Coluna do Rocha Loures: Os 4 pilares do desenvolvimento das cidades

Rocha Loures, em sua coluna deste domingo, recapitula a criação do Colégio SESI e a Universidade da Indústria, durante sua gestão na Fiep, como um dos quatro pilares necessários para valorização das pessoas e o desenvolvimento das cidades:  Sustentabilidade, Educação, Tecnologia, e Cidadania Plena.  à‰ hora de dar substância aos debates eleitorais e promover o voto consciente nessa direção!, recomenda o líder empresarial; leia o texto e compartilhe.

Rocha Loures, em sua coluna deste domingo, recapitula a criação do Colégio SESI e a Universidade da Indústria, durante sua gestão na Fiep, como um dos quatro pilares necessários para valorização das pessoas e o desenvolvimento das cidades: Sustentabilidade, Educação, Tecnologia, e Cidadania Plena. à‰ hora de dar substância aos debates eleitorais e promover o voto consciente nessa direção!, recomenda o líder empresarial; leia o texto e compartilhe.

Rodrigo da Rocha Loures*

As cidades precisam valorizar as pessoas, atrair e reter talentos. Comentei sobre essa necessidade na minha coluna da semana passada (clique aqui). Hoje vou tratar dos fundamentos para o florescimento de cidades inteligentes e inovadoras, constituídas por comunidades atuantes voltadas para o bem estar geral.

A construção de um futuro sustentável se apoia em quatro pilares: Sustentabilidade, Educação, Tecnologia, e Cidadania Plena.

Por conta dos enormes desafios sociais e ambientais da atualidade, a Sustentabilidade converteu-se num critério obrigatório a nortear todas as políticas públicas, a educação e o desenvolvimento tecnológico. A escolha e a qualidade dos investimentos públicos e privados passam estar compulsoriamente vinculados a este pilar. Temos trabalhado neste conceito e exemplo disso foi a realização da terceira edição da Conferência Internacional de Cidades Inovadoras (CICI2014) em maio deste ano.

A Educação precisa ser inovadora, acessível, continuada e de qualidade, em todos os níveis, do infantil à  pós-graduação. Por qualidade entendo preparar indivíduos capazes de se estabelecer com autonomia e capacidade de interação e compartilhamento. Com essas características, implantamos o Colégio SESI e a Universidade da Indústria, quando fui presidente da Fiep.

A Tecnologia é vital na transformação das formas de educar, de trabalhar, de produzir, de compartilhar, de influenciar e de fazer negócios. Para esse fim, o IBQP em parceria com a PUC-PR, a FGV-SP e a Universidade de Berkeley na Califórnia, está desenhando um projeto de classe mundial para o Brasil.

à‰ nos moradores das cidades que residem os rumos e os triunfos de uma sociedade. A Cidadania Plena é o principal meio para corrigir os múltiplos defeitos do setor público brasileiro e proporcionar o desenvolvimento das pessoas e suas cidades. à‰ hora de dar substância aos debates eleitorais e promover o voto consciente nessa direção.

*Rodrigo da Rocha Loures é presidente do Conselho Deliberativo do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade !“ IBQP e ex-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná !“ Fiep (2003/2011). Escreve nos domingos.

9 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Tecnologia é um aliado para a tudo, inclusive segurança. Investir em empresas e recursos humanos é muito importante, pois o futuro já chegou e chega de vivermos dependentes de tecnologias estrangeiras. Precisamos colocar bandidos em seu devido lugar.

  2. Que coluna mais xoxa!!!!!

  3. Caríssima, o Dr. Rocha Loures não consegue que suas idéias cheguem até a presidanta Dilma onde o filho dele trabalha todo dia, vai conseguir chegar suas idéias ao Beto Richa? Em primeiro lugar, ele tem que fazer bem sua lição de casa, começando pela Nutrimental da qual ele é dono. Quais as novidades, quais os projetos que ele tem realizando enquanto empresário que os capacitariam e o qualificariam para um bom gestor e um bom colunista?

  4. Caro Rocha Loures você poderia dar uma aula de ensinamentos a esse mal gestor Beto Richa, pois como podemos falar em Sustentabilidade se nessa gestão o Paraná sofre a maior Devastação de nossas matas, recentemente aconteceu na região de Guarapuava onde o prefeito é filho do chefe da Casa Civil do Beto Richa e poderia ajudar a Fiscalizar; como podemos falar em Educação se este governo não Respeita a classe dos professores, onde recentemente fizeram GREVE após 14 anos; como podemos falar em Técnologia se o atual governo cortou recursos das universidades que eram utilizados em pesquisas e ainda falar em Cidadania Plena se este governo não respeita os funcionários e muito menos a população deixando de investir e gerir recursos para melhorar a vida dos cidadãos em comum, o atual governo gasta mais de 600 milhões em publicidades…..

  5. Ótimo artigo!!
    Precisa voltar para a Fiep!!!
    Tem o meu voto.
    Aba

  6. Em dezembro de 2007, o Departamento de Obras Públicas de Minas Gerais contratou, por 2,4 milhões de reais, uma empresa para desenhar o projeto de 41 aeroportos. Montezuma estava no pacote.

    Em março de 2008, o Departamento de Estradas de Rodagem mineiro adiantou-se e escolheu uma empreiteira para pavimentar a pista de terra de Montezuma. Contratou a Pavisan, por 268.460,65 reais. Segundo um ex-executivo da empresa, que lá trabalhava à época, a obra foi um mau negócio. O valor seria irrisório e não cobriria os custos. Ele não vê razão econômica para o estado investir no local, pois perto de Montezuma há cidades maiores que poderiam ter sido contempladas com um aeroporto. Qual seria a justificativa? A proximidade com as terras da família de Aécio? Facilitar o contato aéreo entre pai e filho? E se o negócio era ruim, por que a empreiteira topou?

    A Pavisan fechou vários contratos com o governo mineiro durante a administração de Aécio. O dono da construtora, Jamil Habib Cury, ocupou cargo público na gestão do tucano. Foi diretor do Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais. Estava no posto quando a Pavisan foi escolhida para a pavimentação em Montezuma. Consta ainda na lista de doadores das duas campanhas vitoriosas de Aécio ao comando do estado, em 2002 e 2006. Na última, doou 51 mil reais.

  7. a Carta Capital descobre mais um mega escandalo, rigorosamente escondido nas demais mídia, OUTRO AEROPORTO da familia recebeu investimentos publicos:
    A obra em questão foi realizada em Montezuma, pequena cidade de 7,9 mil habitantes no norte de Minas. Ali está uma das duas joias do patrimônio do candidato do PSDB, a Perfil Agropecuária e Florestal. Dos 2,5 milhões de reais em bens declarados por Aécio Neves à Justiça Eleitoral, 666 mil reais são cotas da Perfil.

    O valor e o tamanho atuais da propriedade resultam de uma ação por usucapião vencida pela família do tucano contra o estado em 2013, após 13 anos de batalha. Foi na Fazenda Perfil que Aécio Ferreira Cunha, pai do senador, passou o fim da vida até falecer, em outubro de 2010.

  8. Com esse povo porco?

    Esses dias passou um carro novo, morador das redondezas e jogou um saco de lixo na frente de um terreno baldio!

    E olhe que moramos num bairro bem localizado, onde as pessoas no mínimo são estudadas!

  9. Esmael seu blog está sendo atacado por hackers da direita raivosa. A gente não consegue escrever que se perde a tela.