O que explica a diferença gritante entre Datafolha e Ibope?

O diabo é que a diferença é gritante em relação ao Datafolha divulgado há dez dias, também a soldo da RPC/Folha de S. Paulo (Datafolha não possui contrato com o governo Richa). Segundo esse instituto, Richa tem 39% e Requião 33%, o que se configura em empate técnico dentro da margem de erro. Gleisi aparece com 11%. De acordo com o iBeto, Beto Richa (PSDB) tem 43% das intenções de voto na corrida pelo Palácio Iguaçu, seguido de Requião (PMDB), com 26%, Gleisi Hoffmann (PT), com 14%, e Tulio Bandeira (PTC), com 1%.

O diabo é que a diferença é gritante em relação ao Datafolha divulgado há dez dias, também a soldo da RPC/Folha de S. Paulo (Datafolha não possui contrato com o governo Richa). Segundo esse instituto, Richa tem 39% e Requião 33%, o que se configura em empate técnico dentro da margem de erro. Gleisi aparece com 11%. De acordo com o iBeto, Beto Richa (PSDB) tem 43% das intenções de voto na corrida pelo Palácio Iguaçu, seguido de Requião (PMDB), com 26%, Gleisi Hoffmann (PT), com 14%, e Tulio Bandeira (PTC), com 1%.

Até as capivaras do tradicional Parque Barigui, em Curitiba, ficaram com a pulga atrás da orelha depois dessa pesquisa divulgado esta noite pelo Ibope/RPC. O instituto, também conhecido nos bastidores da política como “iBeto”, possui contrato milionário com o governo do Paraná.

De acordo com o iBeto, Beto Richa (PSDB) tem 43% das intenções de voto na corrida pelo Palácio Iguaçu, seguido de Requião (PMDB), com 26%, Gleisi Hoffmann (PT), com 14%, e Tulio Bandeira (PTC), com 1%.

O diabo é que a diferença é gritante em relação ao Datafolha divulgado há dez dias, também a soldo da RPC/Folha de S. Paulo (Datafolha não possui contrato com o governo Richa). Segundo esse instituto, Richa tem 39% e Requião 33%, o que se configura em empate técnico dentro da margem de erro. Gleisi aparece com 11%.

Os erros do Ibope, ou iBeto, foram motivos de CPI na Assembleia Legislativa do Paraná. Em 2012, a empresa chutou errado o resultado em Foz do Iguaçu cuja aposta era Chico Brasileiro, mas deu Reni Pereira (PSB); mais emblemático ainda foi o caso de Curitiba, pois o iBeto apontava o ex-prefeito Luciano Ducci (PSB) no segundo turno e Gustavo Fruet (PDT) em terceiro lugar.

Outra questão chama a atenção do mundo político. Por que quando chega período de eleições a Gazeta do Povo/RPC descarta a Paraná Pesquisas, de Murilo Hidalgo, para contratar empresas de fora que têm índices de desacerto maiores que a distância entre o Céu e a Terra? Por quê?

Comentários encerrados.