50 anos: para jamais esquecer o golpe fascista-militar no Brasil; assista

Vários brasileiros tombaram lutando pelo restabelecimento das liberdades democráticas no Brasil; segmentos ultradireitistas, saudosos, pedem a volta do regime fascista-militar quando o golpe completa 50 anos; período das trevas, entre 64 e 85, foi marcado por prisões ilegais, torturas, assassinatos de oponentes aos golpistas; país pode rediscutir Lei de Anistia e há quem defenda a criminalização daqueles que fazem apologia à  ditadura; assista ao vídeo com documentário "15 filhos", que retrata como era a vida de filhos de guerrilheiros.

Vários brasileiros tombaram lutando pelo restabelecimento das liberdades democráticas no Brasil; segmentos ultradireitistas, saudosos, pedem a volta do regime fascista-militar quando o golpe completa 50 anos; período das trevas, entre 64 e 85, foi marcado por prisões ilegais, torturas, assassinatos de oponentes aos golpistas; país pode rediscutir Lei de Anistia e há quem defenda a criminalização daqueles que fazem apologia à  ditadura; assista ao vídeo com documentário “15 filhos”, que retrata como era a vida de filhos de guerrilheiros.

Eu não era nascido ainda, mas a História ensinou-me desde cedo que o golpe militar em 31 de março de 1964 manteve o Brasil nas trevas por 21 anos. “Os anos de chumbo” mesclaram participação de golpistas civis e militares nesse sombrio período de crimes contra a vida e à s liberdades individuais. Uma geração de inteligência foi exterminada nos porões de tortura, na censura ou foi eliminada fisicamente por fazer oposição ao regime fardado.

Concordo plenamente com a criminalização daqueles que fazem apologia à  ditadura militar, pois, se atentam contra a democracia, defendem golpes, são também contra os Direitos Humanos. Semana passada, alguns grupos ultradireitistas tiveram a pachorra de ir à s ruas pedindo a volta dos gorilas ao poder.

O Brasil ainda engatinha no amadurecimento de suas instituições. Assistimos recentemente, por exemplo, o Supremo Tribunal Federal (STF) invadindo as atribuições do Congresso Nacional, seja cassando mandatos eletivos, seja legislando no vácuo deixado pelos parlamentares. A Corte máxima também agiu politicamente ao perseguir, julgar e condenar adversários. A ação é digna de comparação ao Tribunal de Nuremberg — a Corte de exceção da Alemanha nazista.

Em um primeiro momento, o leitor poderá achar que estou defendendo o PT que teve seus membros julgados e condenados pelo STF. Pode até ser isso, mas o recente “alívio” do órgão em cima do mensalão tucano — no caso Azeredo — me dá razão nessas críticas.

Volto à  História. A ditadura militar produziu um dos períodos mais violentos e mais corruptos já vividos no país. Além de prender, torturar e matar opositores, o regime mantinha relações promíscuas com empresários e imprensa que lhes davam sustentação política. Em troca, o Estado lhes retribuía com negócios, obras e informações privilegiadas.

Os 50 anos do golpe militar é para que os brasileiros nunca se esqueçam dos crimes praticados entre 1964 e 1985. Concordo com o ex-presidente FHC: os militares devem pedido formal de desculpas. Mas faço uma observação: isto não significa que as punições devam ser deixadas para lá. Pelo contrário. A Lei da Anistia, de 1979, precisa ser revogada. Segundo o Datafolha, publicado hoje pelo jornal Folha de S. Paulo, 46% dos brasileiros defendem castigo aos torturadores e 41% são contra.

Abaixo, publico o documentário “15 filhos” de Maria Oliveira e Marta Nehring, que retrata os horrores e crimes praticados pela repressão militar no Brasil:

Comentários encerrados.