Suíça barra ajuda ao Brasil após MPF vazar dados da Alstom

do Brasil 247

País teria rompido o acordo de cooperação jurídica ao divulgar nomes e dados bancários dos investigados em caso de corrupção da multinacional francesa, como os do conselheiro Robson Marinho, do Tribunal de Contas do Estado (TCE), ex-chefe da Casa Civil de Mario Covas (1998); em acórdão enviado ao MP, a Suíça confirmou que Marinho detinha o direito econômico! de conta nas Ilhas Virgens Britânicas, que recebeu depósitos de US$ 2,7 milhões entre 1998 e 2005 da Alstom, provavelmente de propina.

País teria rompido o acordo de cooperação jurídica ao divulgar nomes e dados bancários dos investigados em caso de corrupção da multinacional francesa, como os do conselheiro Robson Marinho, do Tribunal de Contas do Estado (TCE), ex-chefe da Casa Civil de Mario Covas (1998); em acórdão enviado ao MP, a Suíça confirmou que Marinho detinha o direito econômico! de conta nas Ilhas Virgens Britânicas, que recebeu depósitos de US$ 2,7 milhões entre 1998 e 2005 da Alstom, provavelmente de propina.

Vazamentos de dados sigilosos do caso Alstom fizeram a Suíça suspender a cooperação judicial que mantinha com o Brasil. Medida foi tomada após a divulgação de nomes e dados bancários dos investigados, como os do conselheiro Robson Marinho, do Tribunal de Contas do Estado (TCE), ex-chefe da Casa Civil de Mario Covas (1998), suspeito de receber propina da multinacional francesa para favorecê-la em contrato.

Segundo reportagem do Estado de S. Paulo, o país europeu avisa que só retomará a colaboração quando receber justificativa válida sobre o vazamento do acórdão enviado ao Ministério Público no Brasil sobre o caso Alstom.

Nele, a Suíça informa que Marinho detinha o direito econômico! da Higgins Finance, constituída nas Ilhas Virgens Britânicas, que recebeu depósitos de US$ 2,7 milhões entre 1998 e 2005 da Alstom. O Ministério Público informa ter provas de que o dinheiro de Marinho tem origem em propinas.

Na Suíça, os nomes dos investigados são mantidos em sigilo até que sejam condenados. Sendo assim, o Brasil teria violado o princípio de boa-fé!.

O advogado de Marinho, Celso Vilardi, não se diz surpreso: Dado o espetáculo midiático que aconteceu em torno desse caso, eu não me surpreendo com a decisão suíça!.

1 Comentário

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. …,REFORMA DO JUDICIÁRIO,JÁ!!!ELIANA CALMON (CONSELHO NACÍONAL DE JUSTIÇA(?),DISSE;…,O BRASIL,ESTÁ CHEIO DE, BAN-DI-DOS…,USANDO TOGA…,ACORDA PARANÁ,ACORDA BRASIL!!!