Ratinho Jr ‘não dá conta do recado’ na Comec, dizem prefeitos

Publicado em 11 março, 2014

Sem "novas ideias" para a crise de gerenciamento do transporte na região metropolitana de Curitiba, o secretário de Desenvolvimento Urbano, Ratinho Júnior, não compareceu ontem ao encontro com prefeitos da Assomec; a reunião foi realizada na sede da Comec, órgão vinculado à  sua pasta cuja tarefa é zelar pela tarifa única em 13 municípios que compõem a Rede Integrada de Transporte (RIT); prefeitos saíram da conversa com a sensação de que solução só será encontrada quando o Saci-Pererê cruzar as pernas! ou o sargento Garcia prender o Zorro!; um dos participantes do conclave na Comec deu sua impressão sobre o impasse: o secretário Ratinho Júnior não consegue dar conta do recado.
Sem “novas ideias” para a crise de gerenciamento do transporte na região metropolitana de Curitiba, o secretário de Desenvolvimento Urbano, Ratinho Júnior, não compareceu ontem ao encontro com prefeitos da Assomec; a reunião foi realizada na sede da Comec, órgão vinculado à  sua pasta cuja tarefa é zelar pela tarifa única em 13 municípios que compõem a Rede Integrada de Transporte (RIT); prefeitos saíram da conversa com a sensação de que solução só será encontrada quando o Saci-Pererê cruzar as pernas! ou o sargento Garcia prender o Zorro!; um dos participantes do conclave na Comec deu sua impressão sobre o impasse: o secretário Ratinho Júnior não consegue dar conta do recado.
Pela enésima vez, os prefeitos vinculados à  Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Curitiba (Assomec) voltaram se reunir ontem (10) para encontrar uma solução para o transporte nas 13 cidades que compõem a Rede Integrada de Transporte (RIT). Ninguém quer gerenciar “de fato” as linhas de ônibus metropolitanas. Nem o governo estadual, nem a prefeitura da capital.

Sob a batuta do maestro Luizão Goulart (PT), prefeito de Pinhais e presidente da Assomec, sobrou críticas à  Coordenação da Região Metropolitana (Comec). O órgão está sob as asas do secretário do Desenvolvimento Urbano (SEDU), Ratinho Júnior (PSC), que não compareceu ao encontro. No seu lugar esteve o chefe da Casa Civil, Reinold Stephanes (PSD), que nada decidiu.

Prefeitos saíram da reunião de ontem com a sensação que uma solução só será encontrada quando o Saci-Pererê cruzar as pernas ou o sargento Garcia prender o Zorro. Ninguém quer ficar com o ônus da região metropolitana, mas todos querem o bônus do mercado consumidor e a mão de obra — de preferência barata — encontrada em abundância nesses municípios.

Ao blog, com sua simplicidade típica, um dos prefeitos que participou da reunião na Comec deu sua impressão sobre o impasse: o secretário Ratinho Júnior não consegue dar conta do recado.

Antes do feriadão de Carnaval, prefeitos da mesma Assomec questionaram a competência de gestão de Ratinho (clique aqui). Em nota oficial, a entidade colocou “panos quentes” no assunto (relembre aqui).

Segundo o presidente da Assomec e prefeito de Pinhais, Luizão Goulart é necessário que a Comec assuma definitivamente o gerenciamento do transporte coletivo da Região Metropolitana.

O governo do estado criou o subsídio e tem a legitimidade de gerenciar o transporte, não podemos ficar neste “empurra, empurra” entre URBS e Comec, pois a cada inicio de ano vivemos uma grande “novela” na RMC!, ponderou.

Para os prefeitos o que falta principalmente é informação. Segundo o prefeito de Itaperuçu, Neneu Artigas (PDT), os prefeitos ficam de mãos atadas! e mesmo assim depois correm o risco de serem responsabilizados pela falta de ações efetivas no que se refere ao transporte coletivo.

Em nossa região, por exemplo, existe um grande monopólio, já que há mais de 20 anos as mesmas empresas administram o transporte e nós não podemos nem questionar!, salientou.

Durante a reunião o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT) mostrou-se a favor dos municípios e da integração com a região metropolitana, no entanto, alertou mais uma vez que a capital não pode continuar arcando com as despesas sem que haja ajuste na tarifa.

à‰ necessário pensar o mais rápido possível em um novo modelo de governança para o transporte, pois não é possível que Curitiba continue assumindo o gerenciamento das linhas metropolitanas após uma série de acréscimos na tarifa técnica, sendo que o subsídio do governo estadual continua o mesmo do ano passado!, defendeu.

Representando o governador Beto Richa (PSDB) durante a reunião, Reinhold Stephanes admitiu falta de planejamento nos últimos anos para que novas alternativas para o transporte coletivo na RMC fossem implantadas com êxito.

Reconhecemos que o governo estadual tem responsabilidade em resolver este problema, assim como os municípios também tem a responsabilidade de cobrar e ajudar a encontrar soluções!, destacou.

Durante o encontro, várias alternativas foram cogitadas para melhorar o gerenciamento do transporte coletivo, como a criação de um Conselho ou Câmara Técnica composta por representantes de todos os municípios da região metropolitana.

Todas essas ideias são válidas, mas precisamos de uma solução urgente. No momento, acho que podemos incentivar novas licitações para as linhas diretas e assim que tivermos os resultados da pesquisa origem-destino que sejam feitas as licitações das linhas metropolitanas!, propôs o presidente da Assomec, Luizão Goulart.

Comments are closed.