Dilma terá palanque duplo no Paraná com Gleisi e Requião

Prefeito de Pinhais, Luizão Goulart, do PT, na tarde desta quinta (29), foi o anfitrião de um evento que simboliza o surgimento do palanque duplo de Dilma no Paraná; sentaram-se à  mesa Gleisi e Requião, que hoje voltou declarar voto para a reeleição da presidenta; evento contou ainda com a presença do vice-presidente Michel Temer.

Prefeito de Pinhais, Luizão Goulart, do PT, na tarde desta quinta (29), foi o anfitrião de um evento que simboliza o surgimento do palanque duplo de Dilma no Paraná; sentaram-se à  mesa Gleisi e Requião, que hoje voltou declarar voto para a reeleição da presidenta; evento contou ainda com a presença do vice-presidente Michel Temer.

Na noite da última terça, em Brasília, a presidenta Dilma agradou bastante o senador Roberto Requião (PMDB) durante jantar na casa do vice Michel Temer. Ao contínuo, nesta quinta (29), em Curitiba, o pré-candidato ao governo do Paraná ciceroneou o presidente nacional do PMDB licenciado.

O périplo de Requião e Temer começou à s 9 horas da manhã com a abertura do IV Congresso Nacional de Direito Eleitoral, passou por um almoço pela candidatura própria com 500 lideranças peemedebista do estado e, à s 15 horas, em Pinhais, terminou em uma cerimônia de entrega de motoniveladoras (patrolas) e caminhões caçamba do Programa de Aceleração do Crescimento !“ PAC 2 do Governo Federal a 122 municípios.

No evento realizado no município da região metropolitana de Curitiba, que é governado pelo prefeito Luizão Goulart (PT), ficou patente que a presidenta Dilma Rousseff terá palanque duplo no Paraná. Sentaram-se lado a lado a senadora petista Gleisi Hoffmann e Requião.

Por que o Blog do Esmael está anotando isso? Ora, é porque Requião, em seu discurso no almoço de hoje, revelou que vota em Dilma mesmo discordando de muitas coisas que faz. Segundo o senador, ela é melhor que a oposição neoliberal.

14 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Só pra variar o PT Escória se une a escória. E nem ficam com vergonha.

    Pouco mais de um minuto a mais no horário eleitoral gratuito. Esta é a principal razão pela qual o PT repetirá o gesto de dois anos atrás e voltará a apertar a mão do antigo rival Paulo Maluf (PP) publicamente na manhã desta sexta-feira (29). Desta vez o cumprimento partirá do ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha, pré-candidato do PT ao governo de São Paulo.

  2. Palanque onde Esmael?
    Você não sabe ler? Não sabe ouvir?
    O Temer garantiu pra quem quizesse ouvir que a decisão da convenção é soberana. Se a aliança com Beto Richa ganhar, qual palanque o requião vai montar pra Dilma? Largue de ser tão “inguinorante” pois seus leitores você sabe muito bem que não o são. Sandor Mendes

  3. O GAIESKE já disse que o Requião é do PT e usa o PMDB só para se beneficiar! Ele é nosso!

  4. Como estratégia do Requião para voltar ao Iguaçu,concordo com ele.Já apoiar a Dilma e os demais candidatos à presidência da república,´outra história.Vai ficar difícil escolher,entre os atuais candidatos a presidente,entre os nomes até apresentados.O ideal seria surgir um nome de peso,com chances de vitória.

  5. Corja de pilantras, veja o que este partido esta fazendo com o Brasil:
    Seus direitos, neste exato momento, estão sendo roubados, solapados, diminuídos. A menos que você seja um membro do MTST, do MST, de uma dessas siglas que optaram pela truculência como forma de expressão política.

    De mansinho, o PT e a presidente Dilma Rousseff resolveram instalar no país a ditadura petista por decreto. Leiam o conteúdo do decreto 8.243, de 23 de maio deste ano, que cria uma tal “Política Nacional de Participação Social” e um certo “Sistema Nacional de Participação Social”. O Estadão escreve nesta quinta um excelente editorial a respeito. Trata-se de um texto escandalosamente inconstitucional, que afronta o fundamento da igualdade perante a lei, que fere o princípio da representação democrática e cria uma categoria de aristocratas com poderes acima dos outros cidadãos: a dos membros de “movimentos sociais”.

    O que faz o decreto da digníssima presidente? Em primeiro lugar, define o que é “sociedade civil” em vários incisos do Artigo 2º. Logo o inciso I é uma graça, a saber: “I ““ sociedade civil ““ o cidadão, os coletivos, os movimentos sociais institucionalizados ou não institucionalizados, suas redes e suas organizações”.

    Pronto! Cabe qualquer coisa aí. Afinal, convenham: tudo aquilo que não é institucional é, por natureza, não institucional. Em seguida, o texto da Soberana estabelece que “todos os órgãos da administração pública direta ou indireta” contarão, em seus conselhos, com representantes dessa tal sociedade civil “” que, como já vimos, será tudo aquilo que o governo de turno decidir que 锦 sociedade civil

    Todos os órgãos da gestão pública, incluindo agências reguladoras, por exemplo, estariam submetidos aos tais movimentos sociais “” que, de resto, sabemos, são controlados pelo PT. Ao estabelecer em lei a sua participação na administração pública, os petistas querem se eternizar no poder, ganhem ou percam as eleições.

    Isso que a presidente está chamando de “sistema de participação” é, na verdade, um sistema de tutela. Parte do princípio antidemocrático de que aqueles que participam dos ditos movimentos sociais são mais cidadãos do que os que não participam. Criam-se, com esse texto, duas categorias de brasileiros: os que têm direito de participar da vida púbica e os que não têm. Alguém dirá: “Ora, basta integrar um movimento social”. Mas isso implicará, necessariamente, ter de se vincular a um partido político.

    A Constituição brasileira assegura o direito à livre manifestação e consagra a forma da democracia representativa: por meio de eleições livres, que escolhem o Parlamento. O que Dilma está fazendo, por decreto, é criar uma outra categoria de representação, que não passa pelo processo eletivo. Trata-se de uma iniciativa que busca corroer por dentro o regime democrático.

    O PT está tentando consolidar um comissariado à moda soviética. Trata-se de um golpe institucional. Será um escândalo se a Ordem dos Advogados do Brasil não recorrer ao Supremo contra essa excrescência. Com esse decreto, os petistas querem, finalmente, tornar obsoletas as eleições. O texto segue o melhor padrão da ditadura venezuelana e das protoditaduras de Bolívia, Equador e Nicarágua. Afinal, na América Latina, hoje em dia, os golpes são dados pelas esquerdas, pela via aparentemente legal.

    Inconformado com a democracia, o PT quer agora extingui-la por decreto.

    Fonte: Reinaldo Azevedo

  6. Esmael, então isso é indicativo do que o Beto, que quebrou o Paraná, não passa do primeiro turno.

  7. Acho que não hein!!!

    • Esmael, pare de mentir aos seus leitores, requiao ja declarou que prefere BR a barbie paraguaia, por mais que ele nao goste do Carlos Alberto ele prefere que o governador se reeleja a aturar a esposa do Bernadao governando o PR…