14 de dezembro de 2013
por Esmael Morais
18 Comentários

Veja aborda caixa 2 para tentar virar o jogo no STF e manter financiamento de empreiteiras nas campanhas

do Brasil 247 O ativismo político da revista Veja produziu mais uma capa. Neste fim de semana, a principal reportagem da revista semanal da Editora Abril, assinada pelos repórteres Alana Rizzo, Daniel Pereira e Rodrigo Rangel, é dedicada ao empresário paulista Adir Assad, que seria o “rei dos laranjas”.

De acordo com a reportagem de Veja, Assad teria recebido cerca de R$ 1 bilhão de grandes empreiteiras, emitindo notas fiscais de empresas que, em tese, seriam subcontratadas por elas, sem prestar os serviços. O motivo seria simples: por meio de Assad, as empreiteiras disfarçariam as propinas e as doações ilegais feitas a políticos.

Nesse esquema, os principais doadores seriam a Delta Engenharia, do empresário Fernando Cavendish, que teria transferido R$ 440 milhões para Adir Assad, a Andrade Gutierrez, de Sergio Andrade, que teria destinado R$ 110 milhões, e a Galvão Engenharia, de Dario Galvão, com R$ 62 milhões.

A reportagem de Veja, no entanto, não aponta os beneficiários. Apenas insinua que o caso contribuiu para enterrar a CPI do Cachoeira, porque atingiria o governo de Sergio Cabral, no Rio de Janeiro, o PMDB fluminense, o PT paulista e diversos partidos.

Nesse sentido, a reportagem entrega menos do que promete na capa, quando anuncia: “O rei dos laranjas – Como Adir Assad ajudou grandes empresas brasileiras a repassar 1 bilhão de reais em propinas a políticos e caixa dois de campanhas eleitorais”.

Ou seja: quem tiver a ilusão de encontrar os beneficiários do esquema das empreiteiras, não os encontrará na reportagem de Veja.

No entanto, ela foi publicada com destaque porque tem outra finalidade: ajudar a virar o jogo, no Supremo Tribunal Federal, na ação proposta pela Ordem dos Advogados do Brasil contra o financiamento privado de campanhas políticas. Quatro ministros !“ Joaquim Barbosa, Luiz Fux, Dias Toffoli e Luís Roberto Barroso !“ já votaram contra doações de empresas.

A reportagem de Veja termina com um pequeno editorial a respeito. “A engenharia financeira comandada pelo empresário não é um caso isolado no país. São variados, e multipartidários, os esquemas de pagamento de propina e financiamento ilegal de campanhas. Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar uma ação direta de inconstitucionalidade, ajuizada pela OAB, que pretende proibir a doação de empresas a partidos e candidatos. à€ primeira vista, o recurso é meritório”, diz o texto.

Em seguida, Veja prevê efeitos colaterais e prejuízos de natureza pol Leia mais

14 de dezembro de 2013
por Esmael Morais
8 Comentários

Coluna do Ricardo Gomyde: “Xô, violência no futebol. Paz nos estádios!

Cadeia para os brigões. à‰ isso que defende Ricardo Gomyde em sua coluna deste sábado; diretor de Futebol do Ministério do Esporte, ele defende rigor nas punições individuais aliadas a sanções aos clubes; colunista lamenta cenas de violência na última rodada do Campeonato Brasileiro, entre Vasco e Atlético Paranaense, e diz que pancadaria reflete na imagem do país no exterior à s vésperas da Copa do Mundo; especialista em políticas de inclusão social, Gomyde descreve as medidas anunciadas esta semana contra a violência nos estádios; leia o texto.

Cadeia para os brigões. à‰ isso que defende Ricardo Gomyde em sua coluna deste sábado; diretor de Futebol do Ministério do Esporte, ele defende rigor nas punições individuais aliadas a sanções aos clubes; colunista lamenta cenas de violência na última rodada do Campeonato Brasileiro, entre Vasco e Atlético Paranaense, e diz que pancadaria reflete na imagem do país no exterior à s vésperas da Copa do Mundo; especialista em políticas de inclusão social, Gomyde descreve as medidas anunciadas esta semana contra a violência nos estádios; leia o texto.

por Ricardo Gomyde* ... 

Leia mais