Prefeito do PSDB que coordena campanha de Richa é preso pelo Gaeco

Governador Beto Richa perdeu nesta quarta-feira (6) importante coordenador de campanha à  reeleição na região da Associação dos Municípios do Norte do Paraná (Amunop); prefeito tucano de São Jerônimo da Serra, Adir dos Santos Leite, foi preso pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) sob a acusação de formação de quadrilha, peculato, corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro, fraude a licitação e organização criminosa. O Ministério Público também faz operação nos municípios de Santa Cecília do Pavão, Maringá, São Sebastião da Amoreira, Fazenda Rio Grande, Pinhalão, Nova Santa Bárbara e Mandirituba.

Governador Beto Richa perdeu nesta quarta-feira (6) importante coordenador de campanha à  reeleição na região da Associação dos Municípios do Norte do Paraná (Amunop); prefeito tucano de São Jerônimo da Serra, Adir dos Santos Leite, foi preso pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) sob a acusação de formação de quadrilha, peculato, corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro, fraude a licitação e organização criminosa. O Ministério Público também faz operação nos municípios de Santa Cecília do Pavão, Maringá, São Sebastião da Amoreira, Fazenda Rio Grande, Pinhalão, Nova Santa Bárbara e Mandirituba.

O prefeito Adir dos Santos Leite (PSDB), de São Jerônimo da Serra, região Norte do estado, foi preso na manhã desta quarta-feira (6) pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). O tucano é coordenador da campanha do governador Beto Richa (PSDB) na região que reúne os municípios da Amunop (Associação dos Municípios do Norte do Paraná).

Além do prefeito do PSDB, dois filhos dele também foram detidos na “Operação Sucupira” para combater o crime desvio de recursos públicos.

O Gaeco já cumpriu hoje 18 mandados de prisão fruto de investigação que levou cinco meses. Segundo o Ministério Público do Paraná, a quadrilha é acusada de peculato, corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro, fraude a licitação e organização criminosa.

Braço policial do MP, o Gaeco espera cumprir nesta quarta os 22 mandatos de expedido pela Justiça. A operação também é feita nos municípios de Santa Cecília do Pavão, Maringá, São Sebastião da Amoreira, Fazenda Rio Grande, Pinhalão, Nova Santa Bárbara e Mandirituba.

Comentários encerrados.