2014
por Esmael Morais
21 Comentários

Coluna do Verri: Não troque os sonhos atuais pelos pesadelos de antigamente

Enio Verri*

Você já avaliou como era a sua vida era antes dos Governos Lula e Dilma. Qual era o seu emprego? Seu salário? Você tinha a casa própria? Carro? Viajava de avião? Seus filhos tinham oportunidade de ir à  universidade ou ter aulas em algum técnico?

Realmente, quem viveu os governos tucanos não quer trocar os sonhos atuais pelos pesadelos de antigamente. Até por que, mudar por mudar, pode reviver os fantasmas da década de 90 que nos assombraram por tantos anos e ainda dá calafrios em milhões de brasileiros.

No cerne do debate político, dois projetos bem conhecidos por todos nós estão face a face. O primeiro é o mesmo que aliou desenvolvimento econômico e social, resultando na melhora de vida de milhões de brasileiros. O segundo, mesmo que maquiado, é aquele voltado para o mercado internacional da década de 90.

Parece um tanto distante, mas não é. São estas políticas que interferem diretamente no seu emprego, na saúde financeira da sua empresa, na sua renda e capacidade de adquirir bens de consumo.

E você conhece como os dois candidatos pensam inflação, desemprego e bancos públicos? Compare e veja como as escolhas podem mudar totalmente o rumo de nossas vidas:

Inflação:

Dilma Rousseff (PT): A inflação nos Governos do Partido dos Trabalhadores sempre foi tema de muita atenção. A inflação média do Governo Dilma é a menor desde quando foi criado o Plano Real em 1994, mesmo sob uma crise econômica mundial. Ressalta-se, ainda, que nos últimos 11 anos a meta foi atingida em todos os anos.

Aécio Neves: Inconformado com o que ele chama de inflação galopante!, mesmo com índices menores que durante os governos tucanos, o presidenciável prometeu inflação a 3% ao ano. O que ele não conta, é que para atingir essa meta são necessários uma taxa de desemprego em 15% e juros de 25%.

Taxa de Desemprego:

Dilma Rousseff (PT): A taxa de desemprego no Brasil bateu recorde e atingiu o pleno emprego. Fruto de uma política econômica voltada para o mercado interno e geração de renda, a taxa de emprego se mantém nos níveis mais baixos mesmo com a crise mundial.

Aécio Neves (PSDB): Uma das medidas impopulares anunciadas pelo presidenciável condiz com a taxa de desemprego. Para ele, o crescimento da economia brasileira e o controle da inflação estão diretamente ligados a uma procura maior de vagas de trabalho e salário mínimo adequado aos interesses do mercado.

Bancos Públicos

Dilma Rousseff (PT): Os bancos públicos durante o Governo Lula e Dilma foram instrumentos importantes para o desenvolvimento econômico. Uma política de crédito e maior participação destas instituições financeiras fortaleceram os bancos públicos e permitiram a implantação de programas, como o Minha Casa Minha Vida.

Aécio Neves (PSDB): Armínio Fraga, guru econômico tucano, defendeu recentemente a redução dos bancos públicos brasileiros. Para ele, estas instituições não são favoráveis para o crescimento do País. Fraga foi presidente do Banco Central de FHC durante o ciclo da privatização e credita aos bancos privados maior participação na economia brasileira.

< Leia mais