Dilma na cúpula do Brics: “Estamos entre os que mais cresceram”

do Brasil 247

Em discurso durante a sessão plenária da 6!ª cúpula dos Brics, que reúne líderes de Brasil, Rússia, àndia, China e àfrica do Sul, em Fortaleza (CE), presidente diz que os países do bloco "são essenciais para a prosperidade do planeta"; "Fomos responsáveis pela mitigação dos efeitos da crise financeira global, e pelo sustentado crescimento da economia mundial", afirmou; mais cedo, Dilma Rousseff ressaltou avanço a ser obtido com criação do Novo Banco de Desenvolvimento, que terá fundo inicial de US$ 100 bilhões; "O banco vai contribuir com recursos para garantir investimentos em infraestrutura", anunciou.

Em discurso durante a sessão plenária da 6!ª cúpula dos Brics, que reúne líderes de Brasil, Rússia, àndia, China e àfrica do Sul, em Fortaleza (CE), presidente diz que os países do bloco “são essenciais para a prosperidade do planeta”; “Fomos responsáveis pela mitigação dos efeitos da crise financeira global, e pelo sustentado crescimento da economia mundial”, afirmou; mais cedo, Dilma Rousseff ressaltou avanço a ser obtido com criação do Novo Banco de Desenvolvimento, que terá fundo inicial de US$ 100 bilhões; “O banco vai contribuir com recursos para garantir investimentos em infraestrutura”, anunciou.

Em discurso durante sessão plenária da 6!ª cúpula do Brics, que reúne em Fortaleza (CE) mandatários de Rússia, àndia, China e àfrica do Sul, além do Brasil, a presidente Dilma Rousseff afirmou que, com a criação do Novo Banco de Desenvolvimento do bloco e o estabelecimento do Arranjo Contingente de Reservas, os países Brics “ganham densidade e afirmam seu papel no cenário internacional”.

No atual cenário, ressaltou Dilma, uma conjuntura de “grandes oportunidades”, os países do bloco “têm a obrigação de se manifestar, de se fazer escutar, de atuar”. Os membros do grupo “não podem ficar alheios à s grandes questões internacionais”, acrescentou. A presidente reforçou que “estamos não apenas entre as maiores economias do mundo, mas também entre as que mais cresceram nos últimos anos”.

“Somos responsáveis pela mitigação dos efeitos da crise financeira global, e pelo sustentado crescimento da economia mundial”, discursou, lembrando que o “ativismo” do bloco, no entanto, não deve ser confundido com o “exercício de poder hegemônico ou o desejo de dominação”. Entre os temas debatidos na cúpula, disse Dilma, houve o consenso na ideia de que “apesar de uma diminuição no ritmo de seu crescimento, os países emergentes continuam a ser a força motriz”. Segundo a presidente, também foi examinado “o processo de lenta recuperação econômica dos países mais ricos, como os EUA, cuja economia registrou forte contração”.

Dilma finalizou dizendo que o Arranjo de Reservas firmado na cúpula atesta a maturidade da cooperação entre os países do bloco, ao estabelecer fundo de US$ 100 bilhões q apoiará as economias. No encontro, relatou a presidente, o Brasil propôs a criação de uma plataforma conjunta do Brics para o desenvolvimento de metodologias para indicadores sociais e anunciou que nesta quarta-feira haverá a primeira reunião entre os países Brics e países da América do Sul.

Abaixo, reportagem anterior da Agência Brasil:

Daniel Lima e Sabrina Craide – A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (15) que está otimista com a criação do Novo Banco de Desenvolvimento do Brics e de um fundo de reservas para o bloco, que reúne cinco países !“ Brasil, Rússia, àndia, China e àfrica do Sul. Ao sair do hotel onde está hospedada em Fortaleza, para participar da sexta reunião de cúpula do bloco, ela ressaltou que a instituição deverá beneficiar os países emergentes e em desenvolvimento.

“O banco vai contribuir com recursos para garantir investimentos em infraestrutura. O Acordo Contingente de Reservas, com montante de US$ 100 bilhões, vai contribuir para que esse processo de volatilidade, enfrentado por diversas economias quando da saída dos Estados Unidos da política de expansão monetária, seja mais contido, mais administrado. [Isso] dá segurança, uma espécie de rede de proteção aos países do Brics e aos demais”, disse a presidenta.

A criação do banco e do fundo de reserva deve ser anunciada na tarde de hoje, após reunião dos chefes de Estado do Brics. O banco terá capital inicial de US$ 50 bilhões, sendo US$ 10 bilhões em recursos e US$ 40 bilhões em garantias. Depois da assinatura do acordo para a criação, o banco terá que ser aprovado pelos parlamentos dos cinco países. O fundo terá capital inicial de US$ 100 bilhões, para os países do bloco com dificuldades financeiras.

Comentários encerrados.