Sob Richa, Paraná teve “pibinho” se comparado ao governo Requião

Sob a gestão de Beto Richa o estado teve um "pibinho" acumulado real de 12,53% ao passo que a arrecadação cresceu 25,25%. "A arrecadação cresceu duas vezes mais rápido do que a produção", análise obtida pelo Blog do Esmael; a título de comparação, o crescimento acumulado real no governo Requião (2007-2010) foi de 20,83%, ainda que afetado negativamente pela crise mundial de 2009; no período, a arrecadação de ICMS cresceu 24,04%; pelo Twitter, senador do PMDB promete acabar com a "farra da substituição tributária que está quebrando empresas no Paraná" caso seja eleito para um quarto mandato.

Sob a gestão de Beto Richa o estado teve um “pibinho” acumulado real de 12,53% ao passo que a arrecadação cresceu 25,25%. “A arrecadação cresceu duas vezes mais rápido do que a produção”, análise obtida pelo Blog do Esmael; a título de comparação, o crescimento acumulado real no governo Requião (2007-2010) foi de 20,83%, ainda que afetado negativamente pela crise mundial de 2009; no período, a arrecadação de ICMS cresceu 24,04%; pelo Twitter, senador do PMDB promete acabar com a “farra da substituição tributária que está quebrando empresas no Paraná” caso seja eleito para um quarto mandato.

O Blog do Esmael teve acesso a um detalhado estudo sobre o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) do Paraná nos últimos três anos do governo Beto Richa (PSDB). Segundo as análises, sob a gestão do tucano o estado teve um “pibinho” acumulado real de 12,53% ao passo que a arrecadação cresceu 25,25%. “A arrecadação cresceu duas vezes mais rápido do que a produção”, observa o documento vazado por membros das secretarias da Fazenda e do Planejamento.

A título de comparação, o crescimento acumulado real no governo Requião (2007-2010) foi de 20,83%, ainda que afetado negativamente pela crise mundial de 2009. No período, a arrecadação de ICMS cresceu 24,04%.

As despesas do governo Richa, no entanto, subiram em ritmo mais acelerado do que a arrecadação: crescimento real dos gastos de 28,55% acumulados contra 25,25% de arrecadação. Portanto, chega-se à  conclusão de que aumentou a apropriação, pelo governo do estado, da parcela da riqueza produzida sem que isso significasse melhora nos serviços para a população.

No último domingo (3), em artigo no Blog do Esmael, o empresário Rodrigo da Rocha Loures, ex-presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), deu pistas sobre o desequilíbrio nas finanças do estado e o impacto da substituição tributária no ICMS. “O Paraná é um dos estados com a maior alíquota de ICMS sobre o consumo de energia e de telecomunicações (29%), dois insumos fundamentais da produção e da vida moderna”, reclamou.

Para Rocha Loures, a substituição tributária do ICMS vem minando o regime do Simples Nacional, pois as micro e pequenas empresas recebem as mercadorias que comercializam com carga cheia de ICMS, desde a origem, e pagam o ICMS sobre o faturamento.

Requião, por sua vez, afirmou pelo Twitter que, se eleito, vai acabar com a “farra da substituição tributária que está quebrando empresas no Paraná”. Segundo o peemedebista, o governador Beto Richa está destruindo as pequenas empresas.

30 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. I simply want to say I’m new to blogging and site-building and honestly liked this blog site. Likely I’m likely to bookmark your website . You really come with very good articles and reviews. Thanks a lot for revealing your website page.

  2. O que Requiao fez pelo Paraná nos últimos 3,5 anos?

  3. Sou muito mais ROBERTO REQUIÃO!!!!!!

  4. A senadora Gleisi Hoffman (PT) deve estar com pesquisa nova na mão, pois começou a bater forte em Roberto Requião (PMDB), com quem disputa uma vaga no segundo turno. Em entrevista ao jornal Metro, de Curitiba, Gleisi elogiou o programa Paraná Competitivo, de Beto Richa (PSDB), e disse que Requião afastava as empresas do Paraná. “Ele (o programa) melhorou o ambiente de negócios, talvez, porque antes era um ambiente muito arredio. Eu diria que não havia um esforço de trazer as empresas para cá. Talvez agora haja um esforço.”

  5. MAIS EMPRÉSTIMOS PARA O GOVERNO DO PARANÁ. PARA ONDE ESTÁ INDO TODO ESSE DINHEIRO E MAIS A ARRECADAÇÃO NORMAL, QUE COM OS TARIFAÇOS, DETRAN, SANEPAR, COPEL, NÃO É POUCO. ISTO NÃO É OBJETO DE UMA CPI PARA O POVO SABER PARA ONDE ESTÁ INDO TODO O DINHEIRO?

  6. Os tucanos são a pior espécie de político, quando os números não os favorecem eles dizem que tal fato não é importante para o Estado heheh TAMO JUNTO REQUIÃO.

  7. – MEU PAI TEM O “PIB” MAIOR DO QUE O DO SEU PAI!!!!

    Uma coisa é administrar o estado com presidente chamado de “meu irmão” e outro é administrar o estado com oposição do presidente e dois senadores contra(requião e gleisi). Mesmo com o presidente “irmão” o requião espantou multinacionais, mandou milhoes de toneladas de produtos para os portos de Santa Catarina. Incompetência pura, o PIB do Paraná deveria ter sido muito maior. Por mais fraco que seja o Beto Richa, se recebesse o apoio do governo federal e dos senadores, certamente estariamos muito melhor.

  8. Eu e minha família vamos votar no Requião porque ele vai acabar com os pedagios no Paraná!

  9. O único PIB dos tucanos que é maior do que o do Requiao é o PIB das concessionárias de pedágio, Richa é uma mãe com as pedagieras.

  10. Comomenteocomedordesemente. Pentelho contrário, a maior marca do gestão – 4 anos, contra os 12 do Bob Figueira, é justamente a atração de empresas – que eram desdenhadas. E mês a mês, o PIB paranaense supera o nacional. Onde arranjam tais números? É a tal contabilidade criativa? Ou mentira metafórica?

  11. CHEGA RECHA…SOME…VOLTA REQUIÃO..

  12. Esmael, pelo visto Dr. Rosinha divulgou no “facebook” que Requião e Gleisi farão caminhada juntos no dia 9. Tem como confirmar e divulgar? Abraços…

  13. Vamos analisar a coisa sob outro paradigma.
    Acontece que não existe pedigree em política, e pais
    ou avós não conseguem transmitir o seu DNA e a sua
    expertise aos seus filhos e netos, quando se trata
    de política.
    Acontece que o negócio é vantajoso, e todos querem
    deixar as suas crias, bem!
    O caminho mais rápido para a mediocridade e/ou
    falência política de uma nação, é sucessão ou
    perpetuação dos mesmos sobrenomes ou clãs
    familiares.
    Vamos a alguns exemplos pedagógicos.
    Pai-Avô Filho-Neto
    George H George W Bush
    Elevou à enésima potência o mal
    feito do seu pai, e jogou os
    USA na guerra contra o Iraque.
    Tancredo Aécio Neves
    Não tem nem comparação. É só
    analisar as biografias, é
    10 x 0 para o vovô.
    Anibal Alexandre Curi
    O vovô era liso e astuto,
    embora mau. O neto é só mau.
    José Beto Richa
    O pai, respeitável governador
    do MDB, gerou um filho que se
    aliou aos antigos inimigos de
    seu pai, e seu guru político
    é Jaime Lerner.
    Maurício Gustavo Fruet
    O pai, prefeito com mandato
    “tampão”, tinha alguma
    competência administrativa, já
    o filho deveria ser apenas
    deputado, e com restrições.
    Salvo alguma exceção, que eu desconheço, os
    descendentes sempre borram a biografia dos seus
    pais, e conseguem fazê-las pior se elas já não
    forem boas.

  14. esmael quando tem pesquisa, ou estão segurando, e por que?

  15. HOJE RIC NOTICIAS ENTREVISTA COM O MAIOR MENTIROSO DO PARANÁ.

  16. Prezado Requião, mostra para este molenga e incompetente Beto Richa, como se governa um Estado. Força nesta tarefa. Estamos contigo!

  17. E o PIBINHO da DILMA comparado com o do Governo Lula?
    Ai eu te pergunto meu irmão.

    • Falando em PIB, veja o que diz o professor Ladislau Dowbor, formado em economia na Suíça: “O tamanho do PIB, disse ele, só revela o montante do dinheiro usado e não a qualidade desse uso. E citou como exemplo o dinheiro gasto pelos Estados Unidos para recuperar a região do Golfo do México, afetada pelo vazamento de petróleo, que aumentou o PIB americano naquele ano. Em contrapartida, destacou que a Pastoral da Criança investe apenas R$ 2 por criança para combater a desnutrição infantil e isso não contribui para aumentar o PIB”.

      Veja a reportagem “PIB não mede qualidade de vida” no link abaixo:

      http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2014-08/pib-nao-mede-qualidade-de-vida-diz-economista

    • Única diferença um é Pibinho Federal e outro Pibinho Estadual. Conclusão Gestão de ambos é um fracasso.