Geração de empregos no governo Dilma supera 5 mi de postos, diz Caged

do Brasil 247

Com o resultado de maio, quando foram gerados pouco mais de 58 mil postos de trabalho, segundo dados do Cadastro-Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta terça-feira, geração de empregos formais durante o governo da presidente Dilma Rousseff supera a marca de 5 milhões; entre janeiro de 2011 e maio de 2014, houve crescimento de 11,47% na geração de postos formais de trabalho alcançando 5.052.710 empregos criados, média mensal de 123.237 vagas; ministro do Trabalho, Manoel Dias destacou a trajetória positiva do Brasil no cenário mundial: "Mesmo com a falta de empregos no mundo, o Brasil continua sua trajetória positiva de geração de postos de trabalho".

Com o resultado de maio, quando foram gerados pouco mais de 58 mil postos de trabalho, segundo dados do Cadastro-Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta terça-feira, geração de empregos formais durante o governo da presidente Dilma Rousseff supera a marca de 5 milhões; entre janeiro de 2011 e maio de 2014, houve crescimento de 11,47% na geração de postos formais de trabalho alcançando 5.052.710 empregos criados, média mensal de 123.237 vagas; ministro do Trabalho, Manoel Dias destacou a trajetória positiva do Brasil no cenário mundial: “Mesmo com a falta de empregos no mundo, o Brasil continua sua trajetória positiva de geração de postos de trabalho”.

O destaque para a geração de empregos formais no mês de maio, segundo dados do Cadastro-Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta terça-feira 24, foi para a maior baixa para o período em 22 anos. Com os números, no entanto, chega-se à  seguinte soma: durante o governo da presidente Dilma Rousseff, a geração de empregos formais no País superou a marca de 5 milhões, um crescimento de 11,47% na criação de postos de trabalho entre 2011 e 2014. O número significa ainda que foram criados, por mês, uma média de 123.237 vagas com carteira assinada. Como destacou o ministro do Trabalho, Manoel Dias, o Brasil mantém uma trajetória positiva, “mesmo com a falta de empregos no mundo”.

Veja abaixo dados publicados pelo Blog do Planalto após a divulgação dos números de maio do Caged:

O Cadastro-Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que mede geração de postos de trabalho com carteira assinada no País, registrou criação de 58.836 vagas em maio, valor que representa crescimento 0,14% em relação ao estoque do mês anterior. O número é o saldo entre 1,849 milhão de admissões e 1,790 milhão de desligamentos em maio.

Com o resultado de maio, a geração de empregos formais no governo Dilma Rousseff superou a marca de 5 milhões. “No período de janeiro de 2011 a maio de 2014, ocorreu um crescimento de 11,47% na geração de postos formais de trabalho alcançando 5.052.710 empregos criados, uma média mensal de geração de 123.237 postos de trabalho com carteira assinada”, informou o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

O Caged revela também que no acumulado do ano (janeiro a maio) houve expansão de 1,34% no nível de emprego, equivalente ao acréscimo de 543.231 postos de trabalho. Se considerados os últimos 12 meses, o aumento foi de 867.423 postos de trabalho, correspondendo à  elevação de 2,15%. Com relação a maio do ano passado, no entanto, saldo de maio significa queda de 18,3%.

Trajetória positiva no cenário mundial

Os dados foram apresentados pelo ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, que destacou a média de empregos gerados mensalmente no Brasil.

“Nós atingimos cinco milhões de empregos no atual governo e vamos continuar gerando novos postos de trabalho. Mantivemos uma ótima média mensal de 123 mil empregos. Mesmo com a falta de empregos no mundo, o Brasil continua sua trajetória positiva de geração de postos de trabalho”, ressaltou.

A geração de 5.052.710 no período de 2011 a 2014 demonstrado pelo Caged foi resultado originado da expansão generalizada dos vários setores de atividades econômicas, com destaque para os setores de Serviços (+2.554.078 postos), seguido do Comércio (+1.140.983 postos), da Construção Civil (+580.023 postos) e da Indústria de Transformação (+510.544 postos).

Em nível geográfico o destaque foi para o estado de São Paulo que respondeu pela criação de 1.349.271 postos de trabalho, o que representou cerca de 27% do saldo líquido do Brasil.

Números de maio

No mês de maio, foram gerados 58.836 empregos formais, um crescimento de 0,14% em relação ao estoque do mês anterior. O aumento mantém a trajetória de expansão, com um total de 1.849.591 admissões no mês e os desligamentos atingindo 1.790.755, o que resultou no resultado positivo no mês, sendo o segundo e o maior montante registrado para o período, respectivamente, o que denota a capacidade da economia de manter o número de contratações em patamar expressivo a despeito do número de desligamentos.

O mercado formal apresentou expansão do emprego em seis setores da economia, tendo quatro deles demonstrado melhor desempenho em relação aos dados de maio de 2013.

Em termos absolutos, os setores responsáveis pelo desempenho positivo no mês foram a Agricultura (+44.105 postos ou +2,79%, ante saldo de +33.285 postos em maio de 2013); o setor de Serviços (+38.814 postos ou + 0,23%, ante 21.154 postos em maio de 2013); e a Construção Civil (+2.692 postos ou +0,08%, ante uma redução de 1.877 postos no mesmo mês do ano anterior).

A Indústria de Transformação, com o declínio de 28.533 postos (-0,34%), foi o setor que mais contribuiu para o desempenho mais modesto no mês de maio.

Estados

Os dados por recorte geográfico mostram que em quase todas as regiões brasileiras ocorreu elevação no nível de emprego, com destaque para a região Sudeste com geração de 51.136 postos; a Centro-Oeste, que gerou 7.765 postos e a região Norte com criação de 4.327 postos de trabalho.

Entre os estados, 17 elevaram o nível de emprego, com destaque para o estado do Pará, com geração de +5.204 postos ou +0,66%, apresentando saldo recorde para o período dentre todas os estados, decorrente do desempenho positivo em quase todos os setores com destaque para a Construção Civil que gerou 4.846 postos; Minas Gerais com geração de 22.925 postos ou +0,53% e São Paulo que criou no mês 13.201 postos ou +0,10%.

2 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Vale lembrar que a maioria dos empregos gerados é de salários baixíssimos. Não está havendo agregação de valor às empresas, devido ao constantes aumentos de impostos por parte de governo federal e dos governadores dos estados, verdadeiros senhores feudais, está havendo desinteresse em investir em atividade produtivas.

    Cada vez mais a economia brasileira se parece com a da extinta União Soviética.

  2. Mais uma Mentira deste Desgoverno da Organização criminosa no Poder (leia-se PT)
    O mercado formal de trabalho registrou, em maio, 58.836 novas vagas de emprego, o pior saldo (admissões menos demissões) para o mês desde 1992, quando foi registrada a abertura de 21.533 novas vagas. Em relação ao mesmo período do ano passado, houve recuo de 18,32% na geração de postos de trabalho. Os dados fazem parte do Cadastro Geral de Empregados e Desempregado (Caged), divulgado pelo Ministério do Trabalho nesta terça-feira. O total já desconta as vagas que foram fechadas no mês passado.
    Mentem e nem ficam com vergonha de mentir e querer enganar. Maio de 2014 teve menor saldo de empregos do que em Maio de 1992.