Dilma no jantar de Temer: oposição representa retrocesso e desemprego

do Brasil 247

Em jantar com lideranças do PMDB, presidente trocou afagos com partido, obteve de Michel Temer garantias para renovar apoio e cutucou adversários: Essa é uma aliança para governar e garantir os ganhos para a população e uma das chapas que está aí representa retrocesso, recessão e desemprego!, em alusão ao tucano Aécio Neves; em outro momento, mirou diretamente Eduardo Campos (PSB): Tem candidato que uma hora diz que é contra o agronegócio, porque polui, porque é a favor do meio ambiente. Outra hora diz que vai colocar meta de inflação em 3%, o que representa desemprego e recessão!.

Em jantar com lideranças do PMDB, presidente trocou afagos com partido, obteve de Michel Temer garantias para renovar apoio e cutucou adversários: Essa é uma aliança para governar e garantir os ganhos para a população e uma das chapas que está aí representa retrocesso, recessão e desemprego!, em alusão ao tucano Aécio Neves; em outro momento, mirou diretamente Eduardo Campos (PSB): Tem candidato que uma hora diz que é contra o agronegócio, porque polui, porque é a favor do meio ambiente. Outra hora diz que vai colocar meta de inflação em 3%, o que representa desemprego e recessão!.

Em jantar com lideranças do PMDB, a presidente Dilma Rousseff lembrou a lembrou a importância de continuar ao lado do partido e que esta “é uma aliança para a governabilidade”:

Essa é uma aliança para governar e garantir os ganhos para a população e uma das chapas que está aí representa retrocesso, recessão e desemprego!, em alusão ao plano de governo impopular! defendido pelo presidenciável tucano Aécio Neves.

Em outro momento, Dilma se referiu diretamente ao presidenciável socialista Eduardo Campos: Tem candidato que uma hora diz que é contra o agronegócio, porque polui, porque é a favor do meio ambiente. Outra hora diz que vai colocar meta de inflação em 3%, o que representa desemprego e recessão!.

Já o vice-presidente Michel Temer, por sua vez, assegurou à  presidente Dilma que, no dia 10 de junho, data da convenção do partido, o PMDB vai “reeditar a aliança” com o PT.

O líder do PMDB na Câmara, deputado Eduardo Cunha (RJ), que tem travado muitos embates com o governo, afirmou que ninguém que estava ali iria se insurgir contra as decisões da convenção.

Comentários encerrados.