Blog do Esmael

A política como ela é em tempo real.

4 de maio de 2014
por esmael
94 Comentários

Requião declara voto em Dilma, “apesar das privatizações”; assista ao vídeo

O senador Roberto Requião (PMDB-PR), em entrevista na Band News TV, neste domingo (4), declarou que vota em Dilma Rousseff porque a presidenta, na comparação, seria melhor que os adversários Eduardo Campos e Aécio Neves; entretanto, são todos iguais na esteira do neoliberalismo, mas as políticas sociais sobrevivem à  anarquia do PT!, observou; sobre a disputa no Paraná, o peemedebista disse que é pré-candidato por causa da "bagunça" muito grande no estado governado pelo tucano Beto Richa; Requião também minimizou sondagem realizada pela Paraná Pesquisas, em dezembro de 2013: "é antiga, eu nem era candidato"; assista ao vídeo.

O senador Roberto Requião (PMDB-PR), em entrevista na Band News TV, neste domingo (4), declarou que vota em Dilma Rousseff porque a presidenta, na comparação, seria melhor que os adversários Eduardo Campos e Aécio Neves; entretanto, são todos iguais na esteira do neoliberalismo, mas as políticas sociais sobrevivem à  anarquia do PT!, observou; sobre a disputa no Paraná, o peemedebista disse que é pré-candidato por causa da “bagunça” muito grande no estado governado pelo tucano Beto Richa; Requião também minimizou sondagem realizada pela Paraná Pesquisas, em dezembro de 2013: “é antiga, eu nem era candidato”; assista ao vídeo.

O senador Roberto Requião (PMDB-PR) foi entrevistado na madrugada deste domingo (4) no programa Ponto a Ponto, da Band News TV, por Mônica Bergamo e Antonio Lavareda. Leia mais

4 de maio de 2014
por esmael
9 Comentários

Dilma defende delegacias especializadas nos estádios de futebol

da Agência BrasilA presidenta Dilma Rousseff defendeu hoje (4) a instalação de delegacias especializadas nos estádios de futebol. Por meio do Twitter, a presidenta também afirmou que a violência nos estádios precisa ser coibida pelas polícias locais. A mensagem foi divulgada após o enterro do corpo do torcedor Paulo Ricardo Gomes da Silva, de 26 anos, morto após partida entre o Santa Cruz e o Paraná, válida pelo Campeonato Brasileiro da Série B. Na sexta-feira (20), ele foi atingido por um vaso sanitário, jogado do alto da arquibancada, quando deixava o Estádio do Arruda, em Recife.

“O país que ama o futebol não pode ser tolerante com a violência nos estádios. A morte do torcedor Paulo Ricardo Silva depois de uma partida de futebol no Recife é mais um triste exemplo da urgência de se instalar delegacias especializadas nos estádios. A violência nos estádios precisa ser coibida com rigor pelas polícias locais. Os criminosos devem processados e julgados. Estádios de futebol são palco da alegria e da paixão. Devemos todos nos unir pela paz nos estádios”, escreveu a presidenta.

Após a morte do torcedor, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) interditou o Estádio do Arruda. Em nota, a CBF justificou a medida pela gravidade do incidente! e informou que ela tem validade a partir de hoje até que o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) analise o caso e tome as providências cabíveis!.

4 de maio de 2014
por esmael
29 Comentários

O dilema que pode custar o 2!º turno a Eduardo: a paz ou a guerra com Aécio?

do Brasil 247
A pesquisa que a revista Istoé traz neste final de semana e que aponta para a possibilidade de um segundo turno nas eleições presidenciais (leia aqui) deverá fazer com que o PSB repense a sua estratégia de maneira a levar o ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, a se consolidar como uma alternativa viável à  polarização entre PT e PSDB. Campos vem adotando uma linha de discurso que consiste basicamente em mostrar os erros do governo da presidente Dilma Rousseff (PT) para a grande massa do eleitorado e sinalizar com uma política econômica liberal, de maneira a conquistar a simpatia de empresários e investidores. Apesar de ter menos da metade dos votos do senador Aécio Neves (PSDB), o PSB não pretende adotar um discurso mais duro contra o tucano, o que leva à  pergunta: Será que isso é o suficiente para reverter a distância entre ele e o senador?

De acordo com o estudo, elaborado em parceria com o Instituto Sensus, a presidente Dilma Rousseff aparece com 35% das intenções de voto, Aécio Neves figura com 23,7% e Eduardo Campos com 11%. Segundo o primeiro secretário nacional do PSB e responsável pela coordenação nacional da campanha de Campos, Carlos Siqueira, as pesquisas ainda não refletem uma tendência decisiva, apontando apenas um momento no qual o pleito de outubro ainda está relativamente distante.

A campanha ainda não começou. Existe o desafio de tornar o nosso candidato mais conhecido e estamos trabalhando nesta direção. Mais do que atacar o Aécio ou qualquer outro adversário, vamos mostrar os erros do governo atual e que temos um programa capaz de corrigir estas falhas e avançar ainda mais. Não vamos partir para ataques contra um ou outro. Vamos discutir a situação atual, mostrar propostas, como temos feito até agora!, diz Siqueira.

Mantida esta linha, um dos problemas que devem ser superados é a semelhança dos discursos de Campos e Aécio. Um dos diferenciais que deverão ser martelados é o fato de o socialista se apresentar com o diferencial de novidade!, ao posicionar-se como alguém capaz de construir uma nova política!, firmando-se como uma terceira via em oposição à  polarização entre petistas e tucanos dos últimos 20 anos, ao mesmo tempo em que é capaz de reconhecer as conquistas de governos anteriores, sejam do PT ou do PSDB.

O eleitor sabe reconhecer um candidato que aponta erros e que apresenta propostas para corrigi-los. Mas ele também percebe um plus a mais quando o candidato diz com segurança que os acertos serão mantidos, melhorados e ampliados. Este é o diferencial que Campos tem apresentado sobre o Aécio. Não é uma oposição por ser oposição como tem feito o PSDB!, observou ao 247 uma fonte do alto escalão do PSB.

O deputado Gonzaga Patriota (PSB-PE) também não acredita que a pesquisa divulgada pela Istoé deverá levar a uma radicalização do discurso da legenda contra o tucano