27 de março de 2014
por Esmael Morais
23 Comentários

Na esteira da CPI, àlvaro pode crescer no jogo e se cacifar para a vice de Aécio

CPI da Petrobras, protocolada hoje no Senado, pode alçar àlvaro Dias à  vice do tucano Aécio Neves à  presidência da República; governador do Paraná, Beto Richa, que vai à  reeleição, perderia um importante aliado; se a comissão de investigação render! à  oposição e ao senador tucano, como se imagina, a única vaga em disputa pelo Senado, no Paraná, sobraria para seu irmão Osmar Dias; deputado Valdir Rossoni, em nome do PSDB, teria coragem de enfrentar o pedetista?

CPI da Petrobras, protocolada hoje no Senado, pode alçar àlvaro Dias à  vice do tucano Aécio Neves à  presidência da República; governador do Paraná, Beto Richa, que vai à  reeleição, perderia um importante aliado; se a comissão de investigação render! à  oposição e ao senador tucano, como se imagina, a única vaga em disputa pelo Senado, no Paraná, sobraria para seu irmão Osmar Dias; deputado Valdir Rossoni, em nome do PSDB, teria coragem de enfrentar o pedetista?

O senador àlvaro Dias (PSDB-PR), como um Fênix, ressurge das cinzas com a criação da CPI da Petrobras. Coube a ele, hoje pela manhã, protocolar o requerimento de instalação da comissão com 28 assinaturas de senadores. A partir de agora, como é contra o governo Dilma Rousseff e contra a gestão do PT, o tucano será figura fácil nos telejornais e jornalões da velha mídia. ... 

Leia mais

27 de março de 2014
por Esmael Morais
26 Comentários

STF manda Azeredo para 1!ª instância e alivia mensalão tucano

247, com Agência Brasil
A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votou nesta quinta-feira 27 a favor de que o julgamento da Ação Penal 536, o processo do mensalão tucano, seja julgado pela Justiça Federal de Minas Gerais. No processo, o ex-deputado federal Eduardo Azeredo (PMDB-MG) é investigado por desvio de dinheiro público durante a campanha pela reeleição ao governo estadual em 1998. Barroso é o relator do processo. Faltam os votos de dez ministros.

Em seu voto, o ministro relator, Luís Roberto Barroso, estabeleceu critérios gerais para evitar que a renúncia de agentes públicos que têm prerrogativa de foro provoquem a mudança de competência dos tribunais para julgar as ações penais. Segundo Barroso, após o recebimento da denúncia pelo Supremo, parlamentares serão julgados pelo STF, mesmo se renunciarem ao mandato. Ele ressaltou, no entanto, que as regras não podem ser aplicadas ao processo de Azeredo, por entender que as modificações na jurisprudência do STF devem ser válidas para casos futuros.

No voto, Barroso destacou também que a prerrogativa de foro, prevista pela Constituição Federal, apresenta disfuncionalidades, como o risco de prescrição das penas dos parlamentares que renunciam ao mandato para escapar do julgamento pelo Supremo. O ministro propôs a criação de varas especializadas para julgar ações penais e de improbidade administrativa contra autoridades que têm foro privilegiado, como ministros de Estado e parlamentares. A proposta retiraria do STF o julgamento exclusivo dos processos.

Eduardo Azeredo renunciou ao mandato parlamentar em fevereiro, após o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentar as alegações finais no processo, última fase antes do julgamento, pedindo a condenação do ex-deputado a 22 anos de prisão. Com a renúncia, Azeredo perdeu o foro privilegiado e o processo poderá ser remetido à  Justiça de primeira instância, atrasando o julgamento. No caso do ex-governador, o plenário vai avaliar se a renúncia teve a intenção de retardar o fim da ação penal. O plenário do STF analisa, na sessão desta tarde, uma questão de ordem apresentada pelo relator para decidir a questão.

Nas alegações finais, o procurador-geral da República disse que Azeredo atuou como “um maestro” no esquema, desviando recursos públicos em benefício próprio para financiar a campanha política. Janot ressaltou que a prática dos crimes só foi possível por meio de um esquema criminoso montado pelo publicitário Marcos Valério, condenado na Ação Penal 470, o proc Leia mais

27 de março de 2014
por Esmael Morais
9 Comentários

De olho em 2016, Mirian se abraça até com o direitoso Ney Leprevost

 Em evento marcado pela ausência de Fruet, a vice Mirian Gonçalves foi chamada de "prefeita" e se abraçou com o "vice" Ney Leprevost; deputado do PSD é conhecido pelos ataques que desfere da tribuna contra Cuba e Venezuela; Assembleia Legislativa realizou ontem sessão solene pelos 321 anos de Curitiba.


Em evento marcado pela ausência de Fruet, a vice Mirian Gonçalves foi chamada de “prefeita” e se abraçou com o “vice” Ney Leprevost; deputado do PSD é conhecido pelos ataques que desfere da tribuna contra Cuba e Venezuela; Assembleia Legislativa realizou ontem sessão solene pelos 321 anos de Curitiba.

O prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), não compareceu ontem (26) ao evento da Assembleia em homenagem aos 321 anos de Curitiba. A vice Mirian Gonçalves (PT) fez questão de marcar presença e recebeu as honrarias em nome do município que completa anos neste sábado 29. ... 

Leia mais

27 de março de 2014
por Esmael Morais
14 Comentários

Pelo Twitter, padre Reginaldo Manzotti jura que não entra na política

Pelo Twitter, padre Reginaldo Manzotti negou informações vindas de setores da Igreja Católica dando como certa sua entrada na disputa pela Assembleia Legislativa do Paraná; "Sobre ser candidato, sou PADRE e se morresse e nascesse de novo seria PADRE outra vez. Jamais me candidataria e deixaria função de sacerdote", tuitou; assessoria de Ratinho Júnior, presidente do PSC e secretário do Desenvolvimento Urbano, confirmou amizade com o religioso, mas também negou a candidatura.

Pelo Twitter, padre Reginaldo Manzotti negou informações vindas de setores da Igreja Católica dando como certa sua entrada na disputa pela Assembleia Legislativa do Paraná; “Sobre ser candidato, sou PADRE e se morresse e nascesse de novo seria PADRE outra vez. Jamais me candidataria e deixaria função de sacerdote”, tuitou; assessoria de Ratinho Júnior, presidente do PSC e secretário do Desenvolvimento Urbano, confirmou amizade com o religioso, mas também negou a candidatura.

Padre Reginaldo Manzotti, pelo Twitter, jurou de pés juntos que não disputará a Assembleia Legislativa do Paraná. O religioso é amigo do presidente estadual do PSC, Ratinho Júnior, secretário de Desenvolvimento Urbano. ... 

Leia mais

27 de março de 2014
por Esmael Morais
3 Comentários

“Não há mais o que fazer”, diz presidente do Senado ao anunciar instalação da CPI da Petrobras

da Agência SenadoO presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse, em entrevista, que vai conversar com os líderes dos partidos para encaminhar a leitura do requerimento e a posterior instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar suspeitas de má gestão e irregularidades na Petrobras.

Embora considere que, em ano eleitoral, uma CPI “mais atrapalha do que facilita a vida do Brasil”, o senador disse que “agora não há mais o que fazer”. Ele explicou que 28 senadores protocolaram requerimento pedindo a CPI, com fato determinado.

– Nós vamos marcar a data, fazer a conferência dos nomes e instalar a comissão – informou Renan, que apenas mencionou, como ressalva, a possibilidade de retirada de assinaturas até a meia-noite do dia em que o requerimento for lido em Plenário.

O requerimento foi protocolado na manhã desta quinta-feira (27) pelos senadores Alvaro Dias (PSDB-PR), Cyro Miranda (PSDB-GO) e Flexa Ribeiro (PSDB-PA). Agora, a Secretaria-Geral da Mesa fará a conferência das assinaturas e entregará o requerimento ao presidente do Senado, para que ele possa fazer a leitura no Plenário. Renan não tem, no entanto, um prazo regimental para esse procedimento.

– Eu pretendo fazer isso agora. Eu vou conversar por telefone e ver com eles, do ponto de vista do encaminhamento, da necessidade de nós instalarmos rapidamente, quando é que nós iremos fazer. E quando fizer a leitura, você tem até meia noite do dia da leitura para que os partidos coloquem ou retirem nomes !“ disse Renan.

O senador Alvaro Dias disse não acreditar que os colegas retirem suas assinaturas por pressão do governo. Para o senador do Paraná, seria uma desmoralização para quem desistir d Leia mais

27 de março de 2014
por Esmael Morais
37 Comentários

Ibope: aprovação do governo Dilma despenca 7 pontos; Lula vem aí?

com Brasil 247 O índice de aprovação ao governo da presidente Dilma Rousseff (PT) caiu para 36%, segundo pesquisa divulgada nesta quinta-feira 27 pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), que encomendou o levantamento ao Ibope.

Em dezembro passado, 43% dos entrevistados aprovavam a gestão da petista, uma queda de sete pontos percentuais. A mostra revela a avaliação da população brasileira em relação ao governo da presidente e a atuação de Dilma Rousseff.

A aprovação à  maneira de governar da presidente também caiu, de 56% para 51%, assim como o índice de confiança em Dilma Rousseff, de 52% para 48% – uma queda no limite da margem de erro.

A forte queda na aprovação de Dilma, com certeza, reanimará o movimento dentro do PT pelo “Volta, Lula”.

Abaixo, notícia da Reuters sobre a pesquisa:

Aprovação do governo Dilma tem primeira queda desde julho, diz CNI/Ibope

BRASàLIA, 27 Mar (Reuters) – A aprovação do governo da presidente Dilma Rousseff caiu 7 pontos percentuais em março, na primeira queda desde julho do ano passado, mostrou pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta quinta-feira.

O percentual dos que consideram o governo Dilma ótimo ou bom caiu para 36 por cento em março, ante 43 por cento em novembro do ano passado.

A aprovação pessoal de Dilma e a confiança na presidente também registraram a primeira queda desde julho de 2013, após a onda de manifestações que tomou as ruas do país, mostrou a pesquisa encomendado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O percentual dos que avaliam o governo como ruim ou péssimo subiu para 27 por cento, ante 20 por cento em novembro. Os que consideram o governo regular ficou em 36 por cento, ante 35 por cento.

O levantamento apontou ainda que 48 por cento dos entrevistados confiam na presidente, contra 52 por cento na pesquisa anterior.

A aprovação pessoal de Dilma ficou em 51 por cento, ante 56 por cento em novembro, ao passo que os que desaprovam a presidente somam agora 43 por cento, contra 36 por cento.

De acordo com o CNI/Ibope, em todas as áreas do governo pesquisadas houve piora na Leia mais

27 de março de 2014
por Esmael Morais
48 Comentários

“Greve dos professores e funcionários é inevitável”, confirma APP-Sindicato

Este blogueiro entrevistou na manhã desta quinta-feira, 26, o diretor de comunicação da APP-Sindicato, Luiz Paixão, sobre a assembleia geral dos educadores neste sábado, dia 29, a partir das 9 horas, na Sociedade Morgenau, em Curitiba.

Professor Paixão, como é conhecido o líder sindical, confirmou que a categoria vai aprovar greve por tempo indeterminado, mas disse que ainda há um dilema sobre a data para deflagrar o movimento nas 2,1 mil escolas da rede pública do Paraná.

“A greve dos professores e funcionários é inevitável porque o governo Beto Richa não nos deixou alternativa”, afirmou Paixão, que espera cerca de mil educadores de todo o estado na assembleia de sábado.

O leitor deste blog soube da disposição de os educadores paranaenses entrar em greve, em primeira mão, no dia 19 de março quando esta página relatou sobre o fracasso da “política do cafezinho” da APP-Sindicato (clique aqui para relembrar).

A última greve da educação ocorrida no Paraná foi em 2000, ainda no governo Jaime Lerner. Antes dessa houve a de 1988, no governo àlvaro Dias, hoje senador da República.

Flávio Arns deixará a SEED e pode escapar da greve

Na segunda-feira, 24, este blog também mostrou em primeira mão que o vice-governador Flávio Arns (PSDB) deixará o comando da Secretaria de Estado da Educação (SEED) para disputar as eleições de outubro. Ele tem até 5 de abril para se desincompatibilizar do cargo, caso contrário fica inelegível para concorrer à  Assembleia Legislativa ou mesmo à  reeleição de vice (clique aqui).

Diferente de 2010, quando o então candidato Beto Richa (PSDB) antecipou o nome de Arns para a Educação, visando conter boatos de que o senador àlvaro Dias assumiria a pasta, em 2014 dificilmente o governador o confirmará na vice, na chapa de reeleição, ou mesmo na SEED, caso seja reeleito.

Fato concreto é que, se a APP-Sindicato deflagrar a greve somente a partir de 7 de abril, Arns escapará incólume do desgaste que um movimento desse causa ao titular da Educação. Segundo uma fonte do blog no Palácio do Iguaçu, o vice deverá ser substituído na SEED pelo também tucano Paulo Schimidt.

Promessas não cumpridas pela dupla Arns/Richa

A própria presidenta da APP-Sindicato, Marlei Fernandes, após reunião no Palácio Iguaçu, na tarde do último dia 19, reconheceu que não houve avanço em nenhuma pauta da categoria. O comunicado da líder sindical, ao subir no caminhão de som, concomitante com um discurso do deputado Professor Lemos (PT), na Assembleia, deu a senha para o início do movimento paredista.

A pauta de reivindicações da APP-Sindicato consiste:

* Piso Salarial Profissional Nacional (PSPN);
* 33% de hora-atividade;
* Reajuste real para os funcionários;
* Porte das Escolas (fechamento de turmas);
* Fim da liberação do QPPE à  disposição de secretarias;
* Falta de Instrução sobre a Educação de Jovens e Adultos (EJA);
* Corte do auxílio-transporte dos educadores em licença médica;
* Divulgação resultado do Concurso do Magistério;
* Efetivação da hora-aula para professores da Educação Especial;
* Agilidade nas liberações dos educadores que tiveram seus pedidos de afasta Leia mais

27 de março de 2014
por Esmael Morais
14 Comentários

TJ Paraná livra Barbosa Neto de ação. Será que Gleisi agora tem um vice?

Nesta semana, o Tribunal de Justiça do Paraná excluiu Barbosa Neto da Ação de Improbidade relativa ao caso Antissepsia/Atlântico!; ao desvencilhar-se de denúncias provando sua inocência, ex-prefeito de Londrina viabiliza cada vez mais seu nome para a vice na chapa da senadora Gleisi Hoffmann; PDT também tem outros três nomes para a companhia da petista: Osmar Dias e os ex-prefeitos José Baka Filho e Paulo Mac Donald.

Nesta semana, o Tribunal de Justiça do Paraná excluiu Barbosa Neto da Ação de Improbidade relativa ao caso Antissepsia/Atlântico!; ao desvencilhar-se de denúncias provando sua inocência, ex-prefeito de Londrina viabiliza cada vez mais seu nome para a vice na chapa da senadora Gleisi Hoffmann; PDT também tem outros três nomes para a companhia da petista: Osmar Dias e os ex-prefeitos José Baka Filho e Paulo Mac Donald.

O atento jornalista Zé Otávio, em seu blog, do Blog do Esmael deste em Londrina, conta que o Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJPR) confirmou ontem a exclusão de Homero Barbosa Neto (PDT) do polo passivo da Ação de Improbidade relativa ao caso Antissepsia/Atlântico!. ... 

Leia mais

27 de março de 2014
por Esmael Morais
11 Comentários

Os 50 anos do golpe militar no Brasil: “A presidente falará esta noite?”

Breno Altman*, especial para o 247Quando amanhecer o dia 31 de março, o país estará tomado pela recordação de um fato dramático. Milhões de brasileiros lembrarão !“ e serão lembrados !“ dos 50 anos da deposição do presidente João Goulart por uma aliança cívico-militar que imporia a longa ditadura dos generais.

Muitos artigos, reportagens e entrevistas, nos mais diversos veículos de comunicação, resgatam episódios daquele período. Homens e mulheres da resistência contam a epopeia da luta antifascista e o terror da repressão. Até cúmplices e protagonistas do golpe de 1964, como é o caso de boa parte da velha mídia, vertem lágrimas de crocodilo pela usurpação cometida.

Aberrações também têm vez. Militares da reserva, e oxalá que apenas esses, celebram o feito e reincidem na elegia ao crime de lesa-pátria que orgulhosamente exibem em sua biografia. Pequenos grupos de reacionários sem farda igualmente mostram suas garras.

Milhares e milhares de cidadãos, no entanto, estarão à  espera que se pronuncie a voz de uma mulher. Uma valente militante contra a ditadura, que enfrentou tortura e prisão. Quis o destino que essa combatente, Dilma Vana Rousseff, viesse a ser presidente da República no cinquentenário do regime militar. Ela poderia, como representante maior do Estado, falar à  nação sobre aquela era sombria.

Um discurso breve e contundente, que permitisse ao país fechar cicatrizes do arbítrio, determinar responsabilidades históricas e anular o ultraje institucional que ainda permite, a torturadores e assassinos, esconder seus crimes ou reivindicá-los com galhardia. Talvez algo parecido com as palavras abaixo entrelaçadas:

“Brasileiros e brasileiras

Dirijo-me essa noite à  nação, como presidente da República e comandante-em-chefe das Forças Armadas, para falar de um momento trágico de nossa história. Refiro-me ao golpe militar de 1964, que chega hoje a seu cinquentenário.

Oficiais de então, aliados a setores antidemocráticos do parlamento e da sociedade civil, levaram os três ramos de nossas estruturas militares a romper com a Constituição e suas melhores tradições republicanas, impondo um regime de terror e arbítrio que durou 21 anos.

O presidente João Goulart, governante legal e legítimo, foi derrubado porque a política de reformas que implementava, a favor da distribuição de renda e riqueza, em defesa da independência nacional e do nosso desenvolvimento, contrariava interesses poderosos, aos quais se alinharam os generais que assaltaram o poder.

Os protagonistas dessa sedição cometeram crime de Estado. Governaram através do terror, pisotearam a democracia, censuraram a imprensa e reprimiram as organizações populares. São responsáveis por delitos de lesa-humanidade.

Cabe a mim, pelas funções institucionais que exerço, pedir desculpas à  nação, em nome das Forças Armadas, por estes fatos que mancham nossa história.

Quero comunicar que ordenei, através do Ministério da Defesa, a leitura de ordem do dia, em todos os quartéis, condenando os crimes da ditadura, proibindo qualquer Leia mais

27 de março de 2014
por Esmael Morais
53 Comentários

Coluna do Requião Filho: “Richa destrói microempresas, mas na propaganda vende Paraná como “Ilha da Fantasia””

Requião Filho, em sua coluna desta quinta, compara o governo Beto Richa com a série de tevê "Ilha da Fantasia", que fez sucesso até metade dos anos 80, onde a propaganda esconde a realidade; segundo o colunista, enquanto o tucano se bronzeia e joga vôlei na piscina, na Ilha da Fantasia, aumenta os impostos de micro e pequenas empresas, no mundo real; "Na época do Requião, o governo trocava impostos pela geração de empregos", recorda o advogado especialista em políticas públicas; "Beto Richa continua com maestria o que o lernismo começou: aniquilar o Paraná, a sua infraestrutura, as suas escolas, a sua memória técnica nas empresas e serviços públicos, enfim, destruir a economia do estado", diz Requião Filho; leia a íntegra do texto.

Requião Filho, em sua coluna desta quinta, compara o governo Beto Richa com a série de tevê “Ilha da Fantasia”, que fez sucesso até metade dos anos 80, onde a propaganda esconde a realidade; segundo o colunista, enquanto o tucano se bronzeia e joga vôlei na piscina, na Ilha da Fantasia, aumenta os impostos de micro e pequenas empresas, no mundo real; “Na época do Requião, o governo trocava impostos pela geração de empregos”, recorda o advogado especialista em políticas públicas; “Beto Richa continua com maestria o que o lernismo começou: aniquilar o Paraná, a sua infraestrutura, as suas escolas, a sua memória técnica nas empresas e serviços públicos, enfim, destruir a economia do estado”, diz Requião Filho; leia a íntegra do texto.

Requião Filho* ... 

Leia mais

Esmael Morais 2009-2019. O Blog do Esmael é liberto das excludentes convenções mercantis Copyright ©. O site não cobra pelos direitos autorais, portanto, pode e deve ser reproduzido no todo ou em parte, além de ser liberado para distribuição desde que preservado seu conteúdo e o nome do autor. | A política como ela é em tempo real.

Topo