Michel Temer voltou à  presidência para enquadrar infiéis do PMDB

Vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer, retorna à  proa partidária depois de 4 anos para debelar casos de infidelidade nos diretórios do Rio, Bahia, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná; governador Beto Richa (PSDB) tende a perder alguns poucos apoios que lhe restam na bancada estadual peemedebista.

Vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer, retorna à  proa partidária depois de 4 anos para debelar casos de infidelidade nos diretórios do Rio, Bahia, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná; governador Beto Richa (PSDB) tende a perder alguns poucos apoios que lhe restam na bancada estadual peemedebista.

O vice-presidente da República, Michel Temer, retomou hoje o comando nacional do PMDB. Ele estava afastado da direção do partido desde 2010, quando fora eleito na chapa de Dilma Rousseff (PT).

Pois bem, fontes do Blog do Esmael em Brasília afirmam que a volta de Temer à  proa peemedebista tem a ver com casos de infidelidade no PMDB.

O vice e presidente nacional peemedebista terá a árdua tarefa de enquadrar as seções regionais do Rio, Bahia, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná. O objetivo é não dar sorte ao azar, ou seja, jogar pesado pela reeleição da chapa Dilma-Temer.

Segundo um orelha seca! do Blog do Esmael, instalado no Distrito Federal, quem não seguir as convenções estaduais e nacional será defenestrado em praça pública. Portanto, no estado, governador Beto Richa (PSDB) tende a perder alguns poucos apoios que lhe restam na bancada estadual do PMDB.

No mês passado, após a convenção do PMDB no Paraná, o ex-secretário Luiz Fernando Delazari avisou aos navegantes que toda infidelidade seria castigada porque o coletivo partidário decidira pela candidatura própria do senador Roberto Requião.

Comentários encerrados.