17 de maio de 2014
por Esmael Morais
12 Comentários

Gomyde defende expropriação de fazendas em congresso da UJS

Ricardo Gomyde radicalizou o discurso em debate sobre remoções forçadas na Copa, neste sábado (17), durante Congresso Estadual da União da Juventude Socialista (UJS); amanhã, domingo (18), à s 9h30, na Reitoria da UFPR, ato político da entidade de juventude deverá reunir os senadores Gleisi Hoffmann e Roberto Requião, pré-candidatos ao governo do Paraná; "O interesse coletivo prepondera diante do interesse individual em qualquer parte do mundo", disse Gomyde, que é presidente do PCdoB, para uma plateia de 500 jovens vindos de todo o estado; assista ao vídeo.

Ricardo Gomyde radicalizou o discurso em debate sobre remoções forçadas na Copa, neste sábado (17), durante Congresso Estadual da União da Juventude Socialista (UJS); amanhã, domingo (18), à s 9h30, na Reitoria da UFPR, ato político da entidade de juventude deverá reunir os senadores Gleisi Hoffmann e Roberto Requião, pré-candidatos ao governo do Paraná; “O interesse coletivo prepondera diante do interesse individual em qualquer parte do mundo”, disse Gomyde, que é presidente do PCdoB, para uma plateia de 500 jovens vindos de todo o estado; assista ao vídeo.

O ex-deputado Ricardo Gomyde, presidente estadual do PCdoB do Paraná e assessor do Ministério do Esporte, neste sábado (17), em Curitiba, defendeu a expropriação de fazendas nos marcos do “capitalismo” e do “socialismo” em nome do interesse coletivo. ... 

Leia mais

17 de maio de 2014
por Esmael Morais
69 Comentários

Rocha Loures anuncia apoio à  candidatura de Requião. PMDB diz adeus à  coligação com Richa

PMDB diz adeus à  coligação com o PSDB de Beto Richa, neste sábado (17), diante do anúncio de apoio do ex-deputado Rocha Loures à  candidatura de Requião para o governo do Paraná; homem forte do vice-presidente da República, Michel Temer, e da direção nacional desautoriza coligação com o PSDB de Beto Richa; Acredito que o Requião é o melhor nome para unir o partido e evitar uma associação oportunista que descredenciaria o PMDB!, ele declarou hoje em Pitanga; a tendência agora é que nem haja bate-chapa na convenção de 20 de junho.

PMDB diz adeus à  coligação com o PSDB de Beto Richa, neste sábado (17), diante do anúncio de apoio do ex-deputado Rocha Loures à  candidatura de Requião para o governo do Paraná; homem forte do vice-presidente da República, Michel Temer, e da direção nacional desautoriza coligação com o PSDB de Beto Richa; Acredito que o Requião é o melhor nome para unir o partido e evitar uma associação oportunista que descredenciaria o PMDB!, ele declarou hoje em Pitanga; a tendência agora é que nem haja bate-chapa na convenção de 20 de junho.

O ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, chefe de Relações Institucionais da Vice-Presidência da República até abril, neste sábado (17), em Pitanga, anunciou apoio à  candidatura do senador Roberto Requião (PMDB) ao governo do Paraná. ... 

Leia mais

17 de maio de 2014
por Esmael Morais
13 Comentários

Coluna do Ricardo Gomyde: Vai começar a festa da Copa

Considerado herdeiro do legado de Dilma no Paraná, Ricardo Gomyde abre a contagem regressiva para o pontapé inicial dos jogos da Copa; "#VaiSerSucesso", regozija-se na sua coluna deste sábado, destacando que 500 mil estrangeiros já compraram ingressos e cerca de 23 mil profissionais da imprensa do mundo inteiro farão "73 mil horas de transmissão de TV para mais de 200 países, o que equivale a um aparelho de TV ligado por oito anos"; leia o texto e compartilhe.

Considerado herdeiro do legado de Dilma no Paraná, Ricardo Gomyde abre a contagem regressiva para o pontapé inicial dos jogos da Copa; “#VaiSerSucesso”, regozija-se na sua coluna deste sábado, destacando que 500 mil estrangeiros já compraram ingressos e cerca de 23 mil profissionais da imprensa do mundo inteiro farão “73 mil horas de transmissão de TV para mais de 200 países, o que equivale a um aparelho de TV ligado por oito anos”; leia o texto e compartilhe.

Ricardo Gomyde* ... 

Leia mais

17 de maio de 2014
por Esmael Morais
22 Comentários

Lula: “medo da elite é que eu volte em 2018”

do Brasil 247
Em mais um ato da pré-campanha do ex-ministro Alexandre Padilha (PT) a governador de São Paulo, o ex-presidente Lula voltou a criticar os governo estaduais do PSDB, nesta sexta-feira (16), na cidade de Sorocaba. “Os tucanos governam esse estado há 22 anos e vocês percebem que em todos esses anos, São Paulo do ponto de vista social só regrediu. Quem cuida dos pobres desse Estado é o governo federal, através dos programas sociais criados pelo nosso governo. Eles não foram capazes de cuidar da água. E eu pensei que os tucanos enxergassem bem. Pensei que eles estavam vendo que ia faltar água, mas eles não conseguiram ver”, disse.

Já com um foco mais nacional, Lula voltou a afirmar que, durante a campanha eleitoral, é preciso “comparar sim” os governos do PT e do PSDB. “O que fizemos em 11 anos, a elite não fez em cinco séculos”, ressaltou, para logo em seguida apresentar dados sobre criação de universidades e faculdades e escolas técnicas, além de citar o aumento exponencial no número de universitários no país nos últimos anos.

“Com muito orgulho que vejo filho de pobre se formando, fazendo faculdade, estudando medicina, se formando em engenharia. O governo cumpriu com a sua obrigação e deu uma oportunidade ao povo deste país”, disse. O ex-presidente defendeu também os investimentos dos governos do PT na área social. “à‰ investimento no ser humano”, frisou.

O ex-presidente também destacou ações do governo Dilma. “Vem a Dilma, ex-guerrilheira, e cria o Ciências Sem Fronteiras. à‰ mandar o estudante brasileiro estudar no exterior. Estudar na Sorbone, em Londres, em Madri. Demos a oportunidade para os pobres. Abrimos o caminho para que os brasileiros pudessem passar”, afirmou.

Já ao final do discurso, Lula afirmou que “o ódio da elite contra Dilma é o medo de ela se reeleger e eu quiser voltar em 2018”.

“Temos que reeleger Dilma. Ela vai fazer um segundo mandato muito melhor do que o primeiro, igual ao Lula fez. O medo deles é que a gente eleja o Padilha em São Paulo, o Pimentel em Minas Gerias e o Lindebergh no Rio. E aí eles pensam: peraí se eles sozinhos fizeram tanto, imagine se tiverem tudo. aí que eles não saem mais. E se o Lula quiser voltar em 2018? como é que a gente fica? Eles estao trabalhando assim. Mas não temos que pensar em 2018. No dia 5 de outubro agora vamos eleger Padilha e Dilma para presidente”, afirmou.

Leia mais