Por iniciativa de Requião, Parlasul declara apoio à  Argentina em disputa contra ‘fundos abutres’

Os senadores Roberto Requião (PMDB-PR) e Luiz Henrique (PMDB-SC), acompanhados do deputado federal Dr. Rosinha (PT-PR), defenderam posição Argentina contra fundos abutres!, que bloquearam transferências de US$ 539 milhões, via Justiça norte-americana, destinados a pagamentos a credores que aceitaram acordos de reestruturação de dívidas. O que vale mais? Os fundos abutres ou a soberania de uma nação?!, questionou Requião, vice-presidente do Parlasul, durante sessão em Montevideo, no Uruguai, que aprovou moção de apoio ao governo de Cristina Kirchner.

Os senadores Roberto Requião (PMDB-PR) e Luiz Henrique (PMDB-SC), acompanhados do deputado federal Dr. Rosinha (PT-PR), defenderam posição Argentina contra fundos abutres!, que bloquearam transferências de US$ 539 milhões, via Justiça norte-americana, destinados a pagamentos a credores que aceitaram acordos de reestruturação de dívidas. O que vale mais? Os fundos abutres ou a soberania de uma nação?!, questionou Requião, vice-presidente do Parlasul, durante sessão em Montevideo, no Uruguai, que aprovou moção de apoio ao governo de Cristina Kirchner.

O Parlamento do Mercosul (Parlasul) aprovou nesta segunda-feira (7) uma declaração de apoio à  Argentina em sua disputa contra os “fundos abutres”. O governo argentino tenta fazer pagamentos a credores que aceitaram acordos de reestruturação das dívidas, mas a Justiça americana bloqueou as transferências, devido à  objeção de fundos especulativos.

Ao recordar o histórico da disputa, o senador Roberto Requião (PMDB-PR), vice-presidente do Parlasul, afirmou que os fundos abutres que resistem ao acordo e exigem o pagamento integral das dívidas argentinas representam apenas 0,45% do total de credores.

– O que vale mais? Os fundos abutres ou a soberania de uma nação? – questionou.

Requião voltou a criticar a decisão da Justiça americana, confirmada pela Suprema Corte daquele país, de não permitir o pagamento argentino apenas à  maioria de credores que aceitaram reestruturações feitas em 2005 e 2010. Há duas semanas, um juiz determinou a devolução de US$ 539 milhões, depositados pela Argentina com essa finalidade.

Declaração

Na declaração, o Parlasul expressa “solidariedade com o povo e o governo da República Argentina e apoio à  consecução de uma solução que não comprometa o amplo processo de reestruturação da sua dívida soberana, rejeitando o comportamento de agentes especulativos que põem em risco os acordos alcançados entre devedores e credores, afetando a estabilidade financeira global!.

O Parlasul também recomenda ao Conselho do Mercado Comum, órgão decisório máximo do Mercosul, que aprove a declaração e peça aos governantes dos estados-membros a liderar um processo de discussão das dívidas externas soberanas nas esferas competentes, em nível mundial.

O parlamentar argentino Guillermo Carmona agradeceu o apoio dos colegas e reiterou que o desejo argentino é apenas o de cumprir suas obrigações.

– A Argentina tem expressado por meio de sua presidente [Cristina Kirchner] a firme vontade de cumprir com suas obrigações frente aos credores, desde que não seja afetada severamente a estabilidade e o desenvolvimento social e econômico.

da Agência Senado, com informações da Assessoria de Imprensa do Parlasul

Comentários encerrados.