Os papéis de Mr. Dops, Globo, Folha e Bradesco na ditadura militar