12 de fevereiro de 2014
por Esmael Morais
10 Comentários

“Novo ministro paranaense no STJ é ‘obra’ da Gleisi”, diz André Vargas

Deputado André Vargas atribui à  ministra Gleisi e a ele própria a indicação feita hoje do novo ministro do STJ, Néfi Cordeiro, pela presidenta Dilma; "Na verdade foi esforço coletivo do PT e do ministro Félix Fischer, presidente do STJ, e da Gleisi!, disfarça o petista; agora são três ministros do Paraná no STJ, pois Fischer e Sérgio Luiz Kukina também são da terra das araucárias.

Deputado André Vargas atribui à  ministra Gleisi e a ele própria a indicação feita hoje do novo ministro do STJ, Néfi Cordeiro, pela presidenta Dilma; “Na verdade foi esforço coletivo do PT e do ministro Félix Fischer, presidente do STJ, e da Gleisi!, disfarça o petista; agora são três ministros do Paraná no STJ, pois Fischer e Sérgio Luiz Kukina também são da terra das araucárias.

O deputado federal André Vargas (PT), vice-presidente da Câmara, em contato com o blog na noite desta quarta (12), afirmou que a indicação do paranaense Néfi Cordeiro para o cargo de ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) é “obra” ex-ministra da Casa Civil e atual senadora Gleisi Hoffmann (PT). ... 

Leia mais

12 de fevereiro de 2014
por Esmael Morais
10 Comentários

Black Blocs também conseguem um cadáver na Venezuela

Por Deisy Buitrago e Peter Murphy, da ReutersMilhares de simpatizantes e opositores do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, saíram à s ruas em todo o país nesta quarta-feira gritando frases de apoio ou crítica a seu governo, depois de dias de violentos protestos que deixaram pelo menos cinco feridos à  bala.

Testemunhas da Reuters disseram que um manifestante morreu nesta quarta-feira na capital, Caracas, supostamente após ser baleado na cabeça. O presidente da Assembleia Nacional afirmou que a vítima fatal era a favor do governo.

Houve manifestações oposicionistas, coloridas e com grande número de participantes em Caracas e nas cidades mais populosas do país petrolífero, com queixas contra o elevado custo de vida, a escassez de produtos e a insegurança, e pedindo a libertação de várias pessoas presas nos últimos dias.

Os partidários de Maduro se manifestaram pacificamente em Caracas, celebrando o dia da juventude em um ato que iria culminar com um pronunciamento do chefe de Estado.

“à‰ preciso fazer terapia para viver em Caracas”, dizia um cartaz levado por estudantes de psicologia. “Estou aqui para mostrar minha insatisfação com o governo. Estou descontente com a insegurança que nos subjuga”, disse Manuel González, estudante de 22 anos que caminhava rodeado de colegas com apitos, vuvuzelas e bandeiras.

Enquanto isso, em outro ponto de Caracas, milhares de simpatizantes de Maduro celebravam o dia da juventude, em comemoração a uma batalha da independência no século 19 que contou com uma forte participação de estudantes.

“Nós somos jovens revolucionários, lado a lado com nosso governo venezuelano”, disse uma moça vestida de vermelho, a cor do governista Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV).

As marchas não se encontraram em nenhum ponto e transcorreram em paz, apesar de muita gente ter preferido não sair de casa, temendo atos violentos.

Nas últimas semanas, g Leia mais

12 de fevereiro de 2014
por Esmael Morais
15 Comentários

Gustavo Fruet dá início à  primeira reforma no secretariado

O ex-deputado Paulo Maia perdeu a titularidade da Secretaria Extraordinária de Relações Institucionais, mas continua na assessoria de Fruet com cargo simbologia S2; mudança no primeiro escalão dá início à  primeira reforma no secretariado do prefeito de Curitiba; Paulo Vítola, interventor na Comunicação, tem 30 dias para apresentar um plano de ação na pasta; outros secretários deverão deixar seus cargos porque pretendem disputar a Câmara ou a Assembleia.

O ex-deputado Paulo Maia perdeu a titularidade da Secretaria Extraordinária de Relações Institucionais, mas continua na assessoria de Fruet com cargo simbologia S2; mudança no primeiro escalão dá início à  primeira reforma no secretariado do prefeito de Curitiba; Paulo Vítola, interventor na Comunicação, tem 30 dias para apresentar um plano de ação na pasta; outros secretários deverão deixar seus cargos porque pretendem disputar a Câmara ou a Assembleia.

O ex-deputado Paulo Maia, aliado de Professor Picler, ex-guru do PDT de Curitiba, não é mais o Secretário Extraordinário de Relações Institucionais.  ... 

Leia mais

12 de fevereiro de 2014
por Esmael Morais
8 Comentários

Marcha do MST em Brasília acua STF, que suspende sessão por 1 hora

do Brasil 247
O Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) reúne na tarde desta quarta-feira 12 cerca de 20 mil manifestantes na Praça dos Três Poderes, em um dos maiores protestos do movimento nos últimos tempos. Houve confronto com a polícia, que explodiu bombas de efeito moral contra manifestantes que levavam paus e derrubaram grades de proteção. Há feridos dos dois lados.

O ato teve como ponto de partida o acampamento do grupo no Estádio Nilson Nelson e parada no Ministério da Educação, onde os militantes pediram melhorias em relação à s escolas rurais e entregaram carta ao ministro José Henrique Paim (leia matéria abaixo). A multidão passou em frente à  embaixada americana e seguiu para o Supremo Tribunal Federal (STF), que suspendeu a sessão do dia alegando falta de segurança e temendo inclusive uma invasão. A sessão já foi retomada.

A Polícia Militar faz um esquema especial para controlar o trânsito por conta do protesto e 150 policiais do Exército ajudam na segurança do local. Sem-terra participam desde segunda-feira, em Brasília, do 6!º Congresso Nacional, que marca os 30 anos do movimento. A abertura do evento, que se prolonga até a próxima sexta-feira, foi marcada por críticas ao governo Dilma Rousseff.

“O governo Dilma é sustentado por uma ampla aliança, que inclui setores do agronegócio que impedem o avanço da reforma agrária”, disse Diego Moreira, membro da direção nacional do MST. Segundo ele, “há retrocesso na desapropriação de terras” (leia mais aqui). Abaixo, reportagem da Agência Brasil sobre o protesto no MEC:

Sem-terra protestam por mais e melhores escolas no campo

Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil – Após duas horas de protesto, integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra Leia mais

12 de fevereiro de 2014
por Esmael Morais
15 Comentários

Requião: Se dependesse da Gleisi, o presidente seria o Serra!; ouça o áudio

Com a língua afiadíssima, nesta quarta (12), o senador Roberto Requião acusou sua colega de parlamento, Gleisi Hoffmann, de ter feito o jogo da direita nas eleições de 2010; segundo o peemedebista, por causa da infidelidade da petista, a Dilma perdeu feio no Paraná!; ao ser inquirido sobre o governo Richa fuzilou: Um desastre. levou um pito num bar esses dias, porque estava bebendo cerveja e dirigindo motocicleta!; àlvaro Dias é um opositor desesperado!, cutucou; Requião também foi convocado a opinar sobre Fruet, Eduardo Campos, Dilma e Aécio; ouça o áudio.

Com a língua afiadíssima, nesta quarta (12), o senador Roberto Requião acusou sua colega de parlamento, Gleisi Hoffmann, de ter feito o jogo da direita nas eleições de 2010; segundo o peemedebista, por causa da infidelidade da petista, a Dilma perdeu feio no Paraná!; ao ser inquirido sobre o governo Richa fuzilou: Um desastre. levou um pito num bar esses dias, porque estava bebendo cerveja e dirigindo motocicleta!; àlvaro Dias é um opositor desesperado!, cutucou; Requião também foi convocado a opinar sobre Fruet, Eduardo Campos, Dilma e Aécio; ouça o áudio.

O senador Roberto Requião (PMDB) voltou a dizer nesta quarta (12), em entrevista ao repórter Velozo Santos, no programa Cozinhando o Galo! (98,3 FM), que Beto Richa (PSDB) quebrou o Paraná. Ele listou uma série de fornecedores que não recebem há pelos serviços prestados. ... 

Leia mais

12 de fevereiro de 2014
por Esmael Morais
24 Comentários

Governo e deputados são os verdadeiros responsáveis pela falta de água no Paraná

De repente, não mais que de repente, eis que o Paraná grita pela falta de água nas torneiras.

Os jornais do interior registram a escassez do precioso líquido, mas não ousam apontar a verdadeira causa: a privatização da Sanepar.

Outrora companhia de água e esgoto mais eficiente do país agora se esmera em praticar tarifas mais caras do mundo e remeter lucros e mais lucros ao sócio privado Grupo Dominó!.

Querem os verdadeiros culpados pelo racionamento e rodízio nas cidades do estado?

Eu lhes dou: estão bem ali na Assembleia Legislativa, no Centro Cívico. São os deputados estaduais que aprovaram a transferência de ações da empresa para mãos privadas, por 32 votos a 16, no dia 11 de setembro de 2013.

Como ao capital interessa sóis o lucro também é natural! que ele tenha deixado de investir em infraestrutura, na captação, no tratamento e na distribuição da água aos paranaenses.

Quem acreditou na existência do capitalismo mais humano! caiu do cavalo.

Privatização é coisa do demônio.

E é exatamente isso que o vereador Antônio Laroca (PDT), de Ponta Grossa, nos Campos Gerais, poderá descobrir se se aprofundar nas investigações na Câmara.

Outro político pontagrossense, o ex-vereador João Barbiero (PV), relatada que o Procon quer taxa mínima por causa da suspensão do fornecimento da água no município.

Dos 49 parlamentares presentes na sessão da Assembleia do dia 11 de setembro do ano passado, 32 votaram pela privatização da estatal de água esgoto. Dezesseis disseram não à  privatização.

Veja abaixo quem votou favorável à  privatização da Sanepar:

01- Adelino Ribeiro(PSL)
02- Ademar Traiano (PSDB)
03- Ademir Bier (PMDB)
04- Alceu Maron Filho (PSDB)
05- Alexandre Curi (PMDB)
06- André Bueno (PDT)
07- Belinati (PP)
08- Bernardo Ribas Carli (PSDB)
09- Cantora Mara Lima (PSDB)
10- Dr. Batista (PMN)
11- Duílio Genari (PP)
12- Elio Ruch (DEM)
13- Fernando Scanavaca (PDT)
14- Francisco Bà¼hrer (PSDB)
15- Jonas Guimarães (PMDB)
16- Luiz Accorsi (PSDB)
17- Lui Carlos Martins (PSD)
18- Mauro Moraes (PSDB)
19- Nelson Garcia (PSDB)
20- Nelson Justus (DEM)
21- Ney Leprevost (PSD)
22- Paranhos (PSC)
23- Pastor Edson Praczyk (PRB)
24- Pedro Lupion (DEM)
25- Plauto Miró (DEM)
26- Rasca Rodrigues (PV)
27- Roberto Aciolli (PV)
28- Rose Litro (PSDB)
29- Stephanes Junior (PMDB)
30- Tercílio Turini (PPS)
31- Teruo Kato (PMDB)
32- Wilson Quinteiro (PSB)

Clique aqui para ler o relatório do painel eletrônico da Assembleia Legislativa do Paraná.

Leia mais

12 de fevereiro de 2014
por Esmael Morais
36 Comentários

à€s lágrimas, Richa desabafa: apesar de Gleisi, liminar garantiu empréstimo de R$ 817 milhões ao PR

Segundo fonte no Palácio Iguaçu, Beto Richa foi à s lágrimas quando soube da liminar do STF que liberou R$ 817 milhões de empréstimo do Proinveste ao PR; nas redes sociais, sem citar o nome de Gleisi, o governador desabafou: "A injustiça, que vinha sendo imposta por obstáculos políticos colocados pelos adeptos do quanto pior melhor, foi reparada"; líder do governo tucano na Assembleia, deputado Ademar Traiano, em sua coluna de hoje, nominou a senadora do PT como "entrave" aos interesses do estado; estranhamente, os tucanos têm poupado o senador Roberto Requião (PMDB); pelo que se tem notícia, é o peemedebista que tem exigido garantias e explicações do governo do PSDB sobre os empréstimos e não Gleisi Hoffmann; afinal, por que Traiano e Richa tratam com "carinho" o ex-governador e tratam na "pancada" a moça do PT? Por quê?

Segundo fonte no Palácio Iguaçu, Beto Richa foi à s lágrimas quando soube da liminar do STF que liberou R$ 817 milhões de empréstimo do Proinveste ao PR; nas redes sociais, sem citar o nome de Gleisi, o governador desabafou: “A injustiça, que vinha sendo imposta por obstáculos políticos colocados pelos adeptos do quanto pior melhor, foi reparada”; líder do governo tucano na Assembleia, deputado Ademar Traiano, em sua coluna de hoje, nominou a senadora do PT como “entrave” aos interesses do estado; estranhamente, os tucanos têm poupado o senador Roberto Requião (PMDB); pelo que se tem notícia, é o peemedebista que tem exigido garantias e explicações do governo do PSDB sobre os empréstimos e não Gleisi Hoffmann; afinal, por que Traiano e Richa tratam com “carinho” o ex-governador e tratam na “pancada” a moça do PT? Por quê?

O governador Beto Richa (PSDB), pelo Facebook, comemorou nesta quarta (12) liminar concedida pelo ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), que libera empréstimo de R$ 817 milhões do Programa de Apoio ao Investimento de Estados e do Distrito Federal (Proinveste). ... 

Leia mais

12 de fevereiro de 2014
por Esmael Morais
25 Comentários

Barbosa agiu fora da lei. Qual senador terá coragem de pedir impeachment?

do Brasil 247
Como uma sociedade pode reagir quando um juiz desrespeita a lei? Pior: o que fazer quando quem age dessa maneira é o próprio chefe do Poder Judiciário, que deveria ser seu guardião máximo? O remédio, previsto na Constituição, é um pedido de impedimento, analisado e conduzido pelo Senado Federal.

No caso de Joaquim Barbosa, presidente do STF, essa providência já deveria ter sido tomada há muito tempo. No último dia 15 de novembro, no feriado da República, ele se valeu do simbolismo da data para promover um festival de ilegalidades, encarcerando em regime fechado réus condenados ao semiaberto. Mereceu, em resposta, uma nota de repúdio assinada por juristas, advogados e intelectuais (leia mais “Juristas e intelectuais gritam contra AI-5 de JB”). Um dos signatários desse documento, o jurista Celso Bandeira de Mello, já havia defendido o impeachment de Barbosa.

Ontem, no entanto, o presidente do STF, que pode estar se preparando para uma candidatura presidencial, numa flagrante falta de decoro em relação ao cargo, ultrapassou todos os limites. Ao revogar decisões monocráticas do ministro Ricardo Lewandowski, tomadas durante suas férias na Europa com direito a diárias pagas pelo STF, ele feriu o próprio regimento interno da suprema corte. Barbosa foi de encontro ao que determina o artigo 317 do regimento. Segundo esse artigo, nenhuma decisão tomada por outro ministro de forma monocrática pode ser revogada também de maneira individual por meio de agravo de instrumento. Isso somente ocorreria em decisão das turmas ou mesmo do plenário do Supremo Tribunal Federal. A possibilidade de um ministro derrubar uma decisão de outro, por meio de agravo, só poderia ser admitida, conforme o regimento interno, após a opinião do ministro que tomou a decisão originária, o que não aconteceu neste caso.

Em sua decisão, Barbosa alegou que Lewandowski não havia ouvido o Ministério Público sobre a questão relacionada ao pedido de trabalho de José Dirceu. Na verdade, foi o próprio Barbosa quem usurpou os poderes do MP, uma vez que a Procuradoria-Geral da República não recorreu da decisão de Lewandowski, o que significa, portanto, que concordou com ela. Relembre-se, ainda, que Lewandowski não autorizou Dirceu a trabalhar, apenas determinou que a Vara de Execuções Penais do Distrito Federal analisasse seu pedido, uma vez que uma questão anterior, sobre suposto uso de celular na Papuda, negado por sindicância interna, havia sido superada.

Com a decisão de ontem, portanto, Barbosa agiu como re Leia mais

12 de fevereiro de 2014
por Esmael Morais
3 Comentários

Veja essa: em artigo, Delfim Netto elogia privatizações de Gleisi

Em sua coluna semanal no jornal Folha de S. Paulo, o economista Delfim Netto, conhecido pela célebre frase segunda qual “é preciso crescer o bolo para depois repartir”, quando ministro da ditadura militar, rasgou elogios à  atuação de Gleisi Hoffmann na Casa Civil.

Delfim destacou hoje a alegria do setor privado com as privatizações conduzidas pela ex-ministra e ainda cutucou a cultura do estatismo do PT, que, na opinião do colunista, Gleisi combateu em nome da “entrega de resultado” das organizações.

A seguir, leia a íntegra da coluna de Delfim Netto publicada nesta quarta no jornal Folha de S. Paulo:

ANTONIO DELFIM NETTO

Gleisi

Gleisi Hoffmann reassumiu sua cadeira no Senado depois de ter se desincumbido muito bem de suas funções na espinhosa Casa Civil. Testemunhos de importantes interlocutores do setor privado são a prova de que sua inteligência e seu comportamento foram importantes para melhorar suas relações com o governo.

O sucesso dos recentes processos de concessões deve muito à  sua ação e à  dos ministros Mantega e César Borges, no convencimento dos potenciais concorrentes de que a defesa da “mocidade tarifária”, na transferência de monopólios públicos para o setor privado, estava longe de ser o desejo ideológico de construir um “capitalismo sem lucro”.

Numa entrevista concedida à  competente jornalista Débora Bergamasco, publicada no domingo pelo jornal “O Estado de S. Paulo”, Gleisi revela, por um lado, humildade e coragem e, por outro, que captou as dificuldades da administração pública que o PT ainda não entendeu. Por conta da humildade, temos sua réplica à  pergunta “por que as respostas do governo são lentas?” Diz ela: “porque dependem da articulação das três esferas da Federação e de vários órgãos”.

E acrescenta sem rebuços: “Claro que eu gostaria que tivesse maior celeridade. Claro que se eu tivesse, no início, a experiência e o conhecimento que tenho agora, acho que eu teria conseguido fazer isso”.

Mais importante é a sua corajosa reflexão em resposta à  pertinente, mas incômoda, pergunta da arguta jornalista: “Qual é a maior dificuldade do governo em fazer o Brasil andar?” Vale a pena transcrever, para iluminar alguns ideólogos das Leia mais

12 de fevereiro de 2014
por Esmael Morais
12 Comentários

Requião no “Cozinhando o Galo”; ouça

Em entrevista ao vivo no programa Cozinhando o Galo!, Requião aponta metralhadora em direção a Gleisi e Richa; sobre o presidente estadual do PMDB, Osmar Serraglio, senador foi taxativo: "não tem peso nenhum; ele quer ser vice do Richa porque não se elege mais deputado federal!; senador peemedebista poupou o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet: é um homem sério!.

Em entrevista ao vivo no programa Cozinhando o Galo!, Requião aponta metralhadora em direção a Gleisi e Richa; sobre o presidente estadual do PMDB, Osmar Serraglio, senador foi taxativo: “não tem peso nenhum; ele quer ser vice do Richa porque não se elege mais deputado federal!; senador peemedebista poupou o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet: é um homem sério!.

O senador Roberto Requião (PMDB), neste exato momento, concede entrevista ao vivo ao repórter Velozo Santos, na Rádio Cidade Industrial FM 83,1, de Curitiba. ... 

Leia mais

12 de fevereiro de 2014
por Esmael Morais
67 Comentários

Coluna do Ademar Traiano: “A alma dolorida e a cara de pau da petista Gleisi Hoffmann”

Ademar Traiano, em sua coluna desta semana, afirma que o comportamento de Gleisi Hoffmann é patológico quando ela diz que "dói minha alma" as dificuldades financeiras do Paraná; segundo o colunista, a petista é a principal responsável pelo travamento de empréstimos e perseguição política ao estado; para ele, trata-se atitude cínica e descomunal cara de pau!; "... até as cobras que rastejam pelo Parque Nacional do Iguaçu sabem que os problemas do estado decorrem da perseguição implacável movida pela própria Gleisi e pelos ministros petistas paranaenses", repete o ideólogo de Beto Richa; o líder do governo na Assembleia também destaca o "surto raivoso" da senadora contra Eduardo Campos, a quem ela classificou de oportunista, hipócrita e ingrato! pelo fato de o governador pernambucano não ser submisso ao governo federal; "Os paranaenses devem avaliar se Gleisi tem credenciais para pleitear o governo do Paraná, depois de passar três anos empenhada, dia e noite, em causar prejuízos ao nosso estado", prega o tucano.

Ademar Traiano, em sua coluna desta semana, afirma que o comportamento de Gleisi Hoffmann é patológico quando ela diz que “dói minha alma” as dificuldades financeiras do Paraná; segundo o colunista, a petista é a principal responsável pelo travamento de empréstimos e perseguição política ao estado; para ele, trata-se atitude cínica e descomunal cara de pau!; “… até as cobras que rastejam pelo Parque Nacional do Iguaçu sabem que os problemas do estado decorrem da perseguição implacável movida pela própria Gleisi e pelos ministros petistas paranaenses”, repete o ideólogo de Beto Richa; o líder do governo na Assembleia também destaca o “surto raivoso” da senadora contra Eduardo Campos, a quem ela classificou de oportunista, hipócrita e ingrato! pelo fato de o governador pernambucano não ser submisso ao governo federal; “Os paranaenses devem avaliar se Gleisi tem credenciais para pleitear o governo do Paraná, depois de passar três anos empenhada, dia e noite, em causar prejuízos ao nosso estado”, prega o tucano.

Ademar Traiano* ... 

Leia mais