Richa nada fala sobre rebelião com quatro mortes em presídio de Cascavel

Publicado em 25 agosto, 2014
Compartilhe agora!

Falta de pronunciamento do governador Beto Richa acerca de rebelião em penitenciária causa indignação nos moradores de Cascavel e deixa paranaenses perplexos; mais de 24 horas depois, tucano apenas fala vagamente de "diálogo e respeito" e posta nas redes sociais fotos de sua campanha pela reeleição; Requião aproveitou o vácuo para tuitar: um governo de fantasia cria clima de verdadeiro terror na penitenciária de Cascavel. Precisamos de governo de verdade!; governo do estado sabia que o PCC estava no comando do presídio desde 2013, conforme registro no Blog do Esmael, mas nada fez para prevenir mortes e agentes penitenciários feitos reféns pelo crime organizado.
Falta de pronunciamento do governador Beto Richa acerca de rebelião em penitenciária causa indignação nos moradores de Cascavel e deixa paranaenses perplexos; mais de 24 horas depois, tucano apenas fala vagamente de “diálogo e respeito” e posta nas redes sociais fotos de sua campanha pela reeleição; Requião aproveitou o vácuo para tuitar: um governo de fantasia cria clima de verdadeiro terror na penitenciária de Cascavel. Precisamos de governo de verdade!; governo do estado sabia que o PCC estava no comando do presídio desde 2013, conforme registro no Blog do Esmael, mas nada fez para prevenir mortes e agentes penitenciários feitos reféns pelo crime organizado.
O governador Beto Richa (PSDB), candidato à  reeleição, mais de 24 horas depois, ainda não se pronunciou sobre a rebelião na Penitenciária Estadual de Cascavel, no Oeste do Paraná, que já fez quatro vítimas fatais, sendo duas por decapitação.

Segundo o Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná (Sindarspen), dois agentes penitenciários são feitos reféns pelos detentos.

O presídio está sob controle do Primeiro Comando da Capital (PCC), o partido do crime organizado, que cobra fim de agressões aos presos, melhoria na comida, respeito à s mulheres nas revistas e melhor estrutura física na penitenciária.

Em novembro de 2013, o Blog do Esmael anotou que Richa havia perdido o controle da situação no presídio de Cascavel para o PCC. O alerta fora dado pelo Ministério Público do Estado de São Paulo (clique aqui). Entretanto, de lá para cá, anda foi feito para prevenir a crise de hoje.

No começo deste ano, a secretária de Justiça do Paraná, Maria Tereza Uille Gomes, foi ao Maranhão, em nome de Richa, mostrar o “choque de gestão” adotado nos presídios do Paraná. Pelo jeito, aprendeu mais que ensinou.

O Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís, era tido como o mais violento do país. Superlotado, os detentos dessa unidade decapitavam uns aos outros para aliviar falta de vagas no sistema. Estima-se que 100 presos foram mortos nas prisões do Maranhão entre final de 2013 e início de 2014.

O senador Roberto Requião (PMDB), que disputa o Palácio Iguaçu, criticou a situação em sua página pessoal. No Twitter, ele escreveu que um governo de fantasia cria clima de verdadeiro terror na penitenciária de Cascavel. Precisamos de governo de verdade!.

Em outro comentário, considera uma vergonha para o Estado. Nenhuma penitenciária construída em quatro anos, cárceres superlotados, comando frouxo. Incompetência cria o clima do terror. Vergonha para o PR!, postou o peemedebista.

Embora não tenha se manifestado oficialmente acerca da crise no sistema prisional, Richa tem postado nas redes sociais mensagens sobre “diálogo e respeito” sem, no entanto, abordar a rebelião no presídio do Oeste no Paraná. O tucano tem preferido dar destaque à  campanha pela reeleição postando fotos de carreatas e corpo a corpo com eleitores.

Compartilhe agora!

Comments are closed.