Por Esmael Morais

Artigo: Como se compra uma Copa

Publicado em 01/07/2014

Ainda assim, muita gente (inclusive esclarecidos! de plantão) insiste na bizarra tese de que o governo negociou a taça para o Brasil. O objetivo, claro, seria ajudar a campanha da presidente Dilma Rousseff. O Brasil ganhou, Dilma se reelegeu.

Por mais que seja complicado descrever o tamanho dessa bobagem, ela carrega uma percepção interessante sobre o atual cenário político do país. As duas décadas de polarização entre PT e PSDB nas eleições presidenciais colaboraram para um processo de idiotização do debate eleitoral, que parece ter chegado ao seu ápice. Toda informação passa por um processo de simplificação irracional.

Para quem detesta o petismo, Dilma se transformou na vilã para tudo. Havia gente jogando no colo da presidente o tamanho das filas para entrar no Mané Garrincha nos jogos em Brasília. Se falta comida nos estádios, também é culpa da presidente !“ inclusive para aqueles que outro dia pregavam o #nãovaitercopa.

Do outro lado, Lula inflama os petistas na idealização de uma elite branca! que impede o desenvolvimento do país. Esse povo do mal quer acabar com o Bolsa Família e recolocar o Brasil em uma era desemprego e recessão. Um grupo preconceituoso que não tolera a ascensão social.

No fundo, ambos os lados jogam com a incapacidade de reflexão das pessoas. Mais fácil falar de ódio ao oponente do que tentar entendê-lo. No futebol, isso acaba em briga de torcida, na política, em governos que precisam comprar apoios para se manter de pé.

Curioso que você deve ter ouvido mais sandices relacionadas à  compra da Copa na semana passada do que à  última troca na Esplanada, em que Dilma cedeu à s pressões do PR de Valdemar Costa Neto para substituir o ministro dos Transportes !“ César Borges foi para a Secretaria dos Portos, substituído por Paulo Passos. Está aí o exemplo perfeito: o governo merece, sim, ser criticado pelo que faz de errado. Mas não por qualquer boato mirabolante.