Mercosul deve endurecer posição contra Israel

via Brasil 247

Reunidos em Caracas, os presidentes dos cinco países do bloco, formado por Brasil, Uruguai, Paraguai, Argentina e Venezuela, discutirão uma posição comum em relação aos ataques de Israel contra a Faixa de Gaza, que já deixou mais de 1.000 palestinos mortos, a maioria civis; cientista político Emir Sader defende que Tratado de Livre Comércio com Israel, o primeiro a ser assinado pelo bloco, em 2010, com um país de fora da América Latina, seja suspenso; "A ideia da condenação de Israel, especialmente pela postura em relação à  Gaza, é algo absolutamente consensual", opina; Brasil foi chamado de "anão diplomático" por porta-voz da chancelaria israelense quando condenou ataques contra os palestinos; latinos se unirão?

Reunidos em Caracas, os presidentes dos cinco países do bloco, formado por Brasil, Uruguai, Paraguai, Argentina e Venezuela, discutirão uma posição comum em relação aos ataques de Israel contra a Faixa de Gaza, que já deixou mais de 1.000 palestinos mortos, a maioria civis; cientista político Emir Sader defende que Tratado de Livre Comércio com Israel, o primeiro a ser assinado pelo bloco, em 2010, com um país de fora da América Latina, seja suspenso; “A ideia da condenação de Israel, especialmente pela postura em relação à  Gaza, é algo absolutamente consensual”, opina; Brasil foi chamado de “anão diplomático” por porta-voz da chancelaria israelense quando condenou ataques contra os palestinos; latinos se unirão?

Reunidos em Caracas para a 46!ª Cúpula do Mercosul, os presidentes dos cinco países que formam o bloco, Brasil, Uruguai, Paraguai, Argentina e Venezuela, devem discutir, além de outros temas, o conflito entre Israel e os palestinos na região da Faixa de Gaza. Os representantes das nações devem debater uma posição comum diante dos bombardeios das forças militares de Israel, que deixou mais de 1.000 palestinos mortos, a maioria civis, contra 53 soldados israelenses e três civis.

Israel foi o primeiro país fora da América Latina a ter um Tratado de Livre Comércio com o Mercosul, assinado em 2010. Na opinião do cientista político Emir Sader, chegou o momento de discutir a pertinência desse tratado e de o Mercosul “endurecer” sua posição contra o país, em um boicote aos produtos fabricados por Israel em assentamentos palestinos pelos bombardeios contra Gaza. “Países como Brasil e Uruguai têm um intenso intercâmbio militar com Israel. Coisa absolutamente indevida”, comentou.

“A ideia da condenação de Israel, especialmente pela postura em relação à  Gaza, acho que é algo absolutamente consensual”, acrescenta Sader, ainda sobre o Mercosul. O cientista político avalia como positiva a posição do governo brasileiro em relação a Israel, mas lembra que outros países da América Latina tomaram posições formais “mais duras”. A Argentina e a Venezuela, por exemplo, estão retirando embaixadores e rompendo relações.

O tema de uma resposta do Mercosul a Israel foi sugerido pelo Brasil para ser discutido na cúpula do bloco. Na semana passada, ao chamar de “ação desproporcional” e classificar de “inaceitável” a escalada de violência na região, o País foi chamado de “anão diplomático” pelo porta-voz da chancelaria israelense, Yigal Palmor. A cúpula em Caracas também vem em boa hora para que os países da América do Sul se unam em defesa do Brasil e contra a ofensa de Israel.

Comentários encerrados.