CPI da Petrobras opõe Gleisi a Requião

Publicado em 1 abril, 2014

Os senadores Gleisi Hoffmann e Roberto Requião, ambos do Paraná, se estranham quando o assunto é instalação da CPI da Petrobras; o peemedebista assinou hoje pela investigação e a petista tenta barrar a comissão; embora concorde com a CPI, Requião não enxerga na atitude do Senado vontade verdadeira! dos colegas em proteger a empresa porque poderiam fazê-lo no processo de leilão do Campo de Libra um esbulho de um trilhão e 500 bilhões de dólares, quase um PIB brasileiro!; a petista apontou ilegalidade que afronta o texto constitucional.
Os senadores Gleisi Hoffmann e Roberto Requião, ambos do Paraná, se estranham quando o assunto é instalação da CPI da Petrobras; o peemedebista assinou hoje pela investigação e a petista tenta barrar a comissão; embora concorde com a CPI, Requião não enxerga na atitude do Senado vontade verdadeira! dos colegas em proteger a empresa porque poderiam fazê-lo no processo de leilão do Campo de Libra um esbulho de um trilhão e 500 bilhões de dólares, quase um PIB brasileiro!; a petista apontou ilegalidade que afronta o texto constitucional.
Dois paranaenses sintetizam nesta noite a luta travada no Senado a favor e contra a instalação da CPI do Petrobras. Enquanto Roberto Requião (PMDB) assina pela comissão argumentando que “venda de Libra deu prejuízo muito maior para o Brasil”, Gleisi Hoffmann (PT), numa questão de ordem, diz que não há “fato determinado” para investigação.

Até a meia noite desta terça-feira (1!º), de acordo com o regimento, os parlamentares que assinaram a CPI podem se arrepender de tê-lo feito e retirar suas subscrições. O governo Dilma Rousseff tenta convencer parte de sua base de sustentação a voltar atrás no apoio à  investigação.

.

Embora tenha assinado a CPI, Requião vê contradições na investigação proposta. Ele lembrou que apresentou ao Senado uma proposta de Decreto Legislativo, impedindo o leilão, e que não encontrou nos senadores que agora vestem as armaduras de defensores da Petrobrás parceiros contra o esbulho de um trilhão e 500 bilhões de dólares, quase um PIB brasileiro, que representou a alienação de Libra!.

Gleisi aponta ilegalidade na CPI. Segundo ela, “o objetivo central dos autores é promover uma investigação generalizada, uma verdadeira devassa que repugna o direito, mitiga a segurança jurídica, afronta o devido processo legal, o contraditório e a ampla defesa, afrontando inexoravelmente o texto constitucional!.

Comments are closed.