Coluna do Requião Filho: Governo Richa não existe. Caso de “falsos professores” retrata mundo faz de conta tucano!

Publicado em 17 abril, 2014
Compartilhe agora!

Requião Filho, em sua coluna desta quinta, volta a analisar a propaganda de Beto Richa, que, segundo ele, encena um governo que "não existe"; especialista em políticas públicas, o colunista afirma que discurso e imagens do tucano são exaustivamente ensaiados, decorados, montadas, as quais não batem com a realidade do povo paranaense; "A última tentativa de montagem de uma imagem positiva foi em Cascavel, na última sexta-feira, quando funcionários comissionados se passaram por professores para segurar faixas de apoio ao governador do lado de dentro da cerca do evento. Enquanto isso, do lado de fora, os verdadeiros professores e a APP reclamavam do abandono da educação pelo atual governo", exemplifica; Requião Filho destaca que exército de comissionados, na internet, já ataca de adversários políticos do governo de forma anônima!; leia o texto.
Requião Filho, em sua coluna desta quinta, volta a analisar a propaganda de Beto Richa, que, segundo ele, encena um governo que “não existe”; especialista em políticas públicas, o colunista afirma que discurso e imagens do tucano são exaustivamente ensaiados, decorados, montadas, as quais não batem com a realidade do povo paranaense; “A última tentativa de montagem de uma imagem positiva foi em Cascavel, na última sexta-feira, quando funcionários comissionados se passaram por professores para segurar faixas de apoio ao governador do lado de dentro da cerca do evento. Enquanto isso, do lado de fora, os verdadeiros professores e a APP reclamavam do abandono da educação pelo atual governo”, exemplifica; Requião Filho destaca que exército de comissionados, na internet, já ataca de adversários políticos do governo de forma anônima!; leia o texto.
Requião Filho*

Já escrevi neste espaço que o atual governo do Paraná é um governo de marketing. Vou repetir: o atual governo não existe! O produto, leia-se Beto Richa, foi fabricado após uma minuciosa pesquisa junto ao consumidor.

Foram a campo e descobriram o que a população, naquele momento eleitoral, queria comprar. Construíram um produto do jeito que a pesquisa mandou, nada no produto é nato, é dele… Tudo é um recorte de coisas que poderiam agradar ao grande público.

As roupas, o jeito de andar, o ângulo da foto, e, principalmente o discurso. Tudo isto é ensaiado, coreografado, decorado e repetido.

Após exaustivas aparições públicas todas as imagens são estudadas, criticadas e recomeçam os ensaios e as passagens de texto.

O personagem de nossa novela se adapta conforme o ibope insinua, mais à  esquerda, mais à  direita, mais sorriso, menos sorriso, e la vida va.

Nós paranaenses vemos as encenações, as propagandas, e nada é feito de concreto em nosso Estado. Tudo são efeitos especiais, são cortinas e fumaça, nada acontece além de belas e vistosas propagandas no horário eleitoral.

A imagem deste governo é tão importante para eles, apesar de superdesgastada, que independem da realidade. Lembrem-se das janelas da propaganda que mostrava um Paraná sem problemas e nas ruas as viaturas estavam paradas e o Estado inadimplente.

A última tentativa de montagem de uma imagem positiva foi em Cascavel, na sexta-feira, quando funcionários comissionados se passaram por professores para segurar faixas de apoio ao governador do lado de dentro da cerca do evento. Enquanto isso, do lado de fora, os verdadeiros professores e a APP reclamavam do abandono da educação pelo atual governo.

O que importa para eles é a imagem.

Querem vender novamente um produto, querem confundir o eleitor com uma imagem de algo que não existe, vão treinar e ensaiar os textos nos quais eles não acreditam, com promessas que não pretendem cumprir e vão aparecer na sua sala de televisão repetindo aquilo que a pesquisa disse que você queria ouvir.

Estarão com comissionados abanando faixas de aprovação e atores sorrindo dizendo que foram atendidos, exibirão gráficos distorcendo números e PRINCIPALMENTE arranjando desculpas para as promessas não cumpridas. Anotem, dirão que a culpa não foi deles.

Não vão mencionar os aumentos seguidos de água e luz, nem falar da privatização da saúde, muito menos do arrocho fiscal nos empresários.

As famosas pesquisas dizem que a população quer renovação, mas quer manter aquilo que já ganhou. Mostram que a Bolsa Família é bem-vinda nos rincões, mas que só isto não basta; querem mais saúde, mais educação, querem infraestrutura, esgoto, água e luz, querem asfalto.

A população cresce como povo, quer mais e melhor, aprende seus direitos e quer melhorar de vida. Não basta vir com imagens falsas e falso discurso nos quais eles não acreditam. O nosso senso crítico do serviço público torna-se cada vez mais exigente.

Todos os comissionados do mundo atacando adversários na internet e elogiando o governo de forma descarada não irão mudar nossa percepção de realidade. Queremos um Paraná de palavra, palavra dada, palavra cumprida, chega de dialogo e blábláblá.

Estado de respeito é o Estado que faz, e sustenta seus feitos. Vamos mostrar aos criadores do produto que o Paraná tem povo e não apenas financiadores de campanha. Abre o olho Paraná.

*Requião Filho é advogado, especialista em políticas públicas, escreve à s quintas no Blog do Esmael.

Compartilhe agora!

Comments are closed.