Por Esmael Morais

Fruet patina na licitação de agências de propaganda e estuda contratos em “regime de urgência”

Publicado em 15/05/2014

Prefeitura de Curitiba poderá deixar mercado "desabastecido" de anúncios institucionais a partir de julho, pois desde o ano passado vem tentando sem sucesso licitar R$ 100 milhões em propaganda; no próximo dia 2 de junho, envelopes com propostas para contratar até 4 agências serão abertos, mas especialistas veem "vícios insanáveis" no certame; restará ao prefeito Gustavo Fruet a prorrogação dos atuais contratos em regime de urgência!; as três empresas que hoje atendem ao município também operam com o Palácio Iguaçu, ou seja, a manutenção delas significa a continuação da influência do governador Beto Richa e de seu secretário da Comunicação, Marcelo Cattani, no Palácio 29 de Março (sede do executivo municipal curitibano).

Prefeitura de Curitiba poderá deixar mercado “desabastecido” de anúncios institucionais a partir de julho, pois desde o ano passado vem tentando sem sucesso licitar R$ 100 milhões em propaganda; no próximo dia 2 de junho, envelopes com propostas para contratar até 4 agências serão abertos, mas especialistas veem “vícios insanáveis” no certame; restará ao prefeito Gustavo Fruet a prorrogação dos atuais contratos em regime de urgência!; as três empresas que hoje atendem ao município também operam com o Palácio Iguaçu, ou seja, a manutenção delas significa a continuação da influência do governador Beto Richa e de seu secretário da Comunicação, Marcelo Cattani, no Palácio 29 de Março (sede do executivo municipal curitibano).

O prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), pode prorrogar por mais seis meses, em regime de urgência, o contrato com as três agências de propaganda que atendem ao município !” Master, CCZ e Opusmultimídia. São as mesmas empresas que atendem o Palácio Iguaçu. Elas tiveram os contratos prorrogados pela primeira vez no início de 2013.

Os atuais contratos tem validade para 60 meses e expiram no próximo dia 30 de junho. à‰ verdade que a Prefeitura de Curitiba abrirá envelopes com as propostas da licitação, mas, segundo especialistas, o edital ainda carrega “vícios insanáveis” na formatação jurídica.

O Ministério Público e o Tribunal de Contas do Estado podem travar pela enésima vez a milionária licitação da propaganda da Prefeitura de Curitiba. Nesse cenário, a velha mídia deverá ficar sem os generosos recursos públicos porque o governo do estado, por força da lei eleitoral, não poderá gastar em publicidade a partir de 1!º de julho.

Fruet vem tendo sucessivos problemas para licitar até quatro agências de publicidade cujo valor anual é de R$ 20 milhões. O contrato tem validade para cinco anos, o que totaliza um orçamento de R$ 100 milhões.

A prorrogação emergencial do contrato com as três agências “tucanas” garantirá a permanência no ar, por exemplo, daquele comercial do psicanalista do pão ou daquela vagem. Ambas as peças informativas são essenciais aos curitibanos. (Aliás, como puderam os curitibanos viver sem esses comerciais até agora?).

A continuação de Master, CCZ e Opusmultimídia na Prefeitura de Curitiba significa, portanto, a manutenção da intervenção do Palácio Iguaçu na Comunicação de Gustavo Fruet. Desde o começo deste ano Paulo Vítola, ex-TV Educativa, cedido pelo secretário de Estado da Comunicação, Marcelo Cattani, permanece dando as cartas no Palácio 29 de Março (sede do executivo municipal).

E a licitação iniciada no ano passado? Pode esquecer, pois já virou lenda urbana.