Por Esmael Morais

Morre Gabriel Garcia Márquez, o Gabo, gênio da literatura mundial

Publicado em 18/04/2014

“Morre Gabriel García Márquez. Mercedes (sua mulher) e seus filhos, Rodrigo e Gonzalo, me autorizam a dar a informação”, disse em sua conta no Twitter Fernanda Familiar, jornalista próxima à  família que ajudava o escritor na sua relação com a imprensa.

No dia de seu aniversário, em 6 de março, o autor de “Amor nos Tempos do Cólera” e “Crônica de uma Morte Anunciada” saiu à  porta de sua residência, em um luxuoso bairro ao sul da capital mexicana, para agradecer à s pessoas que foram cumprimentá-lo. Essa foi a última vez que apareceu em público.

Nos últimos anos, Gárcia Márquez isolou-se da vida pública. Jornalista, ele era o maior expoente da literatura latino-americana dos últimos 50 anos. Engajado politicamente, foi amigo de Fidel Castro e se considerava um militante de esquerda.

Em entrevista à  Globo News, o escritor Luís Fernando Veríssimo exaltou as qualidades de Gabo e lembrou que o gênio colombiano se confessara influenciado por seu pai, à‰rico Veríssimo. “Ele era um escritor latino-americano, desse realismo mágico que existe mesmo por aqui, mas era universal, porque pode ser entendido em qualquer lugar”, disse o colega brasileiro. “Ele disse que foi influenciado pelo meu pai, depois de ler O Tempo e o Vento”.