Richa, Gomyde e o “Pacto da Praia Mansa” nas eleições 2014

Gomyde e Richa, amigos de futevôlei no balneário chique de Praia Mansa, em Matinhos, engatam um pacto para "aposentar" o senador àlvaro Dias da política em 2014; plano ainda tem apoio do prefeito do município litorâneo, Eduardo Dalmora (PDT), e parte da bancada estadual do PMDB.

Gomyde e Richa, amigos de futevôlei no balneário chique de Praia Mansa, em Matinhos, engatam um pacto para “aposentar” o senador àlvaro Dias da política em 2014; plano ainda tem apoio do prefeito do município litorâneo, Eduardo Dalmora (PDT), e parte da bancada estadual do PMDB.

O leitor deparou ontem em Campo Mourão com a “coincidência” de agendas entre o governador Beto Richa (PSDB), a senadora Gleisi Hoffmann (PT) e Ricardo Gomyde (PCdoB), candidato ao Senado (clique aqui). A orgia pantagruélica, suprapartidária, coincidente, na Festa Nacional do Carneiro no Buraco, no município do Noroeste, deu-se em virtude do “Pacto da Praia Mansa” — nome de balneário dos ricos da praia de Caiobá, em Matinhos, no Litoral paranaense.

Ao menos dois dos três personagens da política dos pinheirais citados acima — Gomyde e Richa — são frequentadores e signatários do pacto batizado com o nome da praia burguesa. O plano tem a simpatia do prefeito de Matinhos, Eduardo Dalmora (PDT).

Não é segredo para ninguém que o governador tucano prefere ver um urubu na frente que lutar pela reeleição do correligionário de ninho àlvaro Dias. O senador é adversário de estimação — e de longa data — de Richa (clique aqui).

Semana passada o Blog do Esmael registrou que o Palácio Iguaçu sinalizara com apoio suprapartidário ao candidato comunista. O recado veio pelo Twitter do deputado estadual Luiz Cláudio Romanelli (PMDB), da cozinha de Beto Richa, ao cravar que o Gomyde disputará eleição para o Senado com ótimas chances, pois não é dono de pedágio e representará a renovação!. A bronca aí é com o empresário Marcelo Almeida (PMDB), dono do pedágio que leva à s praias, amigo do senador Roberto Requião (PMDB).

Ato contínuo, na última quinta-feira (3), no Teatro Positivo, em Curitiba, o ex-presidente Lula e a presidenta Dilma Rousseff “puxaram o saco” de Gomyde. Aliás, mais do que “puxaram o saco” de Gleisi. Os petistas veem no candidato do PCdoB a possibilidade de “arquivar” pelas urnas àlvaro Dias (clique aqui).

10 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. ESSE TAL GOMMYDE NAO FAZ FRENTE A NINGUEM MESMO, ALVARO OCUPARA A VAGA AO SENADO, E VOCES QUE DISSERAM QUE BETO PROMETEU CONSTRUIR A PONTE ATE O FINAL DO MANDATO ,PODE FICAR TRANQUILOS POIS ELE TERA MAIS QUATRO ANOS PARA CONSTRUI-LA E TUDO VAI DAR CERTO.

  2. Prezado Rocha: são plausíveis, sensatos e centrados
    todos os seus argumentos, só que não é por aí.
    Tem que se expor e até investigar o porquê de ainda
    não existir essa ponte, cuja necessidade é óbvia, e
    seus benefícios também.
    Sempre que vou a Guaíra e dou “uma esticadinha” até
    Sato del Guairá, me pergunto: como não existe ainda
    uma ponte dessas entre Matinhos e Guaratuba?
    O “braço de mar” que nos divide é + calmo que o Rio
    Paraná com suas corredeiras rumo ao Pacífico, mas
    talvez a profundidade braço seja maior… só que
    isso são problemas a serem resolvidos pelos
    senhores doutores engenheiros. Afinal como sairam
    as pontes Rio- Niterói e Guaíra-Salto del Guairá?
    Curitibanos como eu e demais VIP’s (Vindos do
    Interior do Paraná), vamos à praia e voltamos da
    praia. Se quisermos ir até Guaratuba, Barra Velha,
    Florianópolis, Capão da Canoa, Punta del Este,
    temos que usar a “naba” da balsa.
    Quem volta destes destinos, se pode, já vem direto
    por Joinville, e não quer nem saber de passar pelo
    purgatório do ferryboat.
    A última vez que estive em Guaratuba em férias
    (Jan/91), ao entrar na balsa com o meu Chevete,
    formou-se um degrau (-) devido ao ônibus ao meu
    lado que entrou antes, a balsa oscilou, e no
    retorno formou-se um degrau (+) onde quase
    arrebentei as rodas dianteiras e entortei o
    eixo cardã.
    Subi a serra pela direita, com os caminhoneiros,
    entre 50 e 70 Km/h, com direito a fazer
    geometria, cambagem, e troca do cardã ao chegar
    em Curitiba. O carro vibrava + que motoniveladora
    abrindo rua.
    Então porque a ponte ainda não existe?
    1)- Segundo conversei com alguns moradores do
    do litoral e caiçaras, a empresa que explora
    os serviços de ferryboat pertence a “família
    de político importante” no Paraná.
    Rocha, eu não posso declinar o nome, pois a
    fonte é informal, mas acho que os habitantes,
    políticos, e comerciantes do litoral podem
    descobrir isso, e trazer à luz para o povo.
    2)- Para os 2 municípios envolvidos, representa
    uma fonte de arrecadação jorrando recurso
    365 dias por ano.
    3)- Para os “saudosistas” o projeto poderia
    permitir uma balsa a ser usada só por
    veículos pequenos, mas de qualquer modo a
    renda para os municípios cairia muito.
    4)- A ponte não cobra pedágio, e se o fizesse,
    este reverteria para a União ou p/ o Estado,
    e não para os municípios.
    5)- Pessuti, como todo o político demagogo, só
    levantou uma bola na área, que ele sabia que
    seria chutada pela linha de fundo.
    Assim fica + fácil entender porque a ponte não
    sai, e porque dificilmente sairá.
    O que intimida o prefeito, os políticos, as
    associações de moradores, associações comerciais
    e assemelhadas do nosso litoral?
    Só desfilar as trocentas e oitenta e sete razões
    pelas quais a ponte deve ser construída, é
    clamar no deserto.
    Há também que se investigar e DENUNCIAR os
    porquês dela ainda não ter sido construída.
    Políticos só agem sob pressão e/ou quando são
    desmascarados, e isso pode fazê-los perder uma
    eleição.

  3. ESMAEL E DEMAIS O “BLOG DO ESMAEL” TAMBÉM NÃO DEIXOU POR MENOS EM RELAÇÃO Á ESTA IMPORTANTE QUESTÃO DA PONTE SOBRE A BAÍA DE GUARATUBA!
    SENÃO VEJAMOS:
    https://www.esmaelmorais.com.br/2013/09/governo-richa-promete-tirar-do-papel-em-60-dias-ponte-matinhos-guaratuba/

  4. PACTO DA PRAIA MANSA É O CASSETE!
    E A PONTE SOBRE A BAÍA GUARATUBA QUE BETO RICHA (PSDB), SE COMPROMETEU A CONSTRUIR EM 2010?
    COMO FICAM AS POPULAÇÕES DAS 3 CIDADES DO LITORAL (GUARATUBA, MATINHOS E PONTAL DO PARANÁ) QUE DEVERIAM TER A PONTE CONSTRUÍDA E ENTREGUE ANTES DO FINAL DO SEU MANDATO?

    Esmael e demais, então quer dizer que a há um tal de “Pacto da Praia Mansa” “” nome de balneário dos ricos da praia de Caiobá, em Matinhos, no Litoral paranaense.!
    Ah tá…!?
    A coisa “anda tão mansa” no litoral paranaense que saiu o seguinte texto questionador (NA ÍNTEGRA):

    “PONTE – UMA NECESSIDADE GUARATUBANA”
    Por: Profº Paulo Santos da Silva

    “Quem já não se sentiu irriTado ao esperar minutos e mais minutos na fila do ferry boat para chegar ao lado de cá ou de lá?
    Quem não perdeu o horário do compromisso, do trabalho, do encontro, da oração, por causa do atraso da balsa, que não podia sair enquanto a neblina não passasse?
    Quantos não ficaram e ainda ficarão – caso nada seja feito -, nas filas que serpenteiam lentamente por vários quilômetros, horas e mais horas esquecidas nessas filas, nos feriados e época de temporada? Ah, mas nesse caso o \”turista\” está sem pressa!, pode dizer um desavisado e defensor de que o tempo deve também ser parado. E o turista nervoso por ter que passar pelo transtorno, caso venha em outro ano, se vier, sairá um dia ou dois antes só para não enfrentar a \”bendita\” fila. Quem perde com isso?
    E quantas promessas já foram feitas? Inúmeras… Tantas que tornaram-se objetos da matemática, isto é, do reino dos números infinitos.
    É essa a história da Ponte de Guaratuba.
    Eu já vi gente morrer por não ter travessia! Eu já vi empresas perderem oportunidades; eu já vi estudantes perderem a rota de Guaratuba e rumar a outros centros, etc. Parece hipérboles tais depoimentos, mas não são. Eu próprio já vi e vivi drama parecido. Eu já estive por lá, num domingo à noite na esperança de embarcar na balsa do horário da 1:00. Mas a neblina chegou antes que eu e acabei ficando até as 5:00 para conseguir chegar do lado de cá, e isso tendo que ir trabalhar às sete da manhã. Tive meu pobre carro 1.0 como aposento, o frio como cobertor e as dores no corpo pelo conforto excessivo. Não seria o caso de ter então um centro de hospedagem ao suposto cliente que paga pela travessia? E respondo que não, pois continuaria a mesma patifaria de atrasos, de filas, disso e daqui.
    Recentemente, surgiu a notícia de que sairia a licitação do projeto. Fiquei contente ao pensar que algum político havia se lembrado das promessas da Ponte… Oxalá fosse verdade, era véspera de eleição. O que se viu depois foi:
    “Pessuti disse nesta segunda-feira (11/10/10), em Paranaguá, que o governo está concluindo o edital para escolha do projeto da obra, mas que a decisão de iniciar a licitação caberá ao futuro governador, Beto Richa (PSDB).\” e “O edital para a elaboração do projeto arquitetônico para uma ponte na Baia de Guaratuba ficará pronto ainda neste mês, no mais tardar em novembro”™, adiantou Pessuti, durante entrevista coletiva na noite desta segunda-feira (11/10), em Paranaguá.” e logo depois “Caberá ao próximo governador lançar ou não o edital.\” (21/10/10).
    E o governador que veio resmungou apenas que uma ponte na baía de Guaratuba era uma ideia sem viabilidade. O que se torna verdade apenas para quem vem aqui de helicóptero, uma vez a cada quatro anos promessar.
    Vê-se por aí que a voz “desse povo promesseiro” não é mesmo a voz de Deus, até mesmo porque se fosse Deus haveria uma abertura no mar e atravessaríamos à terra seca sem necessidade de tarifas ou de atrasos. A ponte em Guaratuba é ponto necessário, fundamental! A ponte é vital! A ponte é o nosso futuro em jogo neste entremeio de portos. E a defendo em cinco pontos:
    1) Com a construção dessa ponte, Guaratuba não virará um centro de passagem de caminhões como muitos dizem, já que com o porto em Itapoá, os caminhões que por aqui passam, deixarão de passar, afinal que empresa preferirá gastar numa viagem mais longa.
    2) Com a construção de uma ponte, a Baía de Guaratuba não estará sendo prejudicada ambientalmente. Pelo contrário, a ponte poluirá menos que a atual travessia, pois esta despeja inúmeros litros de óleo na baía, além de impedir a livre passagem dos peixes como já verificado até por pesquisadores das entidades de ensino do litoral.
    3) Com a construção de uma ponte, Guaratuba não terá uma onda de desempregos (defesa de muitos que veem no ferry uma usina de trabalho e que para uma cidade de 32 mil habitantes tais empregos gerados pela Travessia de Guaratuba são mínimos), mas sim abertura àqueles que desejam estudar no ISEPE ou na UFPR litoral e com isso gerar novas fontes de trabalho através da pesquisa e de criações de novas fontes industriais.
    4) Com a construção de uma ponte, tanto em Guaratuba como em Matinhos há de surgir novos centros comerciais, entre eles shoppings, cinemas, teatros, indústrias, já que haverá a facilidade de ir e vir e, com isso, uma soma das populações dessas cidades, levando a aumentar também a oferta, principalmente de ônibus coletivo, o que aqui é precário.
    5) E a verdade maior que ninguém viu até hoje: com uma ponte teremos livre acesso ao hospital regional, às entidades de ensino e pesquisa, ao turismo de lá e de cá, bem como pessoas de lá poderão estar por aqui, aumentando o fluxo comercial, entre outros. E isso nada mais é do que o Direito de ir e vir pregado pela Constituição. Ou esta prega que é necessário pagar para visitar o outro lado de GUARATUBA.
    Enfim, a necessidade está aí! Falta somente o desvendar dos olhos políticos, os olhos do comodismo, os olhos do egoísmo que teimam em encravar esta cidade entre morros, e colocar o concreto que buscam 80% da população de nossa região.
    (Segundo pesquisa)

    https://www.facebook.com/pages/ponteguaratuba/302428026438577?ref=hl).

    http://ponteguaratuba.blogspot.com.br/

  5. Pelo estado lamentável em que se encontra hoje o município de Matinhos, o apoio de Eduardo Dalmora é como receber o incentivo de Beto Richa e Mick Jaeger.

  6. Pelo estado lamentável que hoje se encontra o município de Matinhos, qual

  7. Só pode ser piada… este é bem o estilo deste piá. Uma vela pra cada santo.
    Bons tempos em que o velho PCdoB tinha alguma ideologia.

  8. Você também gosta de provocar né Esmael , sinceramente acha que o mocorongo do Enganagomyde tem chance de se eleger senador ?? fala serio pô …….