Que feio! Comissionados fingem ser professores para elogiar Richa

Em Cascavel, no Oeste, servidores em cargo de confiança da Prefeitura de Cascavel e do Governo do Paraná, na sexta (11), fingiam ser professores e seguravam faixas rasgando elogios a Beto Richa; Nós professores somos gratos pelo reajuste de 50% em nossos salários!, agradecia uma das faixas; ficou muito feio para o tucano que teve a manifestação! a favor desmoralizada pelas redes sociais; a partir do dia 23 de abril, quarta-feira, o governador enfrentará greve  de mais de cem mil profissionais da educação em 2,1 mil escolas da rede pública estadual por tempo indeterminado.

Em Cascavel, no Oeste, servidores em cargo de confiança da Prefeitura de Cascavel e do Governo do Paraná, na sexta (11), fingiam ser professores e seguravam faixas rasgando elogios a Beto Richa; Nós professores somos gratos pelo reajuste de 50% em nossos salários!, agradecia uma das faixas; ficou muito feio para o tucano que teve a manifestação! a favor desmoralizada pelas redes sociais; a partir do dia 23 de abril, quarta-feira, o governador enfrentará greve de mais de cem mil profissionais da educação em 2,1 mil escolas da rede pública estadual por tempo indeterminado.

Um grupo de funcionários comissionados (sem concurso público) segurava faixas na última sexta (11), em Cascavel, no Oeste, que enalteciam o governador Beto Richa (PSDB) durante inauguração do radar meteorológico no município. O diabo é que esses “manifestantes” não eram professores. Apenas fingiam sê-lo, mas foram descobertos e a farsa desmontada nas redes sociais.

“Nós professores somos gratos pelo reajuste de mais de 50% em nossos salários”, dizia uma das faixas seguradas pelos falsos professores.

“Beto Richa é o governador que mais investiu em transporte escolar”, frisava outra faixa sem assinatura de entidades.

O diabo é que a realidade é bem outra no chão da escola. Richa aplicou vários calotes nos educadores nos últimos três anos. Deve mais de R$ 100 milhões a professores e funcionários relativos a avanços e progressões. Não cumpre a Lei Nacional do Piso, que, dentre outras coisas, prevê 33% de hora-atividade.

A ida de comissionados da Prefeitura de Cascavel e do Governo do Paraná para “bandeirar” a favor do tucano tem a ver com as eleições de outubro. Teme-se que a educação dê um xeque-mate no governador, pois o ki-suco promete ferver na semana que vem, depois do feriadão da Páscoa.

Dia 23 de abril, quarta-feira, mais de cem mil profissionais da educação de 2,1 mil escolas da rede pública estadual entrarão em greve por tempo indeterminado.

Comentários encerrados.