Lula ensina para a direita: emprego é mais importante que inflação

Publicado em 10 março, 2014

do Brasil 247

Ex-presidente defendeu legado econômico de suas gestões em entrevista ao italiano La Repubblica!: Do ponto de vista macroeconômico, qual outro país, além da China, criou as condições de crescimento do Brasil?!; Lula negou novamente possibilidade de retorno em 2014, mas deixou em aberto futuro: a política é imprevisível!; disse ainda que protestos de rua são naturais numa democracia com a brasileira e que país sairá fortalecido da Copa do Mundo; o ex-presidente ensinou para a direita raivosa que emprego é mais importante que inflação!.
Ex-presidente defendeu legado econômico de suas gestões em entrevista ao italiano La Repubblica!: Do ponto de vista macroeconômico, qual outro país, além da China, criou as condições de crescimento do Brasil?!; Lula negou novamente possibilidade de retorno em 2014, mas deixou em aberto futuro: a política é imprevisível!; disse ainda que protestos de rua são naturais numa democracia com a brasileira e que país sairá fortalecido da Copa do Mundo; o ex-presidente ensinou para a direita raivosa que emprego é mais importante que inflação!.
O ex-presidente Lula defendeu o legado econômico de suas duas gestões em entrevista ao jornal italiano “La Repubblica”.

“Do ponto de vista macroeconômico, qual outro país, além da China, criou as condições de crescimento do Brasil? Nossos críticos dizem que o melhor é reduzir a oferta de emprego para reduzir a inflação, mas para nós a defesa do emprego é mais importante que a inflação”.

Ele voltou a negar que pode voltar à  disputa à  Presidência esse ano, mas deixou em aberto futuro político: Depois, não posso excluir nada, a política é imprevisível. Mas a natureza é implacável, em 2018 estarei com 72 anos!.

Indagado sobre os protestos de rua, disse que são naturais e que, como filho do movimento sindical, não poderia condená-los: “A ascensão social funcionou. Agora os brasileiros querem mais, justamente. Essa é a efervescência de nossa sociedade: a democracia não é um pacto de silêncio, mas a busca por melhores condições.”

Quanto à  Copa, minimizou atrasos: “O único risco que corremos é de não vencermos no campo”.

Sobre o cenário internacional, Lula reconheceu erro do presidente venezuelano Nicolás Maduro em não dialogar com a oposição. Quanto ao ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado na AP 470 e preso na Itália, disse que é preciso “respeitar a decisão da Justiça italiana”; assim como defendeu decisão da Justiça brasileira no caso do ativista Cesare Battisti.

Comments are closed.