Fruet estuda cortar da planilha repasse de R$ 800 mil/mês a Sindicato dos Motoristas e Cobradores

Publicado em 24 fevereiro, 2014
Compartilhe agora!

Gustavo Fruet quer eliminar da planilha de custos cerca de R$ 10 milhões repassados anualmente pelas empresas ao Sindicato dos Motoristas e Cobradores; segundo a Prefeitura de Curitiba, máfia dos ônibus faz cortesia com o chapéu alheio ao colocar valor na tarifa técnica; eliminação da gordura! da planilha poderia não só manter a tarifa congelada, mas baixar o preço em até R$ 0,10 para os usuários; trabalhadores ameaçam greve pela manutenção dos repasses, aumento nos salários e reajuste no vale-alimentação.
Gustavo Fruet quer eliminar da planilha de custos cerca de R$ 10 milhões repassados anualmente pelas empresas ao Sindicato dos Motoristas e Cobradores; segundo a Prefeitura de Curitiba, máfia dos ônibus faz cortesia com o chapéu alheio ao colocar valor na tarifa técnica; eliminação da gordura! da planilha poderia não só manter a tarifa congelada, mas baixar o preço em até R$ 0,10 para os usuários; trabalhadores ameaçam greve pela manutenção dos repasses, aumento nos salários e reajuste no vale-alimentação.
O Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Curitiba (Sindimoc) realiza amanhã, terça (25), à s 20 horas, na Praça Rui Barbosa, assembleia que poderá desencadear greve na categoria a partir de quarta (26). Os trabalhadores querem aumento acima da inflação e reajuste no valor do vale-alimentação.

Nos bastidores a briga é por muito mais. O prefeito Gustavo Fruet (PDT) mandou sua equipe estudar corte de repasse mensal de R$ 800 mil ao Sindimoc. Esse valor seria utilizado pela entidade para custear planos de saúde, mas é computado na tarifa técnica.

Portanto, as empresas concessionárias do transporte público transferem cerca de R$ 10 milhões ao ano para o Sindicato. A conta é apresentada na planilha de custos que é bancada pelo usuário do sistema. Uma espécie de cortesia com o chapéu alheio.

Para manter a tarifa congelada nos atuais R$ 2,70, segundo a Prefeitura de Curitiba, seriam precisos cerca de R$ 5 milhões por ano. Se o repasse ao Sindimoc for cortado, como estuda Fruet, a tarifa até poderia baixar R$ 0,10.

Até agora, a Prefeitura não falou em mexer nos lucros milionários das empresas de transporte. Na gestão Gustavo Fruet, essa turma da máfia dos ônibus ainda continua “imexível”. Por que será?

Compartilhe agora!

Comments are closed.