8 de dezembro de 2013
por Esmael Morais
50 Comentários

De olho no governo do Paraná e em busca de holofote, àlvaro Dias tabela com Veja contra Lula e PT

"Quero Tuma Jr. no Roda Viva e no Congresso Nacional, colocando as cartas na mesa", pede o senador do PSDB, pelo Twitter; "O passado de Lula, a fábrica de dossiês do governo, o mensalão, a morte de Celso Daniel como crime político são esqueletos ainda não retirados totalmente do armário de crimes dos últimos anos", acrescenta o tucano, sobre as revelações feitas no novo livro do ex-secretário Nacional de Justiça; líder do DEM, deputado Ronaldo Caiado (GO) disse que apresentará requerimento convidando Romeu Tuma Júnior a depor na Câmara amanhã para levar os documentos que possui; coincidência ou não com a radicalização contra o PT e Lula, na semana que passou, àlvaro Dias foi bastante lembrado para substituir Beto Richa na disputa pelo Palácio Iguaçu; o correligionário tucano se enfiou em uma crise financeira e moral sem precedentes na história do estado do Paraná.

“Quero Tuma Jr. no Roda Viva e no Congresso Nacional, colocando as cartas na mesa”, pede o senador do PSDB, pelo Twitter; “O passado de Lula, a fábrica de dossiês do governo, o mensalão, a morte de Celso Daniel como crime político são esqueletos ainda não retirados totalmente do armário de crimes dos últimos anos”, acrescenta o tucano, sobre as revelações feitas no novo livro do ex-secretário Nacional de Justiça; líder do DEM, deputado Ronaldo Caiado (GO) disse que apresentará requerimento convidando Romeu Tuma Júnior a depor na Câmara amanhã para levar os documentos que possui; coincidência ou não com a radicalização contra o PT e Lula, na semana que passou, àlvaro Dias foi bastante lembrado para substituir Beto Richa na disputa pelo Palácio Iguaçu; o correligionário tucano se enfiou em uma crise financeira e moral sem precedentes na história do estado do Paraná.

Na semana em que foi lembrado para substituir Beto Richa na disputa pelo governo do Paraná (clique aqui para relembrar), o senador àlvaro Dias radicaliza o discurso contra o PT. à‰ a busca pelo holofote e do retorno ao Palácio Iguaçu, 25 anos depois. ... 

Leia mais

8 de dezembro de 2013
por Esmael Morais
8 Comentários

Gleisi Hoffmann: “Definição sobre eleição e conversa sobre campanha cabem a 2014”

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, pré-candidata ao governo do Paraná pelo PT, em entrevista à  repórter Juliana Braga, do G1 Brasília, neste domingo (8), afirmou que a definição sobre eleição e conversa sobre campanha cabem a 2014, não agora!.

Os próprios dirigentes e militantes petistas têm especulado no Paraná a possibilidade de Gleisi “pipocar” no processo eleitoral de 2014, embora a agenda da ministra tenha sido vitaminada no estado nas duas últimas semanas.

O presidente do PT do Paraná, deputado estadual Enio Verri, reempossado ontem (7) em Curitiba, em seu informe, disse que a agenda de Gleisi será intensificada a partir de janeiro de 2014.

A falta de assertividade da ministra tem dado margem a essas especulações. O senador Roberto Requião (PMDB), por exemplo, na semana passada, avaliava que a petista poderia “amarelar”. O senador, que já governo o estado por três ocasiões, citou uma fonte ligada à  presidenta Dilma.

Nessa guerra de informação e contrainformação na trincheira de oposição ao governador Beto Richa (PSDB), o PT ofereceu a vice na chapa de Gleisi ao PMDB. Furioso, Requião deu o troco oferecendo a sua vice para o PT.

A seguir, a íntegra da reportagem sobre Gleisi no G1 Brasília:

Prestes a deixar Casa Civil, Gleisi diz que superou ‘pouca experiência’

Em entrevista ao G1, ministra fez balanço de sua atuação no governo.
Auxiliar de Dilma Rousseff é potencial candidata ao governo do Paraná.

Juliana Braga
Do G1, em Brasília

à€ frente da Casa Civil da Presidência da República desde junho de 2011, a ministra Gleisi Hoffmann se prepara para deixar o posto. Para concorrer ao governo do Paraná, ela deve sair na reforma ministerial que a presidente Dilma Rousseff pretende promover no início do ano que vem. Pela legislação, ministros têm de deixar o cargo seis meses antes da eleição.

Gerente de programas estratégicos da administração federal, Gleisi fez ao G1 um balanço dos dois anos e meio em que tem comandado uma das principais pastas da Esplanada dos Ministérios. Ela lamentou ter assumido o cargo com pouca experiência!.

Me ressinto de várias questões que poderia ter feito de forma melhor [na Casa Civil]. Talvez, a que eu mais me ressinto é a pouca experiência que tinha quando entrei para exercer o cargo. Pouca experiência na esfera federal, em um posto com essa dimensão”, afirmou a ministra ao G1.

Eleita em 2010 para seu primeiro mandato como senadora pelo Paraná, Gleisi assumiu a Casa Civil na esteira de um escândalo que derrubou o então titular da pasta, Antonio Palloci, que era considerado o homem Leia mais

8 de dezembro de 2013
por Esmael Morais
8 Comentários

Depois do PPL, Eduardo Campos agora recebe apoio do PPS

PPL de Cláudio Fajardo, ex-Movimento Revolucionário 8 de Outubro, e PPS, dos "limpinhos" Roberto Freire e Rubens Bueno, agora estão "juntos" na campanha do presidenciável Eduardo Campos; Bueno, no Paraná, vai comandar o palanque do governador pernambucano; com isso, Richa poderá dar adeus ao palanque duplo!, haja vista que o limpinho! também se diz candidato ao Palácio Iguaçu.

PPL de Cláudio Fajardo, ex-Movimento Revolucionário 8 de Outubro, e PPS, dos “limpinhos” Roberto Freire e Rubens Bueno, agora estão “juntos” na campanha do presidenciável Eduardo Campos; Bueno, no Paraná, vai comandar o palanque do governador pernambucano; com isso, Richa poderá dar adeus ao palanque duplo!, haja vista que o limpinho! também se diz candidato ao Palácio Iguaçu.

Agora vai. O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), candidato à  presidência da República, recebeu na semana passada apoio do Partido da Pátria Livre (PPL), conforme registro deste blogueiro. Ontem foi a vez do PPS, de Roberto Freire e Rubens Bueno, dar um chega pra lá no senador mineiro Aécio Neves (PSDB). ... 

Leia mais