Pessuti desiste de candidatura; disputa agora é entre Richa e Requião

Publicado em 17 junho, 2014

Em entrevista coletiva nesta terça (17) na Assembleia Legislativa, Pessuti reconheceu que não tem votos para disputar com Requião; ex-governador anunciou desistência da corrida ao Palácio Iguaçu e adesão à  reeleição do tucano Beto Richa; deputado Anibelinho diz que tudo continua como dantes no partido, nada muda!; Requião acredita que ampliará vantagem para 450 votos na convenção devido à  "traição" de Pessuti aos peemedebistas; disputa agora é mano a mano!, daqui a três dias, é entre o senador e o governador do PSDB.
Em entrevista coletiva nesta terça (17) na Assembleia Legislativa, Pessuti reconheceu que não tem votos para disputar com Requião; ex-governador anunciou desistência da corrida ao Palácio Iguaçu e adesão à  reeleição do tucano Beto Richa; deputado Anibelinho diz que tudo continua como dantes no partido, nada muda!; Requião acredita que ampliará vantagem para 450 votos na convenção devido à  “traição” de Pessuti aos peemedebistas; disputa agora é mano a mano!, daqui a três dias, é entre o senador e o governador do PSDB.
O ex-governador Orlando Pessuti anunciou na manhã desta terça-feira (17), durante coletiva na Assembleia Legislativa do Paraná, que desistiu de disputar o Palácio Iguaçu e que apoiará a reeleição do governador Beto Richa (PSDB). O Blog do Esmael registrou há oito dias essa possibilidade de guinada de Pessuti (clique aqui).

Com essa desistência, a briga no PMDB fica agora apenas entre o tucano Beto Richa e o senador Roberto Requião. Na próxima sexta-feira (20), cerca de 600 delegados deverão decidir pela candidatura própria ou coligação com o PSDB.

Pessuti evocou rusgas do passado para justificar a mudança de “camisa de time” nas vésperas das eleições de outubro. “Só estou fazendo o mesmo que ele fez comigo”, admitiu.

Ao Blog do Esmael o deputado Antônio Anibelli Neto, o Anibelinho, disse que o quadro não muda em nada com a adesão de Pessuti aos “cuecas de seda”. “Continua na mesma até porque, em 2010, quando ele era governador nem conseguiu viabilizar sua candidatura no PMDB”, comparou.

Requião também concorda com Anibelinho. Segundo o senador, o porcentual dos peemedebistas que apoiam a candidatura própria continua 85% mesmo com a adesão de Pessuti ao PSDB. Ele disse que esperava fazer 400 votos dos convencionais, mas, depois da traição ao PMDB!, espera conquistar 450.

Comments are closed.