Por Esmael Morais

Curitiba não é Paris, mas é uma festa para a máfia do transporte coletivo

Publicado em 16/03/2014

Curitiba continua um paraíso para as máfias que atuam no lixo, transporte, multas eletrônicas, aluguel de carros, dentre outros setores essenciais à  sociedade; prefeito Gustavo Fruet ainda permanece refém desses grupos econômicos que são conhecidos financiadores de campanhas eleitorais; nesta semana, na contramão do mundo, a tarifa do ônibus deverá ser reajustada na capital paranaense, medida que vai privilegiar o transporte individual ente o público; na França, as cidades de Paris, Caen e Rouen oferecem transporte gratuito em ônibus, trem, metrô e até bicicletas de graça para diminuir a circulação de carros e, consequentemente, a poluição nessas cidades; mas tem reação na terra das araucárias: Turma do Amendoim!, formada por velhos militantes e filiados do PT, promete incentivar protestos contra a Prefeitura; Curitiba não é Paris, mas é uma festa para os mafiosos.

Curitiba continua um paraíso para as máfias que atuam no lixo, transporte, multas eletrônicas, aluguel de carros, dentre outros setores essenciais à  sociedade; prefeito Gustavo Fruet ainda permanece refém desses grupos econômicos que são conhecidos financiadores de campanhas eleitorais; nesta semana, na contramão do mundo, a tarifa do ônibus deverá ser reajustada na capital paranaense, medida que vai privilegiar o transporte individual ente o público; na França, as cidades de Paris, Caen e Rouen oferecem transporte gratuito em ônibus, trem, metrô e até bicicletas de graça para diminuir a circulação de carros e, consequentemente, a poluição nessas cidades; mas tem reação na terra das araucárias: Turma do Amendoim!, formada por velhos militantes e filiados do PT, promete incentivar protestos contra a Prefeitura; Curitiba não é Paris, mas é uma festa para os mafiosos.

Eu sei que Curitiba não é Paris nem fica na França, mas a comparação é um método fantástico de aferição de políticas públicas.

Para diminuir a poluição do ar, o transporte público em Paris e nas cidades de Caen e Rouen será gratuito. A intenção é diminuir o número de carros circulando pelas ruas.

Quase 3/4 do país está em estado de alerta pelo o que é considerado o pior nível de poluição desde 2007. Além do metrô, trem e ônibus, usar as bicicletas públicas também será de graça.

O nível de poluição em Paris chegou ao mesmo de Pequim, considerada a cidade mais poluída do mundo.

Curitiba segue na contramão da história. Enquanto se fala em transporte público gratuito no mundo para diminuir veículos nas ruas, aqui, outrora cantada em prosa e verso como “Cidade Ecológica”, privilegia o automóvel ao planejar novo reajuste na tarifa do ônibus.

Curitiba ainda é a cidade administrada pelas máfias: do lixo, do transporte, da multa eletrônica, do carro alugado, enfim, são os financiadores de campanhas eleitorais que detêm o mando político. O cidadão desavisado vota em um, mas elege os mesmos mafiosos de sempre.

Enquanto o mundo oferece transporte público gratuito e até bicicletas de graça para tirar carros de circulação, a capital paranaense prepara salgado aumento no preço do ônibus. As empresas concessionárias pedem 40 centavos de reajuste na tarifa técnica, que hoje é de R$ 2,93. Por conta de subsídios, o usuário paga na roleta R$ 2,70.

A “Turma do Amendoim”, grupo formado por veteranos filiados do PT, promete incentivar protestos de rua contra o prefeito Gustavo Fruet (PDT), caso a tarifa de ônibus seja mesmo reajustada.

Esses militantes do partido com mais idade, sob o estímulo da oleaginosa, pedem o cancelamento de seguro mensal de R$ 2 milhões (sem licitação há 20 anos), rompimento de contrato com concessionárias do transporte público e eliminação da planilha do Imposto de Renda que as empresas sonegam.

Paralelamente à  proposta do “Grupo do Amendoim”, o prefeito também estuda cortar repasse de R$ 800 mil mensais ao Sindimoc.

Curitiba não é Paris, mas é uma festa para os mafiosos.