Borghetti nega que esteja foragido na Itália ao lado de Pizzolato

Polícia emite mandado de prisão contra Juliano Borghetti pelo envolvimento na briga durante jogo entre Atlético e Vasco, em Joinville; ele não foi encontrado em casa nesta quinta (19); considerado foragido pela Justiça, ex-vereador de Curitiba emitiu nota oficial desmentindo boatos nas redes sociais de que estaria foragido na Itália ao lado do mensaleiro Henrique Pizzolato; recentemente, a deputada ítalo-brasileira Renata Bueno, sua ex-esposa, iniciou uma caçada no país da velha bota ao ex-diretor de marketing do Banco do Brasil.

Polícia emite mandado de prisão contra Juliano Borghetti pelo envolvimento na briga durante jogo entre Atlético e Vasco, em Joinville; ele não foi encontrado em casa nesta quinta (19); considerado foragido pela Justiça, ex-vereador de Curitiba emitiu nota oficial desmentindo boatos nas redes sociais de que estaria foragido na Itália ao lado do mensaleiro Henrique Pizzolato; recentemente, a deputada ítalo-brasileira Renata Bueno, sua ex-esposa, iniciou uma caçada no país da velha bota ao ex-diretor de marketing do Banco do Brasil.

Em nota oficial, emitida na manhã desta quinta (19), o ex-vereador Juliano Borghetti negou com veemência que esteja foragido na Itália em virtude de uam ordem de prisão expedida pela polícia.

O ex-superintendente da PR Projetos, antiga EcoParaná, e ex-vereador, Juliano Borghetti, teve a prisão decretada pela Justiça na Operação Cartão Vermelho, promovida pelas Polícias do PR, SC e Rio de Janeiro na manhã desta quinta-feira (19).

Borghetti participou do confronto na Arena Joinville no dia 8 de dezembro, no jogo entre Atlético Paranaense e Vasco, que deixou quatro torcedores feridos. Por causa da confusão, o governador Beto Richa (PSDB) o demitiu do cargo na PR Projetos.

Nas redes sociais, circulou esta manhã o boato de que Borghetti estaria na Itália porque sua ex-esposa, Renata Bueno, também ex-vereadora na capital paranaense e hoje deputada no parlamento italiano, mora em Roma.

Recentemente, Renata promoveu uma caçada ao ex-diretor de marketing do Banco do Brasil, Henrique Pizzolatto, condenado à  prisão no processo do mensalão (clique aqui).

A seguir, leia a íntegra da nota do ex-vereador curitibano.

Nota de Juliano Borghetti

Ao contrário do divulgado na imprensa estou na minha residência em Curitiba e vou me apresentar à  Polícia Civil do Paraná para prestar esclarecimentos sobre os acontecimentos do dia 8 de dezembro na Arena Joinville.

Refuto a informação de que estaria foragido e de que teria viajado para a Itália. Sempre estive à  disposição das autoridades para esclarecer a minha participação no ocorrido.

Acrescento ainda que o advogado Cláudio Dalledone está em contato com as autoridades.

Att,
Juliano Borghetti

Comentários encerrados.