PSDB x PSDB: Beti Pavin dá “olé” nos tucanos Rossoni e Mauro Moraes

Prefeita de Colombo, Beti Pavin (PSDB), deixa correligionários de ninho Rossoni e Mauro Moraes "na saudade" ao lançar candidaturas locais à  Câmara e Assembleia; também ficou para trás apoio ao ex-prefeito curitibano Luciano Ducci, pupilo de Beto Richa; coração da tucana ainda bate forte para Requião, segundo os bastidores da política colombense; na última quarta-feira (30), governador esteve no município da região metropolitana.

Prefeita de Colombo, Beti Pavin (PSDB), deixa correligionários de ninho Rossoni e Mauro Moraes “na saudade” ao lançar candidaturas locais à  Câmara e Assembleia; também ficou para trás apoio ao ex-prefeito curitibano Luciano Ducci, pupilo de Beto Richa; coração da tucana ainda bate forte para Requião, segundo os bastidores da política colombense; na última quarta-feira (30), governador esteve no município da região metropolitana.

Na última quarta-feira (30) à  noite aterrissaram em Colombo, na região metropolitana de Curitiba, os tucanos àlvaro Dias e Beto Richa, que levou a tiracolo sua vice Cida Borghetti (PROS). Na foto oficial sentiu-se a falta do presidente do PSDB no Paraná, Valdir Rossoni, e do deputado também tucano Mauro Moraes. Ambos julgavam-se “fortes” no município vizinho da capital, mas a história não é bem assim.

A prefeita colombense, Beti Pavin, única tucana a comandar uma cidade de porte grande no estado, na última hora, resolveu lançar duas candidaturas locais — vereador Pelé (PTB) para federal e Professor Valdirlei (Solidariedade) para estadual — em detrimento à s candidaturas de Mauro Moraes e Rossoni. Preterido, eles eriçaram as penas quando souberam que foram “abandonados” na estrada.

No município comandado pelo PSDB, igualmente tentam beliscar uma cadeira na Assembleia a vereadora Professora Michele (PT) e o ex-prefeito J. Camargo (PSC). Embora oposição a Pavin, todos comungam da mesma opinião: “não dá para ir com Richa”.

Corre o risco do município de Colombo não eleger deputado, muito menos governador do mesmo partido da prefeita em 2014. Beti Pavin mantém “amor platônico” com o senador Roberto Requião (PMDB) e não se solta com Richa, observaram correligionários da prefeita no encontro desta semana.

Ah, já ia me esquecendo: o ex-prefeito de Curitiba, Luciano Ducci (PSB), da mesma forma ficou na saudade. A promessa era de um naco de votos para o pupilo do governador no município da região metropolitana. Não vai rolar. Terá de buscá-los por outras vias.

5 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Tomara que logo depois das eleicoes ela é os vereadores traíras perca o comando do partido e assim ela voltará para o seu PMDB velho de guerra!

  2. J.CAMARGO, pelo grande número de votos que o próximo governador, leia 2018, RATINHO JUNIOR, fará em Colombo e em todos estado do Paraná, corre o sério risco de ser eleito com pouquíssimos votos. Agora os demais, corram, corram gente, corram, trabalhem muito, suem a camisa…vamo vamo vamo!!!

  3. Debandada no ninho tucano,?estão sentindo que vai dar 15

  4. Ganhar do Rossoni é fácil, basta apresentar as denuncias de nepotismo com filhos e as contratações no seu gabinete.

  5. A promessa era de um naco de votos

    corrigir para SACO, abrçs, os inimigos não pode ver. axé